revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #90 - Novembro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Imunidade à mudança e o novo papel da liderança

Atuo, há mais de 30 anos, no campo do desenvolvimento humano voltado para profissionais que ocupam posições de gestão. Nesta trajetória, a prática como coach trouxe à tona os desafios dos clientes para efetivar mudanças. O episódio que quero resgatar remonta ao encontro da International Coach Federation (ICF) de 2014, quando assisti à palestra do professor Robert Kegan sobre a teoria da imunidade à mudança.

Ao conhecer essa teoria e construir meu mapa de imunidade, vivi na pele a sua potência. O primeiro contato, no entanto, foi breve. A finalização do professor foi muito rápida, e saí de lá sem compreender a continuidade do processo. A opção foi formar um grupo de estudos que, durante um ano, dedicou-se a aprofundar sobre o entendimento desta metodologia.

Fazer a formação Immunity to Change, em 2015, com os professores  Robert Kegan e Liza Lahey, me permite, cinco anos depois, afirmar que este foi o melhor investimento feito em minha carreira como coach.

Meu objetivo ao escrever esse artigo é compartilhar os resultados significativos e inspiradores relatados pelos meus clientes: trata-se do desenvolvimento de líderes que trabalharam com o mapa de imunidade e que conseguiram, finalmente, mudar suas práticas, adotando novas posturas aderentes ao perfil do profissional tão esperado pelas organizações. Espero, assim, contribuir para que coaches e clientes conheçam  uma  metodologia eficaz em promover e sustentar as mudanças. Vale destacar que,  infelizmente, ainda hoje, 30 anos depois, os resultados com programas tradicionais de liderança permanecem incipientes – principalmente quando comparados com o investimento bilionário feito com a educação executiva, conforme Pfeffer e Sutton (1999).

Em O futuro da Administração, Hamel e Brieen (2007) afirmam que as organizações estavam sendo gerenciadas por líderes do século passado.  Segundo eles, as teorias foram escritas por um reduzido grupo de teóricos que rotulavam seus conceitos como a “moderna administração”, embora tenham sido desenvolvidos para o cenário dos primeiros anos do século XX. Estes modelos contribuíram para moldar e sustentar crenças ainda vigentes sobre o papel da liderança que, de maneira sintética, pode ser descrita como heroica, centrada em comando e controle, eficiência de processos e foco em resultados a qualquer custo.

Ao longo destas três décadas, houve um crescimento acentuado  de diferentes aportes conceituais, buscando compreender aprendizagem e mudança – de adultos e organizações – que pudessem ancorar o desenvolvimento das lideranças rumo a perfis mais aderentes a cenários cada vez mais complexos. 

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A Importância dos Inner Development Goals (IDGs) e o Papel da Liderança na Sustentabilidade

Introdução ao Desenvolvimento Interno Nos últimos 2 anos tenho utilizado um conjunto abrangente de ferramentas para apoiar o desenvolvimento de 23 competências, organizadas em cinco dimensões. Estes constituem o framework dos Inner Development Goals (IDGs), que têm como propósito fomentar as qualidades internas essenciais para a liderança no século XXI. O desenvolvimento dos IDGs foi... leia mais

13 minutos

Mais tecnologia, menos robotização: a importância da marca pessoal no mercado atual

Um dos grandes paradoxos da sociedade atual é que, mesmo diante da constante discussão sobre a importância das novas tecnologias e como podemos utilizar essas ferramentas de última geração, como IA, IAG, Big Data, Iot, Cloud Computing, valorizamos e exigimos uma troca cada vez mais humanizada nas relações nos segmentos B2B e B2C.  A demanda pela personalização mostra que sim,... leia mais

10 minutos

Assédio no Ambiente de Trabalho: Compreensão e Implicações Legais sob a CLT

O ambiente de trabalho é onde passamos uma parte significativa do nosso tempo diário, e é essencial que seja um espaço seguro e saudável para todos os colaboradores. Infelizmente, o assédio no local de trabalho é uma realidade que muitas pessoas enfrentam, prejudicando não apenas o bem-estar dos funcionários, mas também a produtividade e o ambiente geral da empresa. Neste artigo,... leia mais

9 minutos

Sobre Inteligência Emocional

Ahh emoções, sempre as emoções. Quando somos perguntados se somos seres racionais ou emocionais, a maioria responde, com grande convicção, racionais. Pois é! Quando pensamos na frase “as pessoas são contratadas pelas suas competências técnicas e demitidas, via de regra, pelas incompetências emocionais”, vemos que as emoções exercem um papel muito maior em nossas vidas do... leia mais

5 minutos

O impacto das emoções na confiança e nas relações

Sabemos que todos os clientes são pessoas, e que todos os funcionários são pessoas. Logo, para entender de negócios precisamos entender de pessoas, correto? Mas, a pergunta que fica é: como pessoas funcionam? De acordo com o Eneagrama Cognitivo, a teoria de funcionamento psicológico humano mais recente, desenvolvida por Jomar Filho, pessoas são movidas por certas energias, que dão vida... leia mais

9 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium