revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #63 - Agosto 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Ética além de um código

Falar sobre ética é um assunto inesgotável e, felizmente, interminável. Sinto que este movimento é crescente e tem se tornado pauta de discussão a cada edição jornalística; não só por causa das evidências políticas em cenário nacional, mas também devido às intermináveis discordâncias movidas por crenças religiosas, políticas e econômicas em âmbito internacional. Todas as áreas da sociedade têm se movimentado em torno destes temas. Não só como reação aos acontecimentos, como também por causa de uma crescente necessidade de ordenação. Estamos vivendo a era do conhecimento, onde a busca pela consciência rege todas as nossas ações.

Mas para resolver questões éticas, não podemos necessariamente estar pautados em um código de ética, que apesar de nortear condutas previsíveis, certamente não terá amplitude para a diversidade de ocorrências nas relações humanas. Temos que buscar em nossas reflexões, no desenvolvimento contínuo, respostas possíveis para uma situação em uma zona cinzenta ou intempestiva. Olhar os significados, propósitos e intenções que regem os fatos.

Segundo Michael Carroll, a capacidade de discernir o certo, o melhor ou a boa ação é parte de nossas vidas diárias. Decisões cotidianas são baseadas em nossa capacidade de escolher a melhor decisão a ser tomada em situações muitas vezes complexas. Não há roteiro para nos guiar na direção daquilo que é correto. Os numerosos códigos e quadros de ética utilizados em várias profissões garantem o comportamento ético automático por parte dos seus membros.

Costumo dizer que é ético aquilo que faz bem para mim e para o outro; servir a um só não é suficiente, temos que estar o tempo todo olhando para dentro e para fora. Um código de ética pode servir de arcabouço para um trabalho, uma conversa ou um contexto que rege relações de qualquer tipo. Mesmo quando nos comportamos de forma ética, há momentos em que somos incapazes de articular, por isso fizemos o que fizemos ou fornecemos uma explicação coerente dos processos de tomada de decisão que resultaram em nossa ação. Mesmo quando podemos explicar o que fizemos e conectá-lo com as diretrizes e princípios, não há garantias de que vamos ter certeza de que fizemos a coisa certa e, nem sempre, poderemos ficar em paz com a decisão ética ou moral.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Feliz Ano Novo!

“Adeus ano velho, feliz ano novo. Que tudo se realize no  ano que vai nascer! (...)” David Nasser e Francisco Alves Ah!.... A subjetividade e a objetividade que envolvem o fim de um ano e o início de um novo...fiquei tão energizada quando recebi o convite de Luciano Lannes que minha subjetividade através da relação que tenho com a música tomou forma e veio forte... leia mais

13 minutos

Mensagem de uma Coach para o Caro Leitor

Prezado Leitor, Agradeço ao amigo e colega Luciano Lannes, editor da única Revista sobre coaching no Brasil, a oportunidade de enviar-lhe meus melhores cumprimentos e votos de um Novo Ano pleno de Paz, Bem Estar e Realizações. Falar sobre mudanças passou a ser redundante num mundo em constante, rápida e profunda transformação. Vivemos momentos sem precedentes na história da... leia mais

9 minutos

Empatia Eficaz: a chave para o coaching transformacional

(Practice – Accurate Empathy: the key to masterful coaching) A palestra aconteceu em um tom de conversa informal, com muita maestria pessoal e toques de emoção genuína por parte do Dr. D Ivan Young. Algumas ideias centrais merecem estar neste texto, não por serem novas, mas por trazerem profundidade no tema e desafios gigantes para os coaches que desejam fazer a diferença na... leia mais

14 minutos

O que significa ser “alfabetizado em futuros”?

Ser alfabetizado no futuro significa compreender que existem diferentes sistemas de antecipação. São diferentes maneiras de imaginarmos o futuro e diferentes razões para imaginar o futuro. A proposição básica é que o futuro só́ pode ser imaginário. Precisamos entender por que e como nossa imaginação criou imagens do futuro, baseando-se em suposições ou molduras. Portanto, para... leia mais

8 minutos

Pais imperfeitos, filhos resilientes: o poder da autocompaixão

Apesar de conhecido como fundador da psicologia positiva, meu professor de mestrado, Martin Seligman, construiu a carreira estudando depressão. E como um bom pesquisador, nos incentivava a refletir sobre perguntas para as quais ele ainda não havia encontrado respostas. Uma das mais recorrentes era: por que estamos deprimindo cada vez mais? Por mais que o mundo tenha muito espaço para mudanças... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium