revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #102 - Novembro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Formas profundas de enxergar as mudanças e criar o futuro

Para que a projeção de futuro seja útil para as organizações, ela deve ter sete dimensões. A primeira é que a jornada é focada no aprendizado e não em previsões específicas ou metas estratégicas. A jornada é contínua, adaptativa e baseada em narrativas. Em segundo lugar, para as organizações se transformarem, elas devem desafiar seu futuro usado: elas continuam com práticas que não correspondem à visão desejada. Em terceiro, como a taxa de mudança tecnológica é dramática, muitas vezes exponencial, é necessário que as organizações busquem questões emergentes - novos desreguladores que podem desafiar os procedimentos operacionais padrão. Em quarto lugar, eles precisam de futuros ou cenários alternativos, pois são os que melhor capturam a incerteza e permitem novas possibilidades. O quinto é a inclusão, ou a questão de "quem não está na sala?" Em sexto, para que um novo futuro surja com sucesso, ele deve ter uma visão de mundo que o apoie e uma narrativa ou metáfora subjacente. E, sétimo, eles precisam de uma visão, nem muito longe nem muito perto, que habilite e enobrece. (nota 1)

Estudos de Futuros ou alternativamente referidos como Prospectiva Estratégica, é a compreensão de futuros alternativos e as visões de mundo e mitos que os fundamentam.

Embora existam várias abordagens para os Estudos do Futuro, uso a abordagem dos seis pilares. Esta abordagem é linear e sequencial com o objetivo de mapear o futuro, antecipar questões emergentes, compreender padrões mais profundos, mergulhar mais fundo nas narrativas centrais, criar cenários alternativos e concluir com uma visão e caminhos estratégicos para concretizar a visão.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coaching Interno e a musicalidade do Coaching de Equipas

Prelúdio Investir em Coaching Interno reflete o grau de maturidade das Empresas que apostam numa cultura sustentada de desenvolvimento dos seus recursos mais valiosos, as pessoas. Esta é uma história na primeira pessoa, uma história que desejo partilhar com o leitor. Convido-o a visitar o mundo do Coaching de Equipas dentro de uma Empresa portuguesa de grande dimensão. Esta... leia mais

16 minutos

Autocompaixão: o cuidado começando por nós

Quando um amigo querido não está bem, normalmente temos o impulso de ajudá-lo. Buscamos acolher seus sentimentos, usar um tom de voz suave e nossas melhores palavras. Já quando se trata de nós mesmos e de algum sofrimento, sentimento de inadequação ou de falha que vivenciamos, tendemos a nos tratar diferente. Costumamos acionar nossa autocrítica e um tom de voz interno mais áspero.... leia mais

15 minutos

O Codesenvolvimento é Sistêmico

Já vou me adiantando aqui para dizer que este artigo tem mais perguntas que respostas, pois é ali, no não saber a resposta, que brota nossa curiosidade e vontade de saber mais, de experimentar. Espero aqui trazer uma boa oportunidade para explorar o território do sistêmico e complexo através do Codesenvolvimento. Antes de mergulhar nos aspectos sistêmicos-complexos do Codesenvolvimento,... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium