revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #101 - Outubro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O poder da autocompaixão: conceitos e ideias errôneas

“Um momento de autocompaixão pode mudar todo o seu dia. Uma série de momentos como esse pode mudar o curso de sua vida.” Christopher Germer

Há 5 anos, ouvi pela primeira vez a palavra autocompaixão e pensei: “Eu não sei exatamente o que é isso, mas sinto que preciso de compaixão”. Nesse momento, associei autocompaixão a ser mais bondosa comigo de alguma maneira. Ao longo dos últimos anos, compreendi e experienciei que autocompaixão vai muito além de sermos bons consigo.

Autocompaixão é compaixão para si. Assim, precisamos compreender o que é compaixão. Paul Gilbert, um psicólogo inglês criador da Terapia Focada na Compaixão, a define como a sensibilidade ao sofrimento, meu e do outro, e uma motivação genuína de aliviar e / ou prevenir esse sofrimento. Então, frente às dificuldades que enfrentamos de modo cotidiano em nossas vidas e às que presenciamos entre amigos, na sociedade, precisamos ser tocados por esse sofrimento para que brote um desejo genuíno de fazer algo para cuidar daquilo, trazendo alívio para as pessoas envolvidas. A compaixão então é um processo, que envolve o reconhecimento das dificuldades / sofrimento, a tolerância a estes, a empatia e por fim a motivação para fazer algo para aliviá-los e / ou preveni-los. Então, a compaixão é uma resposta ao sofrimento e a autocompaixão é uma resposta ao próprio sofrimento.

Kristin Neff, uma pesquisadora da Universidade do Texas, é a pioneira no campo da autocompaixão e ao longo dos últimos 20 anos desenvolveu pesquisas sobre o tema. Ela desenvolveu uma escala para avaliação da autocompaixão que foi utilizada em centenas de investigações. Junto com Christopher Germer, psicólogo associado na Universidade de Harvard, desenvolveu o Programa de Mindfulness e Autocompaixão Mindful Self-Compassion (MSC), um programa para o treinamento da habilidade da autocompaixão. O MSC foi traduzido para 22 idiomas e existem professores no mundo todo trabalhando com ele.

Para Neff, a autocompaixão envolve tratar a si mesmo da mesma forma como você trataria um amigo que está com dificuldades, mesmo que seu amigo tenha cometido um erro. Uma definição mais formal para autocompaixão é: um estado de presença amorosa conectada.

Uma definição ainda mais completa envolve três elementos essenciais, que devem ser compreendidos em relação ao seu “oposto”.

1 - Mindfulness x sobreidentificação: De modo geral, nos “colamos” aos nossos pensamentos e emoções desafiadoras, acreditando que tudo aquilo é verdade. Isso gera bastante sofrimento e tendemos a nos afastar da nossa experiência. Mindfulness nos permite ter consciência da nossa experiência momento a momento, com abertura, nos possibilitando reconhecer nossa dor e estar com ela por um tempo suficiente para que possamos responder: o que eu preciso agora?

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coaching de Grupos e Equipes

“(...) Olhe, pro futuro confiante, pois a distância posso ver que no século XXI, surge um novo amanhecer (...) “ Viva a Gente - 1969 Segundo o Paradigma Luz, de Borges (1994) – “ A Construção do Ser e do Saber” é de bom tom olhar o antigo para poder entender e lidar com o novo, com a atual necessidade do aqui e agora, mas não apenas olhar, ver, ouvir e escutar para aquilo... leia mais

17 minutos

As seis dimensões da Síndrome de Burnout: compreender e prevenir

A Síndrome de Burnout pode ser prevenida! Quantas pessoas gostariam de ter evitado chegar ao esgotamento, ao sentimento de não se reconhecer mais e perder a confiança em si mesmas, em suas capacidades de concentração, de memória e de regulação emocional... Após ter vivido a síndrome e acompanhado dezenas de pessoas no processo de recuperação, considero essa experiência como um... leia mais

15 minutos

O grupo de Codesenvolvimento: um poderoso método de inteligência coletiva

Espaço colaborativo de aprendizagem, abordagem pedagógica, comunidade para o desenvolvimento das práticas profissionais, são alguns dos qualificadores utilizados nos últimos vinte e cinco anos para classificar o grupo de codesenvolvimento profissional (GCP). Alguns marcos O grupo de codesenvolvimento profissional constitui uma proposta de abordagem e método bastante precisos definidos... leia mais

11 minutos

A liberdade genuína em nossa atuação prática

“Nossa vida é composta a partir de atos da liberdade e da falta de liberdade. No entanto, não podemos pensar sobre o conceito completo do ser humano, sem chegar ao espírito livre como a mais pura manifestação da natureza humana. Somente somos verdadeiros seres humanos na medida em que somos livres.” Rudolf Steiner Em nossa jornada na vida, frente aos... leia mais

14 minutos

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium