revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #86 - Julho 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Experimentando a Vulnerabilidade na China

“Imagine que, num belo dia, um disco voador o abduzisse e depois o soltasse num local totalmente estranho. Bum! Você cai de dentro da espaçonave, levanta e olha em volta. E o que você vê? Pessoas estranhas, que se vestem de forma estranha; se acocoram para descansar as pernas; usam buracos em vez de privadas; comem cachorro, cobra, escorpião, lagarta; gritam, se empurram, furam fila. Agora imagine que, neste novo local, você não tem carro, não tem emprego e perdeu a capacidade de se comunicar: não fala, não lê e muito menos escreve a língua dos habitantes. E você, que sempre vestiu a capa de super herói para os filhos, não consegue dizer o endereço de casa para o motorista de taxi e pede comida no restaurante apontando, com o dedinho a foto dos pratos, fazendo carinha de nojo quando eles chegam à mesa. A toda hora você se pergunta “de quem foi mesmo essa ideia maluca de embarcar nesta viagem interplanetária!”.

Foi assim que, há 9 anos, ainda cheia de julgamentos e intolerância, descrevi em meu livro meus primeiros meses de adaptação à China, onde moro até hoje. Esta sensação de extrema vulnerabilidade era parte do meu estado emocional quotidiano, do acordar até o dormir, e, para não dizer, parte até o dos meus sonhos.

Aos poucos, a sensação de vulnerabilidade, por estar fora do meu país, foi diminuindo. Por outro lado, ela foi ficando cada vez mais evidente em minha vida profissional, à medida em que os aspectos culturais começaram a interferir, diretamente, no resultado final do processo de coaching com meus clientes internacionais.

Em busca de auxílio para entender melhor as questões culturais, me deparei com o trabalho de Phillipe Rosinski que, hoje, é um dos grandes pilares da minha carreira como coach.

Segundo Phillipe Rosinski, autor do livro Coaching Across Cultures e primeiro MCC - ICF da Europa, os conceitos de coaching e interculturalidade sempre foram tratados de forma separada. Os profissionais especializados em interculturalidade são, na maior parte das vezes, pesquisadores, acadêmicos, educadores, políticos ou mediadores. Em resumo, generalistas que entendem os desafios do mundo multicultural, mas sem o preparo necessário para exercer o papel de coaches.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Bem-Estar: Alavancando Talentos para Enfrentar Adversidades

“Nunca estamos tão fortes quanto quando temos em mente nossos êxitos.” Donald O. Clifton, PhD Qual foi a conquista mais importante que você teve no último ano? Como seus talentos contribuíram para esse resultado? Como você se sente em relação a essa experiência? Algo especial acontece quando relembramos nossos sucessos anteriores. O semblante, o tom de voz, a... leia mais

13 minutos

A literatura lusófona – ferramenta de aprendizagem em Coaching

“As ideias têm poder. O insight de muitos dos grandes pensadores e escritores, ao longo dos séculos, ajuda-nos ... a descobrir caminhos importantes à medida que vamos atravessando a nossa existência.”Irvin D. Yalom Ao longo dos anos nós, os coaches, preparamo-nos constantemente para servir os clientes da melhor maneira possível. Seminários, formações, mentoria, supervisão, tudo na... leia mais

13 minutos

Psicoterapia Transpessoal

As psicoterapias se apresentam historicamente para a psicologia e para a sociedade como uma prática de grande relevância como uma ação de cuidado. Independentemente de sua orientação teórica, têm como objetivos principais levar a pessoa ao conhecimento de si, empreender tomadas de decisão e ações que favoreçam o próprio equilíbrio e crescimento do ser humano. É um processo que... leia mais

10 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium