revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #107 - Abril 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Perder-se na multidão para encontrar-se

“Você pode se afastar?”

Aquelas palavras me tomam com surpresa e certa incredulidade, e peço para ela repetir. Mais uma vez, escuto a frase adicionada de “você está invadindo o meu espaço”. Sem pensar, dou dois pequenos passos para o lado, dentro do já confinado espaço do metrô londrino. Aperto a minha gigantesca bolsa contra o meu corpo a fim de diminuí-la de tamanho (em vão); a minha cabeça dispara em revisar, analisar e tentar entender. Sinto, no meu corpo, as sensações de adrenalina subindo, uma resposta instantânea de congelamento e logo a seguir uma onda mental de julgamentos: “Como ela acha que dá para manter o espaço pessoal e sagrado dela dentro de um metrô? Vai andar de carro!” Sigo o resto do trajeto com o corpo tenso e me sentindo extremamente desconfortável.

O ano é de 2018. Recém-chegados em Londres, meu marido e eu estamos procurando, da melhor forma possível, nos adaptar ao nosso novo lar. Com o passar dos meses e especialmente após eventos como este, percebo que entramos numa espiral de querer errar o mínimo possível e de nos mesclarmos o máximo possível – até o nosso guarda-roupa sofre uma progressiva transição para as cores sóbrias e discretas da maioria. Deixo o meu já forte radar social ligado permanentemente, escaneando e interpretando sinais de todos os lados, sem me dar conta de que esta interpretação é limitada, uma vez que está totalmente pautada na minha própria bagagem individual, familiar e cultural.

Aos poucos, vou me dando conta de que não estou confortável dentro do meu novo meio e da minha própria pele. Sinto-me como um peixe fora d’água, que deliberadamente decidiu deixar para trás o seu habitat natural para explorar a terra. Penso no surgimento dos anfíbios, e em uma rápida pesquisa leio que eles sofreram adaptações importantes em seus pulmões para respirarem o ar, em sua pele para suportarem novos elementos como o ar e o sol, além da sua coluna vertebral e musculatura para serem capazes de se sustentarem fora do meio aquático. Isso faz emergir, dentro de mim, a seguinte reflexão: uma mudança e adaptação a uma nova cultura, hábitos e costumes, não é um convite para olharmos para os nossos próprios recursos internos e externos, fazermos um inventário deles e ponderarmos se ainda nos servem, se precisamos adequá-los ou se novos recursos são necessários?

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Planejando o futuro no presente

Muitas vezes atribuímos toda a responsabilidade de ações sustentáveis no impacto da empresa para fora, no local, na comunidade e no meio ambiente. Há muitas ações sustentáveis da porta para dentro das organizações, e o planejamento estratégico é uma delas. Por quê? É no planejamento estratégico que a empresa assume o compromisso com a sustentabilidade, definindo objetivos... leia mais

10 minutos

Quebrando o status quo: Felicidade ou conformismo

De acordo com a famosa pirâmide de Maslow e versões atualizadas de pirâmides de necessidades, o ápice de felicidade de uma pessoa está na autorrealização. Para alcançar esse topo, muitas coisas são propostas, como aproveitar os momentos, amor-próprio, resiliência, autoconhecimento e a lista se estende. Não se engane, cada um desses pontos é importante, porém são... leia mais

12 minutos

Segurança Psicológica: Potencializando a voz que não mais silencia

Por que silenciamos mesmo quando desejamos expressar genuinamente a nossa opinião ou ideia sobre algo? Silenciamos a partir do medo de não nos expor? Podemos assumir que isso acontece quando não há segurança psicológica no ambiente? O termo “espiral do silêncio” foi criado pela alemã Elisabeth Noelle Neumann e está relacionado ao medo que os indivíduos têm de serem isolados pela... leia mais

11 minutos

Viver é melhor que sonhar!

“... qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa” 1 Quando o Luciano Lannes me convidou a escrever um artigo para a edição chamada “Feliz Ano Novo!” respondi, sem pensar, “sim!”. Sem pensar, mas também sem ideia nenhuma sobre o que ia escrever. Só sabia que o artigo deveria trazer uma reflexão positiva, no primeiro mês de um ano 2022 desafiador.... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium