revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #87 - Agosto 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Supervisão em Coaching e o “The Manifesto for Supervision”

A Supervisão em Coaching tem sido considerada como um recurso eficaz  e potente que apoia e estimula o contínuo desenvolvimento do Coach Executivo e Empresarial (EE) bem como o  aperfeiçoamento de sua prática.

Supervisão em coaching pode ser entendida como um processo que vai além da mera aprendizagem informacional (Kegan, 1994). Além de acrescentar novos conhecimentos, incorpora também  a dimensão da aprendizagem dita transformacional. Esta, mais abrangente e dinâmica, contribui para elevar a capacidade das pessoas de lidarem com a multiplicidade e variabilidade das demandas que caracterizam o mundo corporativo atual.

Assim, a Supervisão, uma forma de aprendizagem transformacional, disponibiliza para o Coach EE um processo contínuo de revisão do status quo, de expansão da visão de mundo, análise de valores, um burilar das competências relacionais e melhoria contínua da prática.

Apesar destes benefícios potenciais, poucos Coaches EE utilizam este recurso que, além de impactar positivamente a imagem do Coaching EE, eleva  o grau de aprendizagem dos envolvidos, ou seja, supervisor, supervisionado, coachee, stakeholders e a própria Organização cliente.

A Supervisão é um tema presente desde  os primórdios do Coaching EE. Já em 2003, Blukert publica um artigo em seu site, no qual aborda seus  aspectos favoráveis.

Moyes, (2009, p.160) ao analisar  a  literatura sobre supervisão em coaching, cita Hawkins (2006) “Coaching encontra-se em uma encruzilhada importante. Se pretende tornar-se uma profissão, implementar a supervisão constitui um passo crítico a ser tomado”

Tal afirmação é reforçada por  Schwenk (2007, p. 2) ao escrever “Supervisão é sintoma de uma profissão que está emergindo e faz  parte da garantia de boas práticas”

A primeira década do novo século assistiu a debates sobre a validade da Supervisão em coaching e dos modelos e funções que foram importados do Serviço Social e da Psicoterapia.

Moyes (2009, p. 170) escreve sobre o estado da arte que, “a supervisão em coaching opera num contexto que frequentemente é confuso, com diferentes definições sobre suas funções e com um modelo terapêutico emprestado. ... Há muita coisa acontecendo em matéria de supervisão em coaching, mas também muitas perguntas a serem respondidas.”

A segunda década assistiu a posicionamentos e debates mais intensos, envolvendo inclusive algumas instituições que optaram por tornar a supervisão um requisito obrigatório para processos de certificação/recertificação. Tal fato gerou grupos à favor e contra esta obrigatoriedade, bem como discussões a respeito da sua validade, embora muitas perguntas importantes continuaram sem respostas.

Bachkirova, Jackson e Clutterbuck  (2011) observaram que “embora ter um supervisor parece ser considerada uma prática relevante  na Europa, esta não é a opinião generalizada, criando um certo grau de controvérsia.”

Para Mallet,(2015) “a supervisão em coaching é tema de um grande debate. ..... Na atualidade não há consenso a respeito da definição de supervisão em coaching (exatamente o que é e quem está de fato qualificado para supervisionar)”. A autora ressalta ainda a presença de “discórdia e inquietação” na  comunidade de coaching e compara algumas das entidades representativas a “facções aparentemente competindo à favor e contra a supervisão em coaching”. As que se colocavam à favor referiam-se ao nicho de mercado lucrativo que seria     criado com a obrigatoriedade da supervisão, enquanto as que eram contra defendiam a livre escolha do coach, como parte de um processo de desenvolvimento profissional auto definido.

O clima vigente na época  é também ilustrado por Brock (2015, p.12) ao afirmar que  “o movimento da supervisão em coaching  está se espalhando globalmente  através de um esforço concentrado de marketing. Os proponentes da supervisão em coaching estão fazendo lobby nas associações profissionais, com os coaches e consumidores de serviços de coaching para adotarem a supervisão em coaching”.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

COACHING : uma relação contratual

“Começar certo é meio caminho andado“ Provérbio grego. Introdução O tema contrato, apesar de sua relevância nos resultados a serem alcançados em processos de coaching, pouco tem sido abordado na literatura especializada nos últimos anos. No caso específico do Coaching Executivo e Empresarial, devido a complexa rede de interações que envolvem o processo,... leia mais

21 minutos

Perguntas em Coaching Executivo e Empresarial

“Mais do que buscar listas mágicas de pergunta, os coaches precisariam compreender a ciência do questionamento para orientar suas decisões sobre que tipo de perguntas fazer e quando fazê-las” Hauser, 2017  Perguntar é uma intervenção amplamente utilizada e discutida em atividades profissionais relacionadas com comportamento humano.    Embora... leia mais

24 minutos

COACHABILIDADE: O Contexto, o Coach e o Coachee

“Não se pode fazer coachingà revelia do coachee”-RRK Introdução Embora o Coaching EE seja hoje reconhecido como uma intervenção de caráter desenvolvimentista, sua utilização nem sempre é resultado de uma decisão criteriosa de natureza técnica, que considera as inúmeras variáveis que intervêm neste processo, bem como seu impacto nos resultados. Uma... leia mais

22 minutos

COACHING ORGANIZACIONAL: Uma disciplina em construção?

Num recente artigo, com o curioso título de Old Wine In New Bottles: Exploring Pragmatism as a Philosophical Framework For The Discipline Of Coaching, Bachkirova e Borrington (2019) abordam um tema que tem sido objeto de indagações de inúmeros Coaches que atuam tanto em  ensino e pesquisa quanto na aplicação do Coaching em organizações. Com base num cuidadoso levantamento... leia mais

23 minutos

Que Coach sou eu?

“ Ao questionar nossas pressuposições, ao nos comprometermos com uma autorreflexão construtiva e informada sobre nossa prática de Coaching, tornamo-nos profissionais mais maduros, equilibrados e com um propósito”A. Grant e G. O’Connor (2019) “Gostamos do que vemos no espelho? E de acordo com nossa luz nossa compreensão, nossa coragem, teremos que dizer sim ou não – e... leia mais

22 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium