revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #84 - Maio 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Poderá o processo de Coaching ter efeitos negativos para o Coach?

As demandas para processos de Coaching no mundo corporativo têm crescido exponencialmente nas últimas duas décadas, abrindo um espaço crescente para esta atividade a nível mundial.

Tal expansão, embora tenha trazido benefícios para inúmeras organizações e seus respectivos dirigentes, nem sempre foi complementada por atividades de pesquisa e acompanhamento sistemático dos resultados alcançados

Nos últimos anos, entretanto, alguns estudiosos têm buscado respostas para aspectos relevantes dos processos de coaching, particularmente do Coaching Executivo e Empresarial (EE).

Um destes aspectos refere-se às características específicas do trabalho do Coach EE e seus eventuais efeitos negativos para o Coach e para os resultados a serem alcançados.

Kilburg (2002, p. 288).), já no início do novo milênio, abordou esta questão, denominando-a de “Tópico Tabú em Coaching Executivo”. Lembra ele que “sucesso e fracasso em coaching constituem um continuum no qual o sucesso completo localiza-se numa das extremidades e o fracasso completo na outra” e elenca, com base em sua prática, fatores que poderiam contribuir para os resultados negativos do coaching para o coach.

O autor menciona também a inexistência, na época, de “estudos empíricos sobre métodos e resultados de coaching” e lembra que “os que estão interessados em coaching precisariam reconhecer o estado atual da arte da área, bem como suas possíveis limitações.” (Kilburg, 2002, p. 295).

Coaching EE é uma atividade não regulamentada que envolve uma relação de confidencialidade/sigilo com o seu cliente direto, o Coachee, bem como com a organização da qual este faz parte.

Atua num mercado competitivo e sem fronteiras, sujeito, desde seus primórdios, aos efeitos negativos de falta de regulamentação. Apesar disso, surgiram algumas vozes lúcidas, como as de Berglas (2002) , de Sherman e Freas (2005) alertando para eventuais abusos, riscos e efeitos negativos do Coaching EE. Como lembrava Grant (2007, p. 259), “Houve pouca discussão na literatura de coaching sobre a possibilidade das intervenções do coaching serem prejudiciais”

Nos últimos anos, entretanto, estas questões tem sido retomadas por alguns especialistas preocupados em abordar, além de questões tais como a relação Coach/Coachee, a validade e a eficácia dos processos de Coaching, os diferentes modelos de formação de Coaches EE, também outras que poderiam impactar negativamente o coach, sua atuação e o próprio processo de Coaching EE..

Schermuly (2014), um dos estudiosos do tema, define efeitos negativos do coaching para o coach como “todos os resultados prejudiciais e indesejados para os coaches causados diretamente pelo coaching que ocorrem paralelamente ou após o coaching.”

Este pesquisador e seus colegas publicaram entre 2014 e 2019 vários trabalhos

(Schermuly e Grassman, 2018) voltados para a investigação sistemática destes efeitos indesejados, prejudiciais e diretamente relacionados com o processo de coaching. Segundo a definição acima, Indesejado significa que o coach não induziu o efeito voluntariamente, Prejudicial significa que o prejuízo será do coach e Diretamente é que deverá ter relação direta entre a atuação do coach e a ocorrência do efeito.

Schermuly e Bohnhardt (2014) ao entrevistarem 20 coaches alemães experientes identificaram vários efeitos negativos do coaching para os coaches.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

COACHING ORGANIZACIONAL: Uma disciplina em construção?

Num recente artigo, com o curioso título de Old Wine In New Bottles: Exploring Pragmatism as a Philosophical Framework For The Discipline Of Coaching, Bachkirova e Borrington (2019) abordam um tema que tem sido objeto de indagações de inúmeros Coaches que atuam tanto em  ensino e pesquisa quanto na aplicação do Coaching em organizações. Com base num cuidadoso levantamento... leia mais

23 minutos

Que Coach sou eu?

“ Ao questionar nossas pressuposições, ao nos comprometermos com uma autorreflexão construtiva e informada sobre nossa prática de Coaching, tornamo-nos profissionais mais maduros, equilibrados e com um propósito”A. Grant e G. O’Connor (2019) “Gostamos do que vemos no espelho? E de acordo com nossa luz nossa compreensão, nossa coragem, teremos que dizer sim ou não – e... leia mais

22 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium