revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #55 - Dezembro 2017

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O Processo do U, mais de uma década depois...

Em meados de 2005, isso mesmo, há 12 anos, no Massachusets Institute of Technology (MIT), os professores Dr. Otto Scharmer – economista e pesquisador –, Dr. Peter Senge – considerado um dos mais importantes influenciadores de negócios do mundo de todos os tempos – ao lado de outros cientistas[i], lançaram, com apoio do Banco Mundial, das empresas BASF, British Petroleum, Nissan e Unilever e das ONGs globais Oxfam, Unicef e WWF, o Programa Emerging Leaders Innovate Across Sectors  - Líderes Emergentes Inovam entre os Setores (governos, empresas e ONGs).    

Lembrando que Otto é um economista alemão que adotou o jeito prático do MIT de educar, e que Peter é o criador da Quinta Disciplina[ii] – o Pensamento Sistêmico, segundo o qual se alicerçam todas as organizações que aprendem - fica fácil entender a fundamentação de um programa global e inovador como o ELIAS, antes mesmo do primeiro livro sobre a Teoria U ter sido lançado no mundo.

Para o programa foram selecionados - via pesquisa e indicação nos próprios países - 25 profissionais (ELIAS Fellows) de 13 países. O objetivo do ELIAS, segundo a carta-convite que recebemos (eu fui uma entre os cinco brasileiros selecionados) era constituir a primeira rede global de líderes de alto potencial e suas respectivas instituições, para que juntos, gerássemos ideias, protótipos e empreendimentos. “Com o ELIAS estaremos contribuindo para a evolução dos sistemas dos mercados globais sustentáveis que constroem o capital humano, social e natural, assim como os capitais financeiro e industrial”, expunha o documento assinado por Otto e Peter.


ELIAS – metodologia e trajetória

Utilizando a metodologia do U, que começa na interrupção do processo de downloading (repetição automática – estado no qual apenas repetimos nossos comportamentos habituais, gerando pensamentos e resultados de acordo com nossos velhos hábitos), nos leva ao quarto nível da escuta, no qual ela acontece sem noções pré-concebidas, o presencing (presente e sentindo – aquele estado no qual estamos abertos ao novo, sem noções pré-concebidas) e termina na execução de um inovador protótipo – durante 18 meses, vivenciamos intensamente as sete macro e as micro etapas do U. (ver figura 1)

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A mudança de moralidade já aconteceu

Quando escrevi os Movimentos Humanos em 2014, o primeiro deles, A Desestruturação – movimento que aponta a quebra de estruturas que sustentam o status quo consolidado –, foi o mais óbvio a ser notado e explicado. De lá para cá, já andamos fortemente e retrocedemos rapidamente em diversos pontos. Ora ficava feliz ao perceber que estávamos escolhendo um novo status quo que se mostrava... leia mais

13 minutos

Situações complexas em coaching executivo relativas ao coachee

Apresentado no Converge por Ana Pliopas O nome da conferência da ICF, converge, pode ser visto como a convergência entre ciência e prática em coaching. Apresentar o resultado de pesquisa acadêmica no converge amplia o diálogo entre temas que pesquisadores aprofundam em seus estudos e assuntos instigantes com os quais coaches se deparam na prática. Tenho um interesse particular por... leia mais

10 minutos

Contribuições das Constelações ao Coaching Executivo

Acaso você imaginaria um CEO de uma grande empresa, MBA em Harvard, fazendo uma constelação como passo inicial de um processo de coaching?  Isso aconteceu, e nos economizou algumas sessões, ou, se preferir, tornaram o processo de coaching mais cirúrgico. O CEO em questão chega ao meu escritório para uma entrevista inicial para um processo de coaching. Contexto: Ele é jovem, ocupa a... leia mais

11 minutos

O que realmente sabemos sobre conflitos organizacionais no Brasil?

Um conflito pode ser gerenciado?  De que forma? Quais as causas dos conflitos organizacionais? Qual o papel da área de Recursos Humanos na resolução dos conflitos? Para responder a essas e outras questões relacionadas ao tema conflitos nas organizações, a ABRH-SP vem promovendo, desde 2016, uma pesquisa junto aos seus associados e com divulgação ampla e aberta a todo o mercado... leia mais

11 minutos

Por uma expansão da consciência

Se eu tivesse que escolher uma única coisa desta edição para você levar para sua vida, seria isso: Na Era da Consciência não podemos mais contribuir com ações feitas sem pensar.    Vivemos num ritmo alucinante e estamos testemunhando a crescente onda de burnouts, FOMO (Fear of Missing Out – medo de ficar fora das redes sociais), vício em telas e... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium