revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #6 - Novembro 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Não deixe a vida passar em branco, FAÇA ACONTECER!

A deficiência não está no exterior, está dentro de nós;
não deixe suas crenças limitantes te fazerem inválido.
Nick Vujicik


Vocês já se perguntaram por que alguns projetos fabulosos nunca saíram do papel?

O que nos impede de realizar nossos sonhos e metas, de efetuar mudanças em nossas vidas, de sair da zona de conforto, de arriscar?

Muitas vezes nos acomodamos e, por medo ou inércia, desistimos de sonhar e seguimos insatisfeitos pela vida. Mas por quê?

Sofremos muitas pressões e tensões no dia a dia e perdemos a conexão com nosso Ser, com nossos sonhos e desejos mais essenciais. Tornamo-nos autômatos, fazemos o nosso dever e o que esperam de nós, pautamos nossas vidas por “tenho que”. Começa a faltar alegria e propósito em nossa vida, então nos sentimos frustrados e adoecemos... de corpo e alma.

Não conseguimos sentir alegria e satisfação no que fazemos porque estamos aprisionados por comportamentos e hábitos que nos apequenam e nos impedem de ver e aproveitar as oportunidades de mudança e realização. E por quê?

Por causa de nossas crenças.

Mas afinal, o que são crenças?

Crença é tudo o que eu acredito e que é verdade para mim. Minhas crenças orientam e conduzem minhas ações.

Para Charles Peirce, filósofo americano, somos um conjunto de crenças. 

Adquirimos nossas crenças desde que nascemos, influenciados por pais, professores, amigos, experiências, etc.

As crenças podem ser positivas ou negativas. Pessoas entusiasmadas são orientadas por crenças positivas; pessoas insatisfeitas, resistentes, “do contra”, constroem seus referenciais a partir de crenças negativas. Experiências frustrantes, baixa auto-estima, auto-imagem negativa, produzem crenças negativas.

Os pais, na ânsia de proteger e cuidar dos filhos, muitas vezes contribuem para a produção de crenças negativas:

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A construção do meu crachá

Escrevi esse texto em 30 de junho de 2015, após ler o livro “A vida sem crachá” da Claudia Giudice, um “empurrão” para meu empoderamento nas transições de carreira que vive entre 2013 e 2015. “Arrancaram a minha pele e eu estava cega, como uma paixão dos 15 anos de idade. A primeira vez (2013) entendi racionalmente na segunda vez (2015) foi que entrei em contato com o que estava... leia mais

5 minutos

Um abraço no meu coração

Há um bom tempo busco ouvir e estar cada vez mais atenta ao meu corpo e os treinos de corrida fizeram a maior diferença para acelerar e potencializar esse aprendizado. Passei a perceber os sinais fortes de quando não estou inteira, quando as situações da minha vida me levam à exaustão mental e física ou quando não me sinto fluir, tendo a sensação de que meu sangue para de correr pelo... leia mais

5 minutos

Eu, cada vez melhor - Ed. 84

Dia 08 outubro de 2019 fui trabalhar num lugar diferente. Fui para o Instituto Moreira Salles. Fiquei no café que tem por lá e ainda pude experimentar um pão de queijo de cabra delicioso! Me sentei na mesa compartilhada, e como estava cedo para a call que teria, comecei a fazer o esboço da palestra estou montando sobre protagonismo, inteligência emocional, autoconhecimento e outros... leia mais

3 minutos

Equilíbrio nos diálogos

Ao pensar sobre o que iria escrever nesse momento em que o mundo está num momento de transição de civilização recordei um material que fiz sobre conversas difíceis, feedback, e como transformar esses momentos em diálogos. Esse tema aparece em diversos ambientes e agora mais do que nunca estamos com um desafio de manter o equilíbrio nos diálogos. Gosto bastante do que Marshall Rosenberg... leia mais

6 minutos

O fantástico mundo de coisas que só acontecem na minha cabeça

Há tempos eu vinha lidando com uma questão incômoda e resolvi buscar ajuda terapêutica. Resolvi apostar na constelação familiar, por mapear sistemicamente elementos menos conscientes do problema. Para iniciar o processo, a consteladora me pediu para relatar o que eu buscava. Em tom de vítima desolada, despejei um monte de palavras: “Os clientes estão indo embora...... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium