revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #36 - Maio 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Metáforas para supervisão de Coaching

A adoção de supervisão de coaching ilustra o amadurecimen­to do coaching no Brasil e nos demais países do mundo. Diver­sos estudiosos sobre coaching, como Wildflower e Brennan (2010), apontam que coaching é uma atividade relativamente recente, que ganhou força a partir da década de 1980 e que conta com pluralidade de abordagens, influenciadas por mui­tas perspectivas teóricas e práticas. Tal pluralidade em coa­ching é um ingrediente relevante que faz com que entender o universo de supervisão de coaching não seja tarefa simples. Uma das maneiras de lidar com a complexidade é utilizar me­táforas, esta figura de linguagem que usa características de uma coisa para explicar outra. Erik De Haan, em seu livro “Su­pervision in action” (2012) lança mão de diferentes metáforas que ajudam a mapear o território de supervisão de coaching: o que se pode esperar de um processo de supervisão; desa­fios e oportunidades encontradas por coaches e supervisores; papeis do supervisor e do supervisionado. Estas metáforas são úteis porque apresentam diferentes olhares sobre um processo dinâmico e fascinante que pode levar a prática de coaches a patamares mais elevados.

Nos processos de supervisão, em geral o coach apresenta um caso de coaching: uma situação que intrigou o coach em sua ativi­dade, alguma dúvida, sensação incômoda, enfim alguma coisa sobre a qual o coach queira refletir. Uma supervisionada com quem trabalhei, por exemplo, quis refletir sobre a sensação que teve durante a reu­nião de alinhamento entre seu cliente de coaching, o gestor, o diretor de Recursos Humanos e ela. Quando a reunião termi­nou, a coach sentiu desconforto, pois ha­via se preocupado mais com o gestor do cliente e com o diretor de RH do que com seu cliente. Na supervisão refletimos sobre este caso: as forças do sistema organizacio­nal, a deferência que a coach demonstra ter a autoridade, a postura da própria cliente.

A coach disse que gostaria de ter condu­zido a reunião de alinhamento de outra maneira e de alguma forma ter colocado a cliente no centro da conversa e não à mar­gem, como lhe pareceu. De Haan (2012) usa duas metáforas para ilustrar o desejo de ter feito algo diferente durante a ses­são de coaching. A primeira metáfora é o l’esprit de l’escalier, descrita pelo iluminista Diderot. Trata-se do sentimento expresso por diplomatas franceses que deixavam reuniões tensas nas quais haviam ficado sem respostas para encontrarem as pa­lavras perfeitas ao pé da escada de saída, quando já era tarde demais. Da mesma maneira, a coach encontrou na sessão de supervisão uma outra maneira de facilitar a reunião, melhor para a cliente, porem depois que a reunião já havia terminado. Além disso, a coach estava arrependida da maneira como havia relegado a própria cliente. O sentimento de arrependimen­to remete a outra metáfora usada por De Haan, a figura da mitologia grega Tântalo. Este foi condenado a não saciar sua fome, de tal maneira que quando se aproximava das frutas das árvores elas se moviam com a força do vento. Da mesma forma, no caso trabalhado com a coach, a ação que nutriria sua cliente, colocando-a no centro da reu­nião, já não estava mais ao seu alcance.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Pen It!: Fazendo amizade com nossas vulnerabilidades.......em uma página

{"Escrevo inteiramente para encontrar o que estou pensando, o que estou vendo, o que vejo e o que isso significa, o que quero e o que temo"} Joan Didion [1] Ficar cara a cara com a nossa própria vulnerabilidade faz parte da jornada de cada pessoa ao logo da vida. O que fazemos quando estamos nesses pontos sensíveis tem sido o material para grandes poesias, filmes, músicas e histórias ao... leia mais

13 minutos

O Trabalho do Terapeuta Organizacional com base na AIT

Você acha que é possível se permitir sentir quando está trabalhando? Esta pergunta pode parecer ter uma resposta óbvia, e esta resposta vinda de sua mente poderá ser: “sim”. O que fico aqui me perguntando é que se isso parece tão óbvio, para muitos de nós, por que majoritariamente o ambiente organizacional tem se mostrado um contexto frio, insensível, composto de pessoas usando... leia mais

12 minutos

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há... leia mais

11 minutos

O Coaching Evolutivo no momento atual da Humanidade

Vou começar esse artigo com 3 frases que me ajudaram a entender de forma mais profunda o universo das ideias sobre valores, níveis de desenvolvimento e consciência estruturados por Richard Barrett, que é na minha visão, uma das maiores autoridades sobre cultura e valores.  Nos últimos anos ele escreveu uma série de livros falando sobre o tema desse artigo e sobre novas formas de... leia mais

15 minutos

As etapas do trabalho biográfico e as artes plásticas como linguagem do processo

1-Visão panorâmica da própria biografia  Ao passar por um processo biográfico a pessoa revê passo a passo, a trajetória de sua vida, os impulsos, sentimentos e anseios que permearam as suas experiências, desde a lembrança mais remota até o momento atual. Ela tem, ao final desta retrospectiva, uma visão panorâmica de sua própria vida. Esta vivência é diferente da mera... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium