revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #90 - Novembro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Imunidade à mudança e o novo papel da liderança

Atuo, há mais de 30 anos, no campo do desenvolvimento humano voltado para profissionais que ocupam posições de gestão. Nesta trajetória, a prática como coach trouxe à tona os desafios dos clientes para efetivar mudanças. O episódio que quero resgatar remonta ao encontro da International Coach Federation (ICF) de 2014, quando assisti à palestra do professor Robert Kegan sobre a teoria da imunidade à mudança.

Ao conhecer essa teoria e construir meu mapa de imunidade, vivi na pele a sua potência. O primeiro contato, no entanto, foi breve. A finalização do professor foi muito rápida, e saí de lá sem compreender a continuidade do processo. A opção foi formar um grupo de estudos que, durante um ano, dedicou-se a aprofundar sobre o entendimento desta metodologia.

Fazer a formação Immunity to Change, em 2015, com os professores  Robert Kegan e Liza Lahey, me permite, cinco anos depois, afirmar que este foi o melhor investimento feito em minha carreira como coach.

Meu objetivo ao escrever esse artigo é compartilhar os resultados significativos e inspiradores relatados pelos meus clientes: trata-se do desenvolvimento de líderes que trabalharam com o mapa de imunidade e que conseguiram, finalmente, mudar suas práticas, adotando novas posturas aderentes ao perfil do profissional tão esperado pelas organizações. Espero, assim, contribuir para que coaches e clientes conheçam  uma  metodologia eficaz em promover e sustentar as mudanças. Vale destacar que,  infelizmente, ainda hoje, 30 anos depois, os resultados com programas tradicionais de liderança permanecem incipientes – principalmente quando comparados com o investimento bilionário feito com a educação executiva, conforme Pfeffer e Sutton (1999).

Em O futuro da Administração, Hamel e Brieen (2007) afirmam que as organizações estavam sendo gerenciadas por líderes do século passado.  Segundo eles, as teorias foram escritas por um reduzido grupo de teóricos que rotulavam seus conceitos como a “moderna administração”, embora tenham sido desenvolvidos para o cenário dos primeiros anos do século XX. Estes modelos contribuíram para moldar e sustentar crenças ainda vigentes sobre o papel da liderança que, de maneira sintética, pode ser descrita como heroica, centrada em comando e controle, eficiência de processos e foco em resultados a qualquer custo.

Ao longo destas três décadas, houve um crescimento acentuado  de diferentes aportes conceituais, buscando compreender aprendizagem e mudança – de adultos e organizações – que pudessem ancorar o desenvolvimento das lideranças rumo a perfis mais aderentes a cenários cada vez mais complexos. 

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O Emaranhado do Processo de Coaching

Decidi aproveitar a oportunidade de escrever esse artigo para abordar a estrutura Cynefin e como ela pode ajudar ao processo de Coaching e, também me aproximar de pessoas fascinantes que, em certa medida, foram meus tutores. Em essência, uma espécie de metajornada de treinamento em Coaching usando a estrutura Cynefin como um mapa e uma ferramenta de navegação. O tempo era uma restrição,... leia mais

16 minutos

Espiritualidade e religião

"Nenhuma pessoa é uma ilha!”John Donne (1572-1631) Se você pesquisar a palavra espiritualidade no Google prepare-se para um impacto. Em 16 de setembro de 2020 este site fazia 20 milhões e 100 mil de referências a ela. O impacto se repetirá se a substituir pela palavra religião. Na mesma data havia 42 milhões e 500 mil de... leia mais

12 minutos

Autoconhecimento e aplicações dos talentos na prática

“...mesmo que frequentemente duro, e às vezes assustador, o autoconhecimento empodera as pessoas.” Christopher Contrary em The Value of Self-Knowledge Deixe-me compartilhar uma história pessoal. Não é fácil lembrar daquele tempo da minha vida, mas acredito ser válido dividir com você, caro leitor e colega: No meu quarto ano de carreira corporativa, eu trabalhava em uma... leia mais

12 minutos

Desafios e Oportunidades nos países de Língua Portuguesa em África

É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir a trás, Esperançar é construir, esperançar é não desistir. Esperançar é levar a diante, Esperançar é juntar-se aos outros Para fazer... leia mais

11 minutos

Modernidade Gasosa - Ensaios sobre a vulnerabilidade

No ano de 1999, o sociólogo Zygmunt Bauman escrevia "Modernidade Líquida", cenário onde hábitos e costumes são movidos pela finalidade de obter sensação de completude do ser. A palavra "líquida" é atribuída pelo fato desta necessidade ser tão imediatista, que as ações que almejam nossa completude, acabam por não serem devidamente vividas e absorvidas - escorrendo por entre os dedos.... leia mais

8 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium