revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #48 - Maio 2017

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A Visão que cega. Que redoma é essa?

Pensei em refletir com vocês sobre a redoma e o casulo em que vivemos e a miopia ou cegueira que trazemos para nossas vidas, enquanto lia um artigo da Revista HBR e uma reportagem do Linkedin.

O artigo de Hal Gregersen na revista Harvard Business Review de março com o título: “O Estouro da Bolha do CEO - por que os executivos devem falar menos e perguntar mais”. Nele, Hal destaca como o poder e os privilégios isolam os altos executivos de informações que possam desafiar suas crenças e hipóteses e permitir que você abra a mente e a visão para novas oportunidades.

Hal afirma que “se você é líder, pode se colocar num casulo – no casulo das boas notícias ... todos lhe dizem que está tudo bem – não há problemas. E no dia seguinte, está tudo errado”.

Absolutamente prejudicial numa era de tamanha complexidade, volatilidade e incerteza, quando os mercados e o mundo mudam rapidamente. A bolha em que nos colocamos obstrui nossa capacidade de olhar para fora e para frente e perdemos a capacidade de identificar os primeiros sinais de uma mudança radical que desponta.

A segunda reflexão veio da reportagem do Linkedin, que apresentava a tristeza que o CEO da Nokia sentiu durante a coletiva de imprensa quando anunciava a compra da Nokia pela Microsoft afirmando: “Nós não fizemos nada de errado, mas de alguma forma, perdemos”.

Apesar de ser uma empresa rentável e ter feito tudo certo, esqueceram de aprender e perderam a mudança. Aqui, de novo, nos deparamos com o que Hal constatou – a bolha do CEO o isolou e evitou que ele olhasse para frente e para o futuro.

O casulo, a bolha e miopia, não são riscos somente para CEOs ou líderes, eles afetam a todos nós. É muito fácil cairmos nessa armadilha. Lembre-se que a vantagem que você tinha ontem e tem hoje, pode ser rapidamente substituída amanhã. Você não tem que fazer nada errado, desde que seus concorrentes estejam atentos e peguem a onda da tendência e façam corretamente, antes de você.

O filtro das informações que nos é apresentado, fruto dos mesmos veículos e canais que lemos, a arrogância da liderança de mercado, a convivência com pessoas iguais e a ausência de diversidade, os vários níveis hierárquicos dentro da organização e o sentimento de conforto são algumas das ciladas.

Para mudar, é preciso sairmos da zona de conforto, experimentarmos o desconforto, aprendermos a melhorar a nós mesmos sempre.

Arrisque, erre e se dê muitas chances de se renovar. É importante aprender sempre. Aprender significa ter consciência das nossas forças e fraquezas para não nos enganarmos com o efeito perverso que ela traz – ego. Como escreveu certa vez Joseph Campbell, “o seu tesouro está onde você tropeça. A caverna que lhe dá medo de entrar se torna a fonte do que você procura”.

Precisamos deixar nossas certezas de lado, desafiar nossas verdades, nos expormos diante da maior variedade de grupos e pessoas e ouvir muito. Segundo Hal, uma das qualidades mais impressionantes de Guy Laliberté, cofundador do Cirque du Soleil, é que quando alguém expressa uma ideia maluca ele o incita a falar mais, dizendo: “ok, continue, não tenho certeza disso, mas continue”.

Precisamos aprender a ser como o surfista que se coloca além das ondas e aguarda pacientemente os movimentos e tendências do mar, do mercado e do ambiente para só então se colocar na onda e seguir adiante. 

Em um mundo que se transforma a todo instante precisamos:

  • Estar sempre com a mente aberta, ouvindo e observando a todos e a tudo.
  • Dialogar sempre.
  • Analisar a situação de várias perspectivas e se não conseguirmos, peçamos para pessoas diferentes falarem e compartilharem suas perspectivas.
  • Ampliar o campo de visão, investigando e fazendo muitas perguntas. Perguntar é mais sábio que afirmar.

#ficaadica


http://hbrbr.uol.com.br/o-estouro-da-bolha-do-ceo/ https://www.linkedin.com/pulse/o-ceo-da-nokia-concluiu-seu-discurso-dizendo-isso-nós-freitas?trk=v-feed&lipi=urn%3Ali%3Apage%3Ad_flagship3_search_srp_content%3B4R%2Bif%2F8%2BSZishYHaXUfFkQ%3D%3D

Artigo publicado em 23/10/2017
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Conversa de WhatsApp

Entre os mais jovens, geração Z e Millennials, conversar através de mensagens de texto é algo tão corriqueiro como um telefonema para a geração X ou os Baby Boomers. Eles contam coisas, trocam ideias, marcam encontros, contam histórias, fazem fofocas, e o mais interessante, fazem DR por texto. A confusão é inevitável, pelo menos na visão dos mais velhos. Quando conversamos, olho no... leia mais

4 minutos

Empatia para a nova década

Para iniciar o papo rápido de hoje, eu quero dividir com você um pouco da minha história e como ela relaciona-se com o conceito de empatia. Na origem da minha família tem italiano, nordestino, inglês e curitibano e morei em três Estados brasileiros: Paraná, Espírito Santo e Pernambuco. Tenho uma filha curitibana, uma capixaba e um baiano. Apesar de qualquer diferença cultural existente... leia mais

3 minutos

O coaching e seu impacto

Eu preciso dizer que eu não estava tão satisfeita com a forma como eu obtinha o feedback dos meus processos de coaching. Eu realmente estava com a impressão de estar desenvolvendo o mesmo tipo de formulário nos últimos dois anos. Por essa razão fui rever alguns de meus conceitos. E quero compartilhar por aqui, na expectativa de que mais coaches incrementem suas formas de medir o impacto de... leia mais

3 minutos

O que aprendi com as organizações bebê

A primeira vez que ouvi o termo organização bebê foi em uma sessão de supervisão. Eu estava relatando um caso de coaching desafiador, especificamente sobre a falta de entendimento entre o patrocinador e o RH sobre as metas a serem desenvolvidas. O fato é que existe uma enorme diferença entre atender organizações que já investem em desenvolvimento humano e atender organizações que... leia mais

3 minutos

Pausa para uma supervisão

E chegou aquele momento em que eu não sabia mais se aquela história era minha ou se eu tinha “comprado” a história do coachee. Era uma linda e sensível narrativa, com algumas dores e muita vontade de aprender. Um canto da sereia quase irresistível. Até parecia a minha própria história! Que vontade de falar que tudo daria certo, que era necessário coragem e persistência... só que... leia mais

4 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium