revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #7 - Dezembro 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Levando em conta a Cultura

“Para me punir por meu desprezo pela autoridade, o destino fez de mim mesmo uma autoridade.”
(Albert Einstein)


Trabalhei por 19 anos em uma das maiores indústrias químicas do mundo, e vivi na pele a tran­sição de colega para supervisor, depois para chefe e gerente. Senti os modelos mentais cul­turais com os quais somos edu­cados a respeito de ser chefe. Algumas frases me causavam estranheza, como “não elogia que estraga”, ou “não elogia que vai pedir aumento”, e tan­tas outras. Senti também como os antigos colegas, agora su­bordinados, se tornavam mais distantes quando ascendi a uma posição de chefia.

Vivi também o efervescer do movimento sindical no Brasil, quando a cada greve, aqueles que tinham posição de chefia, chamados cargos de confiança, eram cobrados a estar presen­tes dentro das organizações, mesmo vazias. Estar do lado de fora, junto com seus subordina­dos, seria visto como uma que­bra da confiança e possível per­da do cargo. Assim, nestas gre­ves, as atenções se voltavam aos chefes que não apoiavam os trabalhadores, como se eles, chefes e gerentes, também não o fossem. Com as conquis­tas advindas das greves, com o sacrifício de muitos operários, novos conflitos, pois o que ha­via sido concedido nas nego­ciações também beneficiaria a chefes e gerentes, aumentan­do, desta forma, a revolta dos subordinados em relação aos seus líderes. Neste contexto, os empresários eram vistos como os grandes exploradores do povo e os partidos políticos, dentro de uma democracia inci­piente, aproveitavam para co­locar mais pimenta neste angu, obviamente para justificar uma doutrina de esquerda, ainda muito inspirada por regimes de extrema esquerda.

Neste momento histórico havia a consciência da separação de classes, de como alguns viviam muito bem enquanto outros não. Dentro da cultura e ideologias vigentes, a razão de muitos não terem nada residia no fato de poucos terem muito. Nos dias de hoje vemos que isto não é neces­sariamente verdade e que outras culturas tratam esta questão de maneira bem diferente.

Esta lembrança, tão recente em termos históricos, ainda impacta o sentimento e comportamento das pessoas nas organizações, especialmente a figura daqueles que ocupam posição de mando.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coronavírus e Presença

De todas as muitas reflexões que tenho feito sobre esse período com o Coronavírus que estamos atravessando meu coração me indica uma única palavra: presença. Mais presença! Mas o que é a presença? Para mim, a capacidade consciente de viver o momento presente no exato tempo do aqui e agora. E, como é difícil! Porque viver neste estado de presença implica abrir mão dos mecanismos... leia mais

4 minutos

#COACHINGSIM

Dia 12 de novembro de 2019 foi a data escolhida para o lançamento do  CoachingSim, um movimento criado por coaches, em prol do coaching. A data não foi escolhida ao acaso – ela é reconhecida por ser o dia do Coach em alguns estados como São Paulo e Rio Grande do Sul. E não haveria homenagem melhor do que o início da construção de uma rede de pessoas que acreditam no coaching como... leia mais

4 minutos

Você conhece Coach Ético?

Eu conheço Coaches Éticos e você? Ética. "Palavra substantiva feminina que representa o segmento da filosofia dedicado à análise das razões que ocasionam, alteram ou orientam a maneira de agir do ser humano, geralmente tendo em conta seus valores morais. Por extensão, é uma reunião das normas de valor moral presentes numa pessoa, sociedade ou grupo social, por exemplo: ética... leia mais

10 minutos

Eu também voei do ninho

“1990, foi um ano um tanto curto para tantos acontecimentos; eu completei 19 anos, passei em um concurso publico, me tornei mãe de um menino, me livrei de um casamento de quatro anos em que sofria violência domestica, perdi minha mãe, mudei de cidade e fui morar sozinha”. Esse indômito ano quase me engoliu, tudo estava tão inusitado, e os meus papeis inaugurais, me fizeram travar...... leia mais

12 minutos

As Armadilhas da Reclamação

Você se dá conta de quantas vezes por dia reclama de algo? Até 10 vezes? Em torno de 25? Ou está no time dos que afirmam não reclamar de nada? Recentemente, reli “Pare de Reclamar e Concentre-se nas Coisas Boas”, de Will Bowen e resolvi fazer o desafio que ele propõe: ficar 21 dias sem reclamar. Você já tentou? Eu achei que seria bem fácil, afirmava com convicção que eu não tinha... leia mais

7 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium