revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #84 - Maio 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há espaço para expressão do “ser”.

A cada pesquisa publicada pelo Instituto Gallup, constatamos que estamos diante de uma epidemia de pessoas adoecendo. A maioria das investigações aponta que: trabalhar em organizações com experiências negativas, não só gera custos laborais como também desestabiliza a vida emocional, pessoal e familiar.

Reinventar-se é a premissa para acessar um ciclo evolutivo, onde invertemos nossas escolhas e prioridades para “ser”, “fazer” e “ter”, conquistando assim a nossa felicidade. Reinventar novas formas de cultura de gestão empresarial e de pessoas também é o caminho para um mundo organizacional mais saudável, positivo, humano e produtivo.

Aos poucos, as organizações estão se dando conta que pessoas mais felizes geram mais resultados e menos custos. Elas optam por atuar no diferencial de “como” gerenciar as pessoas, afinal, pessoas mais felizes são melhores colaboradores, faltam menos, são mais criativas e inovadoras, prestam melhor serviço ao cliente, têm laços sociais mais estreitos, têm menos acidentes, são mais comprometidas, são melhores avaliadas por seus líderes, experimentam menos “Burnout” e têm uma vida com significado.

Estamos numa espiral evolutiva onde reinventar-se, reaprender e transformar é o caminho certeiro para pessoas e organizações. As empresas do Vale do Silício (Netflix, Airbnb, Zappos, Facebook, Google) nos dão dicas do caminho a seguir. Não que sejam exemplares em todas as suas práticas, mas por nascerem num modelo de negócio exponencial, ao menos, estão experimentando uma nova forma de dar mais significado para a cultura organizacional positiva. Empenham-se em fazer acontecer o “employer branding”, “marca empregadora” em português, que é o processo de disseminação de uma cultura que torna esta empresa como uma marca desejada internamente, atraindo pessoas no recrutamento e retendo seus profissionais talentosos.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Pen It!: Fazendo amizade com nossas vulnerabilidades.......em uma página

{"Escrevo inteiramente para encontrar o que estou pensando, o que estou vendo, o que vejo e o que isso significa, o que quero e o que temo"} Joan Didion [1] Ficar cara a cara com a nossa própria vulnerabilidade faz parte da jornada de cada pessoa ao logo da vida. O que fazemos quando estamos nesses pontos sensíveis tem sido o material para grandes poesias, filmes, músicas e histórias ao... leia mais

13 minutos

O Trabalho do Terapeuta Organizacional com base na AIT

Você acha que é possível se permitir sentir quando está trabalhando? Esta pergunta pode parecer ter uma resposta óbvia, e esta resposta vinda de sua mente poderá ser: “sim”. O que fico aqui me perguntando é que se isso parece tão óbvio, para muitos de nós, por que majoritariamente o ambiente organizacional tem se mostrado um contexto frio, insensível, composto de pessoas usando... leia mais

12 minutos

O Coaching Evolutivo no momento atual da Humanidade

Vou começar esse artigo com 3 frases que me ajudaram a entender de forma mais profunda o universo das ideias sobre valores, níveis de desenvolvimento e consciência estruturados por Richard Barrett, que é na minha visão, uma das maiores autoridades sobre cultura e valores.  Nos últimos anos ele escreveu uma série de livros falando sobre o tema desse artigo e sobre novas formas de... leia mais

15 minutos

As etapas do trabalho biográfico e as artes plásticas como linguagem do processo

1-Visão panorâmica da própria biografia  Ao passar por um processo biográfico a pessoa revê passo a passo, a trajetória de sua vida, os impulsos, sentimentos e anseios que permearam as suas experiências, desde a lembrança mais remota até o momento atual. Ela tem, ao final desta retrospectiva, uma visão panorâmica de sua própria vida. Esta vivência é diferente da mera... leia mais

13 minutos

A Teoria Integral e o uso de Quadrantes em Coaching

Eu tinha uma experiência profissional mais voltada ao desenvolvimento de times e organizações, quando fui fazer uma formação com um biólogo chileno chamando Humberto Maturana. Quando concluí essa formação, tomei uma decisão de colocar o meu propósito também à serviço dos indivíduos. No entanto, sentia falta de estrutura, tanto para dar suporte a minha decisão por fazer coaching,... leia mais

8 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium