revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #72 - Maio 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Aprender com o outro: o caminho da diversidade

É importante reconhecermos os processos de aprendizagem como um dos grandes temas sobre o qual precisamos nos debruçar na tentativa de entendermos seus efeitos em nossa contemporaneidade, marcada pela intolerância, discursos de ódio e disputas de narrativas pela construção de uma verdade única. O tema pede especial atenção neste momento histórico-político brasileiro, no qual a educação tem sido alvo de disputas ideológicas que, paradoxalmente, tentam negar e ocultar seu caráter ideológico.

Negar o diverso, o diferente e não reconhecer a legitimidade do outro, diferente-de-mim, é a tônica atual, porém, esse modo de pensar tem sido construído lenta e invisivelmente por nossa cultura há anos, com a negação do outro como verdadeiro outro na convivência.

Nosso foco é olhar para os processos de aprendizagem como processos relacionais do viver e, com essa visão, podemos reconhecer seu caráter imprevisível, ao mesmo tempo que nos convoca a elaborarmos intervenções que favoreçam o desenvolvimento individual e coletivo nos meios onde atuamos.

Em seu artigo “Aprendizagem ou Deriva Ontogênica”, que consideramos um dos textos mais relevantes sobre o tema da aprendizagem, Humberto Maturana mostra duas perspectivas distintas daquilo que usualmente nomeia-se por aprendizagem, apontando que fará uso de uma delas.

Uma das maneiras pela qual se entende os processos de aprendizagem é aquela em que se considera o meio como algo que está fora do indivíduo e que lhe informa sobre quais os comportamentos adequados à cada situação. Dessa forma, o indivíduo guardaria essas representações em sua memória, formando um repertório de comportamentos para responder às contingências do mundo. Ou seja, o mundo, o meio e o ambiente forneceriam as instruções necessárias que permitiriam ao indivíduo adequar-se a eles.

Para elucidar essa maneira de entender a aprendizagem, vamos tomar como exemplo um processo de educação corporativa, tema sobre o qual temos nos debruçado cheios de inquietações. Em muitos treinamentos são usadas técnicas em que os participantes são convidados a representar papéis em uma cena. Por sua vez, essa cena reproduziria o que é exigido deste profissional no exercício de suas funções, como, por exemplo, o desligamento de um colaborador. Nesta técnica de encenação, um participante seria o encarregado pelo desligamento e um outro aquele que seria desligado. Depois da encenação efetuada, os responsáveis pelo treinamento dão o feedback sobre a efetividade do desempenho do participante que efetuou o desligamento, apontando pontos de melhoria em seu comportamento. Os participantes, então, guardariam em sua memória as “melhores práticas” para o desligamento de um colaborador, a partir da vivência e observação da encenação e do respectivo feedback.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há... leia mais

11 minutos

O Coaching Evolutivo no momento atual da Humanidade

Vou começar esse artigo com 3 frases que me ajudaram a entender de forma mais profunda o universo das ideias sobre valores, níveis de desenvolvimento e consciência estruturados por Richard Barrett, que é na minha visão, uma das maiores autoridades sobre cultura e valores.  Nos últimos anos ele escreveu uma série de livros falando sobre o tema desse artigo e sobre novas formas de... leia mais

15 minutos

As etapas do trabalho biográfico e as artes plásticas como linguagem do processo

1-Visão panorâmica da própria biografia  Ao passar por um processo biográfico a pessoa revê passo a passo, a trajetória de sua vida, os impulsos, sentimentos e anseios que permearam as suas experiências, desde a lembrança mais remota até o momento atual. Ela tem, ao final desta retrospectiva, uma visão panorâmica de sua própria vida. Esta vivência é diferente da mera... leia mais

13 minutos

A Teoria Integral e o uso de Quadrantes em Coaching

Eu tinha uma experiência profissional mais voltada ao desenvolvimento de times e organizações, quando fui fazer uma formação com um biólogo chileno chamando Humberto Maturana. Quando concluí essa formação, tomei uma decisão de colocar o meu propósito também à serviço dos indivíduos. No entanto, sentia falta de estrutura, tanto para dar suporte a minha decisão por fazer coaching,... leia mais

8 minutos

Fazendo uma avaliação valer a pena usando uma abordagem do coaching

Apresentado no Converge por Claire Pedrick - MCC Participar do CONVERGE sempre nos surpreende. Essa é a 2ª. vez que participo e é maravilhoso poder confirmar, esclarecer, conhecer, compartilhar e entender ideias. Algumas vezes não só a novidade que surpreende, mas uma nova forma de ver e fazer algo que já fazemos, de uma forma diferente; enxergar uma nova perspectiva. Eu quero... leia mais

7 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium