revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #95 - Abril 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O Papel da Pesquisa na Prática do Coaching Executivo e Empresarial

“Se nós coaches nos propomos a oferecer coaching, bem como metodologias que sejam eficazes para nossos clientes, será necessário nos mantermos a par da literatura de coaching e das pesquisas que informam sua prática eficaz.”
A.Grant  e S. O’Connor(2019)

“Penso que não basta saber na prática que coaching funciona  ou acreditar em alguma explicação de senso comum a respeito de sua eficácia”
A. Scoular (2011, p.178)


A relação entre pesquisa e prática nem sempre tem sido adequadamente reconhecida nas intervenções da área da aprendizagem e do desenvolvimento humano.

No caso específico do Coaching em geral, e do Coaching Executivo e Empresarial em particular, esta situação se repete.

Passmore e Travis (2011), observam que a partir dos anos noventa começaram a aparecer, com mais frequência, artigos de natureza qualitativa sobre coaching. Estes tendiam a abordar o coaching como “uma habilidade” e a metodologia utilizada era, em geral, a de “estudos de caso”.  Nesta fase raros eram os estudos quantitativos/comparativos focando, de forma sistemática, as intervenções de coaching e seus resultados.

Muitas das investigações apresentavam limitações, inconsistências, falhas na coleta e análise dos dados coletadas e pouca representatividade, por não se tratar de amostras estatisticamente representativas. Alguns estudos de caso, entretanto, continham uma certa riqueza qualitativa, revelando novas facetas do coaching e novos fatores intervenientes a serem exploradas.

Dentre os temas abordados figuravam as diferenças entre coaching e outras intervenções tais como aconselhamento, treinamento, ensino, terapia, as definições de coaching, atributos críticos do coaching efetivo, aspectos éticos da intervenção, fases do coaching. Surgiram também algumas poucas investigações sistemáticas sobre relações coach/coachee e seu efeito nos resultados do processo (De Haan, 2008), bem como o impacto do coaching sobre os indivíduos e a organização.

Como escreveram Passmore e Travis (2011), expressando suas expectativas, “Espera-se que em 2021 os pesquisadores tenham realizado entre 50 e 100 estudos representativos (com mais de 60 participantes), utilizando grupos de controle, representatividade, como também a colaboração conjunta de acadêmicos e profissionais”.

Pouco tempo antes do seu prematuro falecimento, Anthony Grant (*) (2019) publicou, juntamente com Sean O’Connor, um artigo que aborda a relevância da pesquisa para o contínuo crescimento e desenvolvimento do Coaching.

Em breve menção aos idos dos anos noventa, os autores lembram o tempo dos chamados cursos de coaching “sem base teórica, com padrões de prática profissional e ética limitados”. Esta situação, entretanto, ainda não se encontra totalmente ultrapassada, apesar do crescimento exponencial de pesquisas de qualidade disponíveis, o que tem contribuído para o aperfeiçoamento da prática do coaching. Tal situação tem sido observada com maior frequência no caso do coaching executivo e empresarial, uma vez que as organizações tendem,  cada vez mais, a buscar evidências claras a respeito dos resultados obtidos através destas intervenções.

Grant e O’Connor (2019, p.3) ao focalizar o papel do coach, enfatizam ainda que “nós, coaches, precisamos nos engajar naquele tipo de autorreflexão informada e intencional que encorajamos nossos coachees a praticar”. Ressaltam, também, que ao integrar os conhecimentos gerados pelas pesquisas existentes à nossa experiência pessoal e expertise profissional, “tornamo-nos mais maduros e equilibrados”. Em outras palavras, mais capacitados a manter nossa atualização através de informações resultantes das pesquisas sobre coaching cuja abordagem é baseada em evidência.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Quem é o coach de Equipe Organizacional?

“Como poderemos alterar os processos que acontecem nas nossas equipes para alcançar outras coisas além de melhorar o desempenho do que executamos hoje? David Clutterbuck (2016) Introdução O coach de equipe organizacional tem diante de si desafios diferentes do coach que faz coaching um-a-um /individual nas organizações. E as razões são várias. Inicialmente... leia mais

23 minutos

O Coaching de Equipe e Suas Especificidades

“No trabalho, como na dança do tango, as Equipes dependem de uma profunda confiança mútua e clareza de comunicação”- (M. Wucker, 2018) Jones et al. (2019, p. 1.) num interessante artigo sobre o que distingue o Coaching de Equipe (CEq.) de outras intervenções, ressaltam três aspectos relevantes: 1. “Sendo as equipes parte das organizações efetivas, a... leia mais

20 minutos

O Que É Cultura de Coaching?

"A cultura é o patrimônio mais importante" Ginni Rometty (CEO- IBM) "Você jamais ultrapassará os limites estabelecidos pela cultura no seu trabalho conjunto pois esta, tal como o ar que respiramos, é ubíqua, e tudo afeta." Douglas Riddle, 2016. Introdução Antony Jay {1972), nos relata uma experiência interessante que define e ilustra o conceito de... leia mais

21 minutos

COACHING : uma relação contratual

“Começar certo é meio caminho andado“ Provérbio grego. Introdução O tema contrato, apesar de sua relevância nos resultados a serem alcançados em processos de coaching, pouco tem sido abordado na literatura especializada nos últimos anos. No caso específico do Coaching Executivo e Empresarial, devido a complexa rede de interações que envolvem o processo,... leia mais

21 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium