revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #89 - Outubro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Perguntas em Coaching Executivo e Empresarial

“Mais do que buscar listas mágicas de pergunta, os coaches precisariam compreender a ciência do questionamento para orientar suas decisões sobre que tipo de perguntas fazer e quando fazê-las” 
Hauser, 2017 


Perguntar é uma intervenção amplamente utilizada e discutida em atividades profissionais relacionadas com comportamento humano.   

Embora o perguntar seja considerado como uma competência chave nos processos de  Coaching e que “na essência do coaching de qualidade encontra-se a arte de ouvir e questionar” (Bacon e Voss, 2012), especialistas enfatizam a necessidade de investigar as diferentes facetas  das interações que ocorrem entre coach e coachee durante o processo,  tais como questionamento, resposta, escuta, reflexão, segurança psicológica e seu impacto nos resultados.,

Perguntas, quando adequada e estrategicamente formuladas, são uma das formas de coletar informações, construir e manter relacionamentos produtivos, aprender, pensar de forma crítica e criativa, estimular ações e decisões, solucionar problemas, aspectos estes abordados no decorrer de um processo de coaching.

No entanto, nem todos os que atuam como coaches tem clareza a respeito da importância não só das perguntas, como também das respostas e demais fatores envolvidos. Todos estes têm um papel no relacionamento produtivo e na criação de um clima de harmonia e colaboração necessários para a construção da parceria/ aliança de trabalho entre coach e coachee.

Alguns pontos a considerar na formulação das perguntas:

- Qual o objetivo da pergunta?

- Ela é adequada ao contexto?

- É este o momento apropriado para fazê-la?

- Foi claramente formulada?

- Contém algo subentendido que poderá influenciar a natureza da resposta?

- Trata-se de uma pergunta ou de uma afirmação?

- Convida o coachee a pensar, refletir, trocar informações, posicionar-se?

Como afirma Goldberg (1998, p. 344)) “Uma pergunta não feita  é uma porta não aberta” Abrir esta porta significa entrar em contato com o mindset do coachee, familiarizar-se com sua postura, maneira de ver a si mesmo e o mundo à sua volta e assim facilitar a comunicação e flexibilizar a interação.

Perguntas eficazes, coerentes e apropriadas geram respostas que, como lembra Whitmore (2004, p. 47), “indicam com frequência  ao coach a linha a ser seguida nas perguntas subsequentes e, ao mesmo tempo, possibilitam a  este monitorar se o coachee está seguindo uma direção produtiva”, alinhada com os objetivos a serem alcançados.

Em geral, escreve Scoular, (2011, p.78) as perguntas mais potentes tendem a ser “muito simples, curtas e abertas. Começam com O que, Onde, Quando e Como, geram informações e levam a conversa adiante”

* As perguntas constituem um dos instrumentos estratégicos que permitirá ao coach gerir a direção da conversação de modo a beneficiar a eficácia do processo de coaching. Diferentes perguntas estimulam diferentes respostas e podem ser utilizadas para abordar questões relevantes contidas nas respostas do coachee.  Por exemplo, o diálogo coach/coachee muitas vezes desvia-se do foco e uma pergunta adequada poderá recuperá-lo retomando o que Gallwey (1974) denominou de “atenção focada”.

* As perguntas, quando neutras, permitem que a conversação flua de acordo com os objetivos estabelecidos pelo coachee para o processo de coaching. Entretanto, sem se dar conta, o coach poderá direcioná-la para questões de seu próprio interesse ou que considera que seria o “certo”.  

* As perguntas têm o objetivo de expandir o nível de consciência do coachee, ou seja, “descobrir coisas novas, desde um insight até pensamentos que alteram a vida” (Scoular, 2011, p. 81). Perguntar ao  coachee como define certas palavras por ele utilizadas, é convidá-lo a entrar em contato com seus conceitos, valores, autoimagem, competências, significados e objetivos, ou seja, olhar para dentro de si e aprender com o que  vê.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

COACHING : uma relação contratual

“Começar certo é meio caminho andado“ Provérbio grego. Introdução O tema contrato, apesar de sua relevância nos resultados a serem alcançados em processos de coaching, pouco tem sido abordado na literatura especializada nos últimos anos. No caso específico do Coaching Executivo e Empresarial, devido a complexa rede de interações que envolvem o processo,... leia mais

21 minutos

COACHABILIDADE: O Contexto, o Coach e o Coachee

“Não se pode fazer coachingà revelia do coachee”-RRK Introdução Embora o Coaching EE seja hoje reconhecido como uma intervenção de caráter desenvolvimentista, sua utilização nem sempre é resultado de uma decisão criteriosa de natureza técnica, que considera as inúmeras variáveis que intervêm neste processo, bem como seu impacto nos resultados. Uma... leia mais

22 minutos

Supervisão em Coaching e o “The Manifesto for Supervision”

A Supervisão em Coaching tem sido considerada como um recurso eficaz  e potente que apoia e estimula o contínuo desenvolvimento do Coach Executivo e Empresarial (EE) bem como o  aperfeiçoamento de sua prática. Supervisão em coaching pode ser entendida como um processo que vai além da mera aprendizagem informacional (Kegan, 1994). Além de acrescentar novos conhecimentos,... leia mais

23 minutos

COACHING ORGANIZACIONAL: Uma disciplina em construção?

Num recente artigo, com o curioso título de Old Wine In New Bottles: Exploring Pragmatism as a Philosophical Framework For The Discipline Of Coaching, Bachkirova e Borrington (2019) abordam um tema que tem sido objeto de indagações de inúmeros Coaches que atuam tanto em  ensino e pesquisa quanto na aplicação do Coaching em organizações. Com base num cuidadoso levantamento... leia mais

23 minutos

Que Coach sou eu?

“ Ao questionar nossas pressuposições, ao nos comprometermos com uma autorreflexão construtiva e informada sobre nossa prática de Coaching, tornamo-nos profissionais mais maduros, equilibrados e com um propósito”A. Grant e G. O’Connor (2019) “Gostamos do que vemos no espelho? E de acordo com nossa luz nossa compreensão, nossa coragem, teremos que dizer sim ou não – e... leia mais

22 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium