revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #63 - Agosto 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Ética além de um código

Falar sobre ética é um assunto inesgotável e, felizmente, interminável. Sinto que este movimento é crescente e tem se tornado pauta de discussão a cada edição jornalística; não só por causa das evidências políticas em cenário nacional, mas também devido às intermináveis discordâncias movidas por crenças religiosas, políticas e econômicas em âmbito internacional. Todas as áreas da sociedade têm se movimentado em torno destes temas. Não só como reação aos acontecimentos, como também por causa de uma crescente necessidade de ordenação. Estamos vivendo a era do conhecimento, onde a busca pela consciência rege todas as nossas ações.

Mas para resolver questões éticas, não podemos necessariamente estar pautados em um código de ética, que apesar de nortear condutas previsíveis, certamente não terá amplitude para a diversidade de ocorrências nas relações humanas. Temos que buscar em nossas reflexões, no desenvolvimento contínuo, respostas possíveis para uma situação em uma zona cinzenta ou intempestiva. Olhar os significados, propósitos e intenções que regem os fatos.

Segundo Michael Carroll, a capacidade de discernir o certo, o melhor ou a boa ação é parte de nossas vidas diárias. Decisões cotidianas são baseadas em nossa capacidade de escolher a melhor decisão a ser tomada em situações muitas vezes complexas. Não há roteiro para nos guiar na direção daquilo que é correto. Os numerosos códigos e quadros de ética utilizados em várias profissões garantem o comportamento ético automático por parte dos seus membros.

Costumo dizer que é ético aquilo que faz bem para mim e para o outro; servir a um só não é suficiente, temos que estar o tempo todo olhando para dentro e para fora. Um código de ética pode servir de arcabouço para um trabalho, uma conversa ou um contexto que rege relações de qualquer tipo. Mesmo quando nos comportamos de forma ética, há momentos em que somos incapazes de articular, por isso fizemos o que fizemos ou fornecemos uma explicação coerente dos processos de tomada de decisão que resultaram em nossa ação. Mesmo quando podemos explicar o que fizemos e conectá-lo com as diretrizes e princípios, não há garantias de que vamos ter certeza de que fizemos a coisa certa e, nem sempre, poderemos ficar em paz com a decisão ética ou moral.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Imunidade à mudança e o novo papel da liderança

Atuo, há mais de 30 anos, no campo do desenvolvimento humano voltado para profissionais que ocupam posições de gestão. Nesta trajetória, a prática como coach trouxe à tona os desafios dos clientes para efetivar mudanças. O episódio que quero resgatar remonta ao encontro da International Coach Federation (ICF) de 2014, quando assisti à palestra do professor Robert Kegan sobre a teoria da... leia mais

16 minutos

Espiritualidade e religião

"Nenhuma pessoa é uma ilha!”John Donne (1572-1631) Se você pesquisar a palavra espiritualidade no Google prepare-se para um impacto. Em 16 de setembro de 2020 este site fazia 20 milhões e 100 mil de referências a ela. O impacto se repetirá se a substituir pela palavra religião. Na mesma data havia 42 milhões e 500 mil de... leia mais

12 minutos

Autoconhecimento e aplicações dos talentos na prática

“...mesmo que frequentemente duro, e às vezes assustador, o autoconhecimento empodera as pessoas.” Christopher Contrary em The Value of Self-Knowledge Deixe-me compartilhar uma história pessoal. Não é fácil lembrar daquele tempo da minha vida, mas acredito ser válido dividir com você, caro leitor e colega: No meu quarto ano de carreira corporativa, eu trabalhava em uma... leia mais

12 minutos

Desafios e Oportunidades nos países de Língua Portuguesa em África

É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir a trás, Esperançar é construir, esperançar é não desistir. Esperançar é levar a diante, Esperançar é juntar-se aos outros Para fazer... leia mais

11 minutos

Modernidade Gasosa - Ensaios sobre a vulnerabilidade

No ano de 1999, o sociólogo Zygmunt Bauman escrevia "Modernidade Líquida", cenário onde hábitos e costumes são movidos pela finalidade de obter sensação de completude do ser. A palavra "líquida" é atribuída pelo fato desta necessidade ser tão imediatista, que as ações que almejam nossa completude, acabam por não serem devidamente vividas e absorvidas - escorrendo por entre os dedos.... leia mais

8 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium