revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #3 - Agosto 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

“O verdadeiro conhecimento vem de dentro” - Sócrates

Recentemente, em um curso de formação, foi pedido aos partici­pantes que, em poucas palavras, definissem o que significava Co­aching para eles. Dentre as de­finições apresentadas, uma me chamou atenção especial, até porque apareceu de forma recor­rente durante o curso: “Coaching é o processo que ajuda a trans­formar sonhos em realidade”.

Interessante porque enquanto técnica, o Coaching pode ser con­ceituado como um processo de desenvolvimento pleno que auxi­lia o coachee a atingir seus objeti­vos, metas, sonhos e desejos, tan­to profissionais quanto pessoais.

Se considerarmos que, em um primeiro momento, algumas pessoas esperam que o coach lhes diga o que fazer e qual ca­minho seguir, é relevante refle­tir sobre essa questão: O coach ajuda a realizar sonhos... mas sonhos de quem?

Quem atua como coach já deve ter experimentado a “coceiri­nha” de mostrar o caminho, dar a resposta, apontar aquilo que para nós é tão claro e cristali­no, mas que o coachee ainda não consegue enxergar; enfim, de dizer a ele o que nós acha­mos que é o melhor para ele, ou pior, projetar no coachee os nossos sonhos e expectativas.

Isso sem contar que em cada pro­cesso que iniciamos, colocamos nossas expectativas de sucesso. Como lidar com nossa frustração ao perceber que o caminho que entendemos ser o melhor para o coachee é o oposto daquele que ele decidiu seguir?

Um processo de Coaching pode ser interrompido. O coachee pode não estar pronto para mu­danças, pode estar equivocado quanto ao que realmente quer; não é incomum o processo iniciar com base em um objetivo e no decorrer dos encontros, mudar radicalmente. Em alguns casos, o coachee precisa de um processo terapêutico, em outras ele quer somente alguém para conver­sar. O que fazer então?

Sabemos que nestes casos o Coaching não será efetivo e o melhor será interromper o processo e dar o encaminha­mento mais adequado ao caso: terapia, aconselhamento, etc. E como ficam nossos sonhos de ser um coach de sucesso?

É importante lembrar que du­rante o processo de Coaching, nos cabe o papel de ouvintes atentos e de “perguntantes”, isso é, utilizamos perguntas ins­tigantes que ajudarão o coachee a “dar a luz” (utilizando o termo original socrático) a novas ideias, atitudes, comportamentos que permitirão sua efetiva mudança e, consequentemente, o levarão a alcançar seus objetivos e reali­zar seus sonhos.

O coach não dirá ao coachee o que ele tem que fazer. Seu papel é de orientação, oferecendo opor­tunidade de autoconhecimento, ajudando a encontrar seu próprio caminho, sem imposições.

É preciso estar atento para não impor sua visão e suas es­tratégias, para permitir que o coachee escolha suas próprias soluções, tome suas próprias decisões. O coach é aquele que apóia, acolhe, respeita, enten­de, aceita e potencializa.

Desta forma, o processo de Co­aching é enriquecido, pois ao perceber-se claramente, enten­der seus pontos fortes, suas di­ficuldades, escolher suas ações, projetar seu caminho e cumprir metas que ele mesmo traçou, o coachee se fortalece, ganha autoconfiança, segurança e autoestima, sente-se valorizado e respeitado e ultrapassa bar­reiras, que até então, julgava in­transponíveis.

Como superar a forte tentação de interferir no processo de aprendizado do outro?

Quando lidamos com uma crian­ça pequena temos a tendência de “mostrar o caminho”, “ensinar como fazer certo”, “dizer o que ela deve fazer”. As crianças crescem e aprendem que alguém lhes mos­trará o que fazer, e passam a buscar isso no gestor, no companheiro(a), amigos, terapeutas, professores e no coach também.

Muitas pessoas procuram o pro­cesso de Coaching pensando em receber todas as respostas. Aí mora o perigo, temos que estar atentos para não pervertermos nosso papel de “escutadores” e “perguntadores”; para vencer­mos a tentação de dar as respos­tas prontas ao invés de colhê-las no fértil campo dos talentos e capacidades do coachee; de per­mitirmos que ele descubra sua força e capacidade, permitindo a nós mesmos o alívio do peso do ter que saber sempre o que é melhor para todos.

Às vezes, durante um processo de Coaching, somos surpreendi­dos pelo coachee com soluções tão criativas, que sequer imagi­návamos possível, ou então com mudanças tão radicais de objeti­vos, posturas e posicionamento frente à vida que nos deixam maravilhados com o incrível po­tencial e infinitas possibilidades presentes em cada ser humano. Basta deixar fluir.

“...Coaching é ajudar as pessoas a mudarem do modo que dese­jam, ajudá-las a ir na direção em que querem ir. O Coaching ofe­rece suporte às pessoas em todos os níveis para que elas se tornem o que querem ser e sejam o melhor que pude­rem.” - Lages e O’Connor, O que é Coaching? All Print, 2007.

Namastê!

Artigo publicado em 02/03/2017
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O fantástico mundo de coisas que só acontecem na minha cabeça

Há tempos eu vinha lidando com uma questão incômoda e resolvi buscar ajuda terapêutica. Resolvi apostar na constelação familiar, por mapear sistemicamente elementos menos conscientes do problema. Para iniciar o processo, a consteladora me pediu para relatar o que eu buscava. Em tom de vítima desolada, despejei um monte de palavras: “Os clientes estão indo embora...... leia mais

6 minutos

Você também é incongruente com o que faz e fala?

Muita gente relata ter escolhido trabalhar como coach, facilitador ou consultor por poder ter a oportunidade de se autodesenvolver enquanto apoia no desenvolvimento de outras pessoas. Parece que, quanto mais conhecemos nosso universo interno, padrões e nossos lados de luz e sombra, mais conseguimos apoiar nossos clientes a fazerem o mesmo. Mas daí, um fenômeno inesperado parece acontecer... leia mais

6 minutos

O que fazer perante uma parceria que não funciona?

Observo uma tendência de coaches em início de carreira buscarem parcerias profissionais baseando-se em vários pressupostos: juntos somos mais fortes, é melhor operar em redes, colaborar etc. Ou, talvez, optam por andar em parcerias como um antídoto contra a insegurança inicial que todo profissional precisa vencer. Mas, contradizendo os pressupostos de quando embarcaram na parceria,... leia mais

6 minutos

Qual o segredo para manter a felicidade e a motivação depois dos 80?

Mêncio, mestre da antiga China, chama de "saber inato o que não é necessário aprender, porque já se sabe." Você já parou para pensar se está crescendo em sabedoria conforme avança em idade? Um encontro espontâneo de apenas 15 minutos me chamou atenção para essa pergunta. Estava de férias na Alemanha, passeando com meu esposo, cunhado e sogro. Nosso destino era um Biergarten na... leia mais

5 minutos

Experiência sem sentir, faz sentido?

“Eu tinha sonhos e objetivos, bati metas, tive ascensão de carreira. Recebi aplausos. Me realizei, mas estava sempre em débito com alguma coisa. A carreira foi sem sentir. Até que um dia, nada mais fazia sentido”. Essa frase é da Emma, uma colega coach, mas poderia ser minha. E acredito que alguns leitores coaches e profissionais de desenvolvimento se identificam com ela também. ... leia mais

5 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium