revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #60 - Maio 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Dois problemas que você resolve facilmente com uma visão holística

Na atuação como mentor e coach, me deparo com muitas equações que os clientes querem resolver. Todas elas são trabalhadas sob a perspectiva sistêmica e holística, apoiadas nos referenciais do sistema Isor®.  Incentivamos o cliente na busca do equilíbrio entre os aspectos pessoais, profissionais e universais. Isto exige ampliação de mentalidade, entendendo que o todo está na parte e a parte está no todo. Essas mesmas equações aparecem quando proporcionamos formação de novos coaches e mentores.

Dentre os inúmeros problemas, destaco dois relevantes:

  • Como superar a dificuldade ou incapacidade em lidar com Jogos de poder, conflitos e relações nos grupos (equipes, famílias ou organizações de um modo geral);
  • Como fazer acontecer e entregar mais e melhores resultados.

1 – Dinâmica dos Grupos e Jogos de Poder

- No primeiro caso, vejamos o exemplo de um executivo que tem uma equipe imediata com uma dezena de gerentes que, por sua vez, têm uma grande quantidade de técnicos subordinados.  A competitividade extrema normalmente leva as pessoas à prática de jogos de poder, conflitos, dispersão e outros distúrbios que atrapalham os resultados. Esse executivo vai melhorar sensivelmente sua atuação se compreender como o comportamento humano se apresenta nos grupos.

Trata-se da dinâmica da convivência humana, regida pelas forças universais, organizadas em três polos energéticos. Um polo é ordenador, outro transformador e o terceiro oscila entre os dois primeiros. Dessa compreensão, podemos interpretar melhor o que acontece no interior dos grupos. Começamos pelo entendimento de que em qualquer agrupamento de pessoas em relacionamento, existem três subgrupos bem característicos. Esses três subgrupos, quando em condições de equilíbrio e sinergia, são colaborativos, complementares e com uma energia muito boa, pois estão em movimento. Quando estão em conflito, geram um desequilíbrio no sistema e são destrutivos, pois proporcionam os jogos de poder. Os líderes convivem constantemente com essas duas realidades. A questão é: Como agir para ficar a maior parte do tempo em movimento e não em jogos? Cada um dos subgrupos já citados se constitui num polo, que quando está em movimento gera resultados positivos. O subgrupo oficial produz o movimento oficial com a missão de ser organizador, condutor e ordenador. Esse polo faz o grupo funcionar dentro dos seus objetivos. Já o movimento natural, proporcionado pelo polo renovador é questionador, crítico e propositivo, preparando o grupo para sua auto renovação. Esse subgrupo é muito importante pois obriga os oficiais a serem melhores. Os ditadores eliminam seus críticos porque querem o direito de serem medíocres, daí a importância dos líderes conviverem bem com os críticos. O terceiro movimento, denominado de oscilante, atua como moderador das tensões entre os dois polos anteriores. Tem a possibilidade de pender ora para o movimento oficial ora para o natural, permitindo ou exigindo articulação entre ambos. Esta tripolaridade é a reprodução da energia universal (elétrons, prótons e nêutrons).

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O encontro cármico entre o coach e o cliente

Quando um ser humano olha de forma comprometida a sua própria história de vida, observa que ela não é uma simples sucessão de fatos e datas, mas um caminho de desenvolvimento que passa por diversos aspectos como saúde, aprendizado, profissão, processo de busca de emancipação e autonomia. Todos estes aspectos apenas são possíveis através dos encontros. Se olharmos, não do ponto de... leia mais

14 minutos

Comunicação Autêntica: Tecituras de resgate ao humano dentro e fora das plataformas digitais

Nunca se falou tanto sobre autenticidade. Sua aplicação em nosso cotidiano tem sido estimulada por meio de imperativos que se fazem presentes em frases como “seja você mesmo”, “solte a sua voz” ou até mesmo “viva a sua verdade”. Embora esse movimento seja legítimo e tenha como plano de fundo encorajar a formação de pessoas livres de padrões impostos e a construção de uma... leia mais

14 minutos

Como a Inteligência Emocional pode ser ampliada com o desenvolvimento de habilidades de Inteligência Espiritual

Para que seja possível discorrer sobre a relação entre Inteligência Emocional (EQ) e Inteligência Espiritual (SQ), é necessário esclarecer como compreendo e faço uso destes conceitos. Muitos autores me servem de referência e fundamentam minha prática em Desenvolvimento Humano, entretanto, trago apenas os ligados ao escopo deste artigo, e exploro com mais profundidade a SQ por ser o... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: Coaching Solidário

“A solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana.” Franz Kafka Antes de tudo, quero trazer para as leitoras e leitores, o que significa solidariedade para mim, pois há uma infinidade de definições por aí. Desde muito jovem, ouvia meus pais dizerem que para ser solidário, precisamos aprender a doar o que falta e não o que sobra, e... leia mais

15 minutos

Consultoria: A Arte de Escutar o Invisível

Sempre trabalhei em consultoria de serviços, onde o que eu vendia - pelo menos inicialmente - eram respostas para os problemas dos meus clientes na área de tecnologia. Trabalhei com produtos de software que potencializam a colaboração dentro das organizações: soluções de e-mail, mensagens instantâneas, intranets, e gestão do conhecimento. Na época, a internet estava chegando no Brasil,... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium