revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #7 - Dezembro 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Levando em conta a Cultura

“Para me punir por meu desprezo pela autoridade, o destino fez de mim mesmo uma autoridade.”
(Albert Einstein)


Trabalhei por 19 anos em uma das maiores indústrias químicas do mundo, e vivi na pele a tran­sição de colega para supervisor, depois para chefe e gerente. Senti os modelos mentais cul­turais com os quais somos edu­cados a respeito de ser chefe. Algumas frases me causavam estranheza, como “não elogia que estraga”, ou “não elogia que vai pedir aumento”, e tan­tas outras. Senti também como os antigos colegas, agora su­bordinados, se tornavam mais distantes quando ascendi a uma posição de chefia.

Vivi também o efervescer do movimento sindical no Brasil, quando a cada greve, aqueles que tinham posição de chefia, chamados cargos de confiança, eram cobrados a estar presen­tes dentro das organizações, mesmo vazias. Estar do lado de fora, junto com seus subordina­dos, seria visto como uma que­bra da confiança e possível per­da do cargo. Assim, nestas gre­ves, as atenções se voltavam aos chefes que não apoiavam os trabalhadores, como se eles, chefes e gerentes, também não o fossem. Com as conquis­tas advindas das greves, com o sacrifício de muitos operários, novos conflitos, pois o que ha­via sido concedido nas nego­ciações também beneficiaria a chefes e gerentes, aumentan­do, desta forma, a revolta dos subordinados em relação aos seus líderes. Neste contexto, os empresários eram vistos como os grandes exploradores do povo e os partidos políticos, dentro de uma democracia inci­piente, aproveitavam para co­locar mais pimenta neste angu, obviamente para justificar uma doutrina de esquerda, ainda muito inspirada por regimes de extrema esquerda.

Neste momento histórico havia a consciência da separação de classes, de como alguns viviam muito bem enquanto outros não. Dentro da cultura e ideologias vigentes, a razão de muitos não terem nada residia no fato de poucos terem muito. Nos dias de hoje vemos que isto não é neces­sariamente verdade e que outras culturas tratam esta questão de maneira bem diferente.

Esta lembrança, tão recente em termos históricos, ainda impacta o sentimento e comportamento das pessoas nas organizações, especialmente a figura daqueles que ocupam posição de mando.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Tipos Psicológicos - Escolha da Carreira

Quais atividades são mais aderentes ao meu perfil? Posso exercer qualquer fun­ção que quiser? Como entender qual área/profissão seria mais motivadora? Onde minha produtividade seria maior? Este texto vai explicar como a combinação das funções psíquicas, principal e auxiliar presentes no seu tipo psicológico, pode ajudar você a entender melhor suas áreas mais produtivas, suas... leia mais

13 minutos

Tipos Psicológicos Julgamento ou Percepção?

Decisão ou experimentação? Estruturar ou adaptar? Finalizar ou descobrir? Onde você se identifica mais? O que é mais importante para você? Entendemos que o mundo precisa das duas abordagens, mas qual nos deixa mais à vontade? Se você é coach, como identificar que perfil é mais próximo do seu coachee? A resposta para essas perguntas pode estar relacionada com o tipo psicológico.... leia mais

13 minutos

Tipos Psicológicos - Pensamento ou Sentimento?

Razão ou sensibilidade? Objetividade ou subje­tividade? Justiça ou compaixão? O que faz mais sentido pra você? O que é mais importante? En­tendemos que o mundo precisa das duas abor­dagens, mas qual nos deixa mais à vontade? Se você é coach, como identificar que perfil é mais próximo do seu coachee? A resposta para essas perguntas pode estar relacionada com o tipo psicológico,... leia mais

12 minutos

Tipos Psicológicos - Sensação ou Intuição?

Inspiração ou realização? O que fascina mais? O que é mais relevante?Sabemos que o mundo precisa dos dois, mas com qual deles nos sentimos mais à vontade?Se você é coach, como identificar com qual delas o seu coachee mais se parece?  A resposta para essas perguntas pode estar relacionada com o tipo psicológico e entender essa preferência pode abrir caminhos importantes, seja para... leia mais

13 minutos

Tipos Psicológicos - Extroversão ou Introversão?

“Uma mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho ori­ginal.” Esta frase do Albert Einstein de­fine bem o processo de Coaching e de autoconhecimento, pois é como uma nova janela que se abre e nunca mais veremos o mundo da mesma forma. E uma das ferramentas que podemos utilizar nessa ampliação de consciên­cia é a teoria dos “Tipos Psicológicos”, criada pelo... leia mais

12 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium