revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #84 - Maio 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há espaço para expressão do “ser”.

A cada pesquisa publicada pelo Instituto Gallup, constatamos que estamos diante de uma epidemia de pessoas adoecendo. A maioria das investigações aponta que: trabalhar em organizações com experiências negativas, não só gera custos laborais como também desestabiliza a vida emocional, pessoal e familiar.

Reinventar-se é a premissa para acessar um ciclo evolutivo, onde invertemos nossas escolhas e prioridades para “ser”, “fazer” e “ter”, conquistando assim a nossa felicidade. Reinventar novas formas de cultura de gestão empresarial e de pessoas também é o caminho para um mundo organizacional mais saudável, positivo, humano e produtivo.

Aos poucos, as organizações estão se dando conta que pessoas mais felizes geram mais resultados e menos custos. Elas optam por atuar no diferencial de “como” gerenciar as pessoas, afinal, pessoas mais felizes são melhores colaboradores, faltam menos, são mais criativas e inovadoras, prestam melhor serviço ao cliente, têm laços sociais mais estreitos, têm menos acidentes, são mais comprometidas, são melhores avaliadas por seus líderes, experimentam menos “Burnout” e têm uma vida com significado.

Estamos numa espiral evolutiva onde reinventar-se, reaprender e transformar é o caminho certeiro para pessoas e organizações. As empresas do Vale do Silício (Netflix, Airbnb, Zappos, Facebook, Google) nos dão dicas do caminho a seguir. Não que sejam exemplares em todas as suas práticas, mas por nascerem num modelo de negócio exponencial, ao menos, estão experimentando uma nova forma de dar mais significado para a cultura organizacional positiva. Empenham-se em fazer acontecer o “employer branding”, “marca empregadora” em português, que é o processo de disseminação de uma cultura que torna esta empresa como uma marca desejada internamente, atraindo pessoas no recrutamento e retendo seus profissionais talentosos.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Autenticidade não é Sincericídio

Em uma das maiores pesquisas feitas sobre satisfação e engajamento no ambiente de trabalho, o Instituto Gallup entrevistou, entre 2014 e 2016, 2,7 milhões de profissionais de 276 organizações em 155 países. Eles descobriram que somente 15% dos entrevistados se sentiam altamente engajados com o trabalho que faziam, ou seja, psicologicamente envolvidos em suas atividades e motivados a serem... leia mais

11 minutos

Cultivando o Equilíbrio Emocional nas Organizações

“A realidade está onde você coloca sua atenção” William James Neste momento da humanidade, começamos a entender que é necessário ir para além das preocupações com a saúde mental, entendo que há um processo que pode nos ajudar a prevenir o desenvolvimento dos transtornos mentais: aprender a cuidar das nossas emoções. Mas qual é o momento para aprendermos a cuidar de nossas... leia mais

13 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder Betinho, plantando sonhos colheu sonhadores

O voluntariado surgiu no Brasil no século XVI, através de organizações religiosas.  Na sua maioria católicas e ligadas à saúde – as chamadas Santas Casas – influência da Coroa. Temos notícia que a primeira Santa Casa de Misericórdia foi implantada em 1543. Era um trabalho essencialmente das mulheres. As primeiras políticas públicas datam da década de 30, que passou a regular... leia mais

16 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder autêntico

Após os 35 anos de idade, já tendo tido anos de experiência em sua vida profissional com grande sucesso em diversos cargos gerenciais e diretivos, seguindo os padrões e modelos de liderança e a visão que aprendeu de outros, você começa a perceber que as regras que você tem seguido até hoje são formatos que não preenchem 100% da voz que você quer representar. Você reconhece em você... leia mais

14 minutos

O Futuro é (des)ordem

Uma porta como esta se abriu apenas cinco ou seis vezes desde que nos tornamos “homo erectus”. É o melhor tempo possível para estar vivo, quando quase tudo o que você pensou que sabia está errado.” Tom Stoppard – na peça Arcadia, 1993. O dicionário Houaiss define Futuro como “tempo que se segue ao presente” ou o “conjunto de fatos, acontecimentos... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium