revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #63 - Agosto 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Ética além de um código

Falar sobre ética é um assunto inesgotável e, felizmente, interminável. Sinto que este movimento é crescente e tem se tornado pauta de discussão a cada edição jornalística; não só por causa das evidências políticas em cenário nacional, mas também devido às intermináveis discordâncias movidas por crenças religiosas, políticas e econômicas em âmbito internacional. Todas as áreas da sociedade têm se movimentado em torno destes temas. Não só como reação aos acontecimentos, como também por causa de uma crescente necessidade de ordenação. Estamos vivendo a era do conhecimento, onde a busca pela consciência rege todas as nossas ações.

Mas para resolver questões éticas, não podemos necessariamente estar pautados em um código de ética, que apesar de nortear condutas previsíveis, certamente não terá amplitude para a diversidade de ocorrências nas relações humanas. Temos que buscar em nossas reflexões, no desenvolvimento contínuo, respostas possíveis para uma situação em uma zona cinzenta ou intempestiva. Olhar os significados, propósitos e intenções que regem os fatos.

Segundo Michael Carroll, a capacidade de discernir o certo, o melhor ou a boa ação é parte de nossas vidas diárias. Decisões cotidianas são baseadas em nossa capacidade de escolher a melhor decisão a ser tomada em situações muitas vezes complexas. Não há roteiro para nos guiar na direção daquilo que é correto. Os numerosos códigos e quadros de ética utilizados em várias profissões garantem o comportamento ético automático por parte dos seus membros.

Costumo dizer que é ético aquilo que faz bem para mim e para o outro; servir a um só não é suficiente, temos que estar o tempo todo olhando para dentro e para fora. Um código de ética pode servir de arcabouço para um trabalho, uma conversa ou um contexto que rege relações de qualquer tipo. Mesmo quando nos comportamos de forma ética, há momentos em que somos incapazes de articular, por isso fizemos o que fizemos ou fornecemos uma explicação coerente dos processos de tomada de decisão que resultaram em nossa ação. Mesmo quando podemos explicar o que fizemos e conectá-lo com as diretrizes e princípios, não há garantias de que vamos ter certeza de que fizemos a coisa certa e, nem sempre, poderemos ficar em paz com a decisão ética ou moral.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O Pensar, Sentir e Querer na prática de coaching - compartilhando aprendizados

O que escrevo a seguir não tem a pretensão de trazer em profundidade os conceitos desenvolvidos por Rudolf Steiner e a cosmovisão antroposófica. Com certeza ao longo desta edição da Revista Coaching você, leitor, encontrará textos e ideias de qualidade a esse respeito. Minha proposta é compartilhar como, em minha prática como coach executivo e de times, me valho de alguns destes... leia mais

12 minutos

Slow Content como caminho para a autenticidade na comunicação

Provavelmente você já buscou algum conhecimento de marketing digital para divulgar seu trabalho e se deparou com uma quantidade enorme de caminhos, em sua maioria, direcionados à hiperprodução de conteúdos e presença no maior número de espaços online para assim, ter “resultado” (o que é resultado? para quem?). Ao tentar seguir fórmulas de comunicação que teoricamente são... leia mais

8 minutos

Sem Inteligência Emocional, Mentoria Não Há

“Raiva, medo, agressão. Ao lado sombrio elas pertencem” Yoda Luke era um talento em ascensão. Todos acreditavam – inclusive o próprio Luke – que ele estava destinado a grandes coisas. Foi exatamente por isso que foi um golpe para ele, quando, após a realização de uma apresentação para os principais executivos de sua organização, ao invés de receber os esperados... leia mais

13 minutos

Coaching Solidário: Djunta Mô – “juntar as mãos”

O projeto Erguer Cabo Verde surge no âmbito do COVID-19, para apelar a um “Djunta Mô” (expressão máxima de solidariedade na cultura cabo-verdiana que significa juntar as mãos) internacionalmente para ajudar a ultrapassar a pior crise dos últimos 25 anos no país, instalada pela pandemia. Sendo a solidariedade um dos valores mais nobres da humanidade, que emerge à escala global nos... leia mais

13 minutos

Porque o Futuro Precisa de Pessoas Protagonistas

Você já deve ter se deparado com alguma reviravolta pessoal ou profissional, onde precisou se reinventar rapidamente para conseguir dar conta de algum desafio. Isso faz parte da vida de todo ser vivo, não somente nós humanos, mas de toda a natureza. O mundo está em constante transformação e quem não se adapta corre o risco de ficar extinto. Por mais extremista que possa parecer esta... leia mais

12 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium