revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #72 - Maio 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Um relato sobre o surgimento de um encontro de homens sobre masculinidades: das inquietações às transformações

A intenção desse breve texto é relatar o surgimento de um encontro exclusivamente de homens para pensar o tema das masculinidades em suas vidas. A ideia é olhar por um caminho entre tantos outros e não é, e nem seria possível, dizer como um grupo dessa natureza deve ser. Comecei a me interessar pelo tema das masculinidades por uma demanda profissional. Sou psicólogo de formação e psicoterapeuta com minha trajetória na psicologia social e na saúde mental. Comecei a notar em minha prática clínica que alguns homens em seus processos terapêuticos percebiam que parte de suas angústias envolviam uma luta com uma identidade que já não fazia tanto sentido, onde uma masculinidade convencional e estereotipada (podemos reconhecer no conceito de masculinidade tóxica alguns desses elementos: ignorar sentimentos, culto à violência, sexualidade falocêntrica, idealização de atividades masculinas, intolerância à diversidade, superioridade masculina, etc) deixava de ser atraente, porém eles não tinham a menor ideia em como ser diferentes.

Muitos eram incapazes de dizer exatamente o que buscavam, mas revelavam um enorme esgotamento físico e emocional e sabiam que o caminho que trilhavam em suas vidas se dirigia para algo que valesse a pena continuar. Eles tinham a convicção que a vida que levavam como homens precisa ser revista. Em alguma medida me via refletido nos dramas de meus pacientes, afinal eu também era um homem com muitas perspectivas convencionais, e buscava em meus processos de auto-conhecimento superar algumas inquietações de uma masculinidade que no fundo me limitava e me constrangia. Fui entendendo que a vida dos homens é em boa medida governada pelo medo. As vezes medos objetivos e pontuais, dado em contextos concretos e explícitos, mas também alguns mais abstratos e confusos envolvendo idealização de desempenhos, expectativas inatingíveis e projeções angustiantes sobre o que “deveriam ou poderiam”.

Isso me fez buscar por informações sobre atividades com homens e possíveis experiências tanto individuais como coletivas, mas que sempre consideravam primordial essa revisão dos papeis sociais e intencionavam uma desconstrução de muitas convenções conservadoras, mas com proposições mais reflexivas em busca de outros comportamentos e sentidos. Conheci inúmeras rodas de homens, encontros terapêuticos para homens, lugares de formação política sobre gênero para homens, encontros espiritualistas e religiosos apenas entre homens, ações sobre paternidade, grupos reflexivos de homens agressores, etc. Muitas dessas iniciativas eram encontros pontuais, de ações que duravam poucas horas e não se tinha certeza do impacto disso para os participantes, já que o grupo não voltava a se reunir. Outros grupos trabalhavam com certa frequência e se reuniam periodicamente por um número determinado de vezes, dependendo do objetivo a ser desenvolvido.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O tempo é agora: dê o passo em direção à sua felicidade

O ano era 2015 e eu estava a pleno vapor me dividindo entre 3 atividades profissionais, uma nova graduação, além da jornada de mãe de 3 filhas e dona de casa solo. Me sentia energizada, num ritmo frenético que fazia sentir-me viva e super bem. A enxaqueca me pegava sempre, mas isso era herança genética, nada que uma alta dose de analgésicos não resolvesse. Havia também uma certa... leia mais

9 minutos

Diversidade cultural: o que nos torna verdadeiramente ricos

Neste mundo globalizado, ser diferente é o que nos torna únicos, mas também semelhantes. E quando falamos de diferenças estamos praticamente falando de diferenças culturais. Mas o que exatamente é cultura? E a que nos referimos com o termo "diversidade cultural"? Nós italianos, também, pelas mesmas razões, vivemos em um país extremamente heterogêneo: no Norte, no Centro e no Sul... leia mais

10 minutos

Liderança e Segurança Psicológica – uma jornada com final feliz!

Foi num domingo de manhã que acessei o LinkedIn e surgiu aquele post convidando à formação da primeira turma em Segurança Psicológica de Times. Mais um pouco e me convidou a clicar em “saiba mais”. Pois é, hoje estou aqui irremediavelmente apaixonada pelo tema, escrevendo para vocês. Quando me aproximei de fato do conceito, vi que tudo aquilo que sempre imaginei como liderança tinha... leia mais

12 minutos

Escuta, amor em prática!

“Quando eu falo de amor, não estou falando de uma reação sentimental  e fraca. Estou falando daquela força que todas as grandes religiões veem como supremo princípio unificador da vida. O amor, de alguma forma, é a chave que abre a porta que leva à última realidade. Essa crença hindu-muçulmana-cristã-judaico-budista é lindamente resumida em amemos- uns aos outros” Martin... leia mais

11 minutos

Aproveitar o poder do instinto e do eu espiritual no trabalho

(Work – Harness the power of instinct & human spirit at work) Este artigo está baseado na palestra proferida durante o Converge21 pelas coaches Flame Schoeder, MCC e Donna King, ACC. Uma reflexão Quando fui convidado por Cândida Semensato, presidente da ICF Brasil Chapter, para escrever um artigo para esta importante Revista Coaching Brasil, eu não fazia ideia de qual tema... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium