revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #105 - Fevereiro 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Viver é melhor que sonhar!

“... qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa” 1


Quando o Luciano Lannes me convidou a escrever um artigo para a edição chamada “Feliz Ano Novo!” respondi, sem pensar, “sim!”. Sem pensar, mas também sem ideia nenhuma sobre o que ia escrever. Só sabia que o artigo deveria trazer uma reflexão positiva, no primeiro mês de um ano 2022 desafiador. Confessei-lhe a minha falta de ideias e a resposta foi: “Seu coração dirá. É dele que este texto sairá.” E assim é que ficou!

Agora, cá estou, sentado à minha secretária, pensando no novo ano, no que ele vai trazer e esperando que o meu coração me diga algo. Abro os meus sentidos, tento ouvi-lo. Percebo, aos poucos, que estou a ser invadido por um som baixinho, por uma música leve que está a ganhar força com cada verso, com cada palavra, cada vez mais alto... “Viver é melhor que sonhar...”[9] Ouço, dentro de mim a voz incrível de Elis Regina e sinto, como se fosse ao vivo, a sua presença total no palco. Pois é: viver é melhor que sonhar!

Que apelo poderia ser mais apropriado do que esse, no início de um ano novo? Vamos viver! Sim, “Para abraçar meu irmão / E beijar minha menina na rua / É que se fez o meu lábio / O meu braço e a minha voz” (1). E, digo eu, para viver se fez o ser humano! Vamos viver!

Tomo a decisão e chamo a música para me ajudar. Ela é que está sempre ao nosso lado, muitas vezes sem sequer percebermos. Nos versos vamos encontrar as nossas reflexões. Até porque “Na natureza, por exemplo, a beleza é utilitária, isto é, não existe no universo fulgor sem serventia. Se os cientistas fossem à procura da beleza ao invés da funcionalidade chegariam mais depressa à funcionalidade.” ([10]) Vamos em busca da beleza!

O ano 2021 acaba. Mais um ano. Sempre, nestes momentos, pensamos no passar do tempo. Num tom baixinho, a música acompanha o meu pensamento: “Eu sei / Que a vida tem pressa / Que tudo aconteça / Sem que a gente peça / Eu sei... / Eu sei / Que o tempo não para / O tempo é coisa rara / E a gente só repara / Quando ele já passou” ([11]). Reparamos, sim. E agora, José? Tristeza? Beco sem saída? Tarde demais? Pelo contrário, vamos viver!

Porque nunca é tarde demais passarmos a ser, de novo, crianças. E “Você verá / Que a emoção começa agora / Agora é brincar de viver / E não esquecer / Ninguém é o centro do universo / Assim é maior o prazer / Você verá que é mesmo assim / Que a história não tem fim / Continua sempre que você / Responde sim à sua imaginação / A arte de sorrir / Cada vez que o mundo diz não / E eu desejo amar todos / Que eu cruzar pelo meu caminho / Como sou feliz, eu quero ver feliz / Quem andar comigo, vem” ([12]).

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Planejando o futuro no presente

Muitas vezes atribuímos toda a responsabilidade de ações sustentáveis no impacto da empresa para fora, no local, na comunidade e no meio ambiente. Há muitas ações sustentáveis da porta para dentro das organizações, e o planejamento estratégico é uma delas. Por quê? É no planejamento estratégico que a empresa assume o compromisso com a sustentabilidade, definindo objetivos... leia mais

10 minutos

Quebrando o status quo: Felicidade ou conformismo

De acordo com a famosa pirâmide de Maslow e versões atualizadas de pirâmides de necessidades, o ápice de felicidade de uma pessoa está na autorrealização. Para alcançar esse topo, muitas coisas são propostas, como aproveitar os momentos, amor-próprio, resiliência, autoconhecimento e a lista se estende. Não se engane, cada um desses pontos é importante, porém são... leia mais

12 minutos

Perder-se na multidão para encontrar-se

“Você pode se afastar?” Aquelas palavras me tomam com surpresa e certa incredulidade, e peço para ela repetir. Mais uma vez, escuto a frase adicionada de “você está invadindo o meu espaço”. Sem pensar, dou dois pequenos passos para o lado, dentro do já confinado espaço do metrô londrino. Aperto a minha gigantesca bolsa contra o meu corpo a fim de diminuí-la de tamanho (em vão);... leia mais

11 minutos

Segurança Psicológica: Potencializando a voz que não mais silencia

Por que silenciamos mesmo quando desejamos expressar genuinamente a nossa opinião ou ideia sobre algo? Silenciamos a partir do medo de não nos expor? Podemos assumir que isso acontece quando não há segurança psicológica no ambiente? O termo “espiral do silêncio” foi criado pela alemã Elisabeth Noelle Neumann e está relacionado ao medo que os indivíduos têm de serem isolados pela... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium