revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #20 - Janeiro 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Sobre o Diálogo

Muito do que estaremos examinando aqui, neste breve artigo, vem da concep­ção e da metodologia de diálogo elabora­das pelo físico quântico e colaborador de Einstein, David Bohm, inspirado em ideias e encontros que teve com Krishnamurti, o grande sábio indiano que viveu boa parte da vida ensinando sobre a libertação do homem e que faleceu em 1986.

A palavra Diálogo é de uso corrente; já a usamos muitas e muitas vezes na vida, quando queremos nos referir a uma situação em que pelo menos duas pessoas entram num tipo de conversação em que de fato há uma troca entre elas. Fala­mos em “diálogo amoroso”, por exemplo. Mas a ideia de que diálogo é algo que aconteça entre duas pessoas é imprecisa, embora pareça sustentada pelo prefixo dia, da palavra diálogo. Entretanto, dia, em grego, não quer dizer dois, mas sim através de. E logos quer dizer sentido, palavra. Assim, o significado etimológico preciso da palavra diálogo é: quando um significa­do perpassa, passa através de alguém ou de um grupo.

Dessa maneira, a situação de diálogo está essencialmente ligada ao compartilhamento. Mais exatamente, ligada ao compartilhamento de signifi­cado: quando podemos com­partilhar experiências e o que elas dizem para nós, quando falamos e os outros compreen­dem, e não somente escutam, quando sentimos que se forma uma espécie de “pensar ou agir grupal”, estamos em uma situ­ação de diálogo. Podemos tam­bém entrar em diálogo com nós mesmos, quando uma situação evoca diferentes sentimentos ou reações e é preciso incluí-las todas num todo que possamos aprender. Não é essencial, é importante reparar que nesse compartilhamento haja con­cordância, ou consenso; o com­partilhamento está mais ligado à participação, ao escutar o outro e dar-lhe espaço, do que concordar com ele. Mas volta­remos um pouco mais tarde a isto. Apenas achei importante mencionar esse aspecto aqui para que não se pense que no di­álogo há uma situação de conflu­ência (todos pensando igual), de uniformização do pensamento.

O diálogo é o oposto da discus­são. A palavra discussão, assim como a palavra debate, tem a mesma raiz que percussão, concussão: quebrar. Quando discuti­mos, num grupo, há disputa entre significados, para ver o que preva­lece – não se busca chegar a uma compreensão maior. Muitas vezes, numa discussão, vence o mais vio­lento, ou o mais astucioso, e não o melhor ou mais profundo. No en­tanto, embora dito dessa maneira, possa parecer que a discussão é um processo negativo, ou ao me­nos mais negativo do que o do di­álogo, isso não é sempre verdade. Para certos procedimentos, bem como tomadas de decisão, é pre­ciso encontrar a melhor solução, e é possível que ela exclua com­pletamente outras alternativas. É o caso, por exemplo, de decidir se uma pessoa que se acidentou deve ou não ser levada ao pronto­-socorro; se alguém tem crenças a respeito de isto ser bom ou não, sobre se é importante este ou aquele tipo de medicina, etc. É es­sencial oferecer todo o cuidado possível à pessoa, e isso exclui outras considerações filosóficas ou crenças.

Mas dialogar é completamente diferente de debater. Quando há um diálogo, ninguém quer vencer. Este não é o objetivo. Quando um erra, todos aprendem; quando um acerta, todos ganham. O protago­nista, aquele que tem o papel prin­cipal no conflito, é tomado exata­mente como aquele que expressa um conflito que não é só dele: é do homem, do ser humano, daquele grupo. Se ele o expressa bem, en­tão todos podemos buscar, juntos, uma possível solução, ou, se isso for impossível, passar juntos pelas difi­culdades do momento. Quando um grupo entra em clima de discus­são, a não ser que ela seja necessá­ria como ferramenta, o que se quer é bater contra o outro, derrotá-lo, prevalecer sobre ou quase sem­pre, sem apreciar adequadamente os méritos da questão. Discussões muitas vezes não são mais do que palco para a disputa pessoal, pela briga pelo poder.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coronavírus e Presença

De todas as muitas reflexões que tenho feito sobre esse período com o Coronavírus que estamos atravessando meu coração me indica uma única palavra: presença. Mais presença! Mas o que é a presença? Para mim, a capacidade consciente de viver o momento presente no exato tempo do aqui e agora. E, como é difícil! Porque viver neste estado de presença implica abrir mão dos mecanismos... leia mais

4 minutos

#COACHINGSIM

Dia 12 de novembro de 2019 foi a data escolhida para o lançamento do  CoachingSim, um movimento criado por coaches, em prol do coaching. A data não foi escolhida ao acaso – ela é reconhecida por ser o dia do Coach em alguns estados como São Paulo e Rio Grande do Sul. E não haveria homenagem melhor do que o início da construção de uma rede de pessoas que acreditam no coaching como... leia mais

4 minutos

Você conhece Coach Ético?

Eu conheço Coaches Éticos e você? Ética. "Palavra substantiva feminina que representa o segmento da filosofia dedicado à análise das razões que ocasionam, alteram ou orientam a maneira de agir do ser humano, geralmente tendo em conta seus valores morais. Por extensão, é uma reunião das normas de valor moral presentes numa pessoa, sociedade ou grupo social, por exemplo: ética... leia mais

10 minutos

Eu também voei do ninho

“1990, foi um ano um tanto curto para tantos acontecimentos; eu completei 19 anos, passei em um concurso publico, me tornei mãe de um menino, me livrei de um casamento de quatro anos em que sofria violência domestica, perdi minha mãe, mudei de cidade e fui morar sozinha”. Esse indômito ano quase me engoliu, tudo estava tão inusitado, e os meus papeis inaugurais, me fizeram travar...... leia mais

12 minutos

As Armadilhas da Reclamação

Você se dá conta de quantas vezes por dia reclama de algo? Até 10 vezes? Em torno de 25? Ou está no time dos que afirmam não reclamar de nada? Recentemente, reli “Pare de Reclamar e Concentre-se nas Coisas Boas”, de Will Bowen e resolvi fazer o desafio que ele propõe: ficar 21 dias sem reclamar. Você já tentou? Eu achei que seria bem fácil, afirmava com convicção que eu não tinha... leia mais

7 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium