revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #101 - Outubro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O poder da autocompaixão: conceitos e ideias errôneas

“Um momento de autocompaixão pode mudar todo o seu dia. Uma série de momentos como esse pode mudar o curso de sua vida.” Christopher Germer

Há 5 anos, ouvi pela primeira vez a palavra autocompaixão e pensei: “Eu não sei exatamente o que é isso, mas sinto que preciso de compaixão”. Nesse momento, associei autocompaixão a ser mais bondosa comigo de alguma maneira. Ao longo dos últimos anos, compreendi e experienciei que autocompaixão vai muito além de sermos bons consigo.

Autocompaixão é compaixão para si. Assim, precisamos compreender o que é compaixão. Paul Gilbert, um psicólogo inglês criador da Terapia Focada na Compaixão, a define como a sensibilidade ao sofrimento, meu e do outro, e uma motivação genuína de aliviar e / ou prevenir esse sofrimento. Então, frente às dificuldades que enfrentamos de modo cotidiano em nossas vidas e às que presenciamos entre amigos, na sociedade, precisamos ser tocados por esse sofrimento para que brote um desejo genuíno de fazer algo para cuidar daquilo, trazendo alívio para as pessoas envolvidas. A compaixão então é um processo, que envolve o reconhecimento das dificuldades / sofrimento, a tolerância a estes, a empatia e por fim a motivação para fazer algo para aliviá-los e / ou preveni-los. Então, a compaixão é uma resposta ao sofrimento e a autocompaixão é uma resposta ao próprio sofrimento.

Kristin Neff, uma pesquisadora da Universidade do Texas, é a pioneira no campo da autocompaixão e ao longo dos últimos 20 anos desenvolveu pesquisas sobre o tema. Ela desenvolveu uma escala para avaliação da autocompaixão que foi utilizada em centenas de investigações. Junto com Christopher Germer, psicólogo associado na Universidade de Harvard, desenvolveu o Programa de Mindfulness e Autocompaixão Mindful Self-Compassion (MSC), um programa para o treinamento da habilidade da autocompaixão. O MSC foi traduzido para 22 idiomas e existem professores no mundo todo trabalhando com ele.

Para Neff, a autocompaixão envolve tratar a si mesmo da mesma forma como você trataria um amigo que está com dificuldades, mesmo que seu amigo tenha cometido um erro. Uma definição mais formal para autocompaixão é: um estado de presença amorosa conectada.

Uma definição ainda mais completa envolve três elementos essenciais, que devem ser compreendidos em relação ao seu “oposto”.

1 - Mindfulness x sobreidentificação: De modo geral, nos “colamos” aos nossos pensamentos e emoções desafiadoras, acreditando que tudo aquilo é verdade. Isso gera bastante sofrimento e tendemos a nos afastar da nossa experiência. Mindfulness nos permite ter consciência da nossa experiência momento a momento, com abertura, nos possibilitando reconhecer nossa dor e estar com ela por um tempo suficiente para que possamos responder: o que eu preciso agora?

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Saúde na sua plenitude

O que é ter uma vida com saúde plena? Será apenas a ausência de sintomas e doenças? Talvez quando tivermos alcançado a tríade físico – mente – espírito de maneira equilibrada poderemos dizer que estamos vivendo a vida, não apenas sobrevivendo. A saúde na sua plenitude pode ser uma utopia. Essa busca é constante e não existe um fim na nossa jornada neste plano. O equilíbrio... leia mais

13 minutos

As diferenças culturais: entre belo sonho e pesadelo

França, Alemanha, Itália, Bulgária, Argentina, Holanda, Roménia, Brasil.  Foram as palavras que encerraram a reunião de criação da capa desta edição da revista. São os países de onde os autores do dossiê estavam a falar. A nossa reunião acaba e fico num estado de graça. O nosso grupo é o símbolo, a ilustração perfeita das diferenças culturais. Um exemplo de como... leia mais

13 minutos

Vamos falar em Segurança Psicológica nas Organizações?

Você já deve ter ouvido por aí sobre o conceito de segurança psicológica. Se ainda não ouviu, está na hora! A não ser que a sua organização não esteja precisando inovar, crescer em um contexto de incertezas constantes ou engajar colaboradores, então esse artigo não é pra você. Mas, se você quer saber como conectar as pessoas com o futuro, tomar decisões mais inteligentes... leia mais

10 minutos

Nossos traumas podem nos levar de volta a quem realmente somos

Trauma Talvez não soe como um assunto para a edição de feliz ano novo, por carregar um estigma de algo ruim, pesado, doloroso. Mas foi tão impactante aprender sobre esse assunto nos últimos tempos, que quero compartilhar o que venho descobrindo sobre trauma coletivo, individual e como isso pode impactar nossos processos de coaching e interação com todos os seres humanos, principalmente no... leia mais

13 minutos

Feliz Ano Novo? Não tenha esperanças

Como alguém que aprecia uma boa aventura, sempre que penso em Ano Novo, imagino uma viagem para um lugar inédito. Ao mesmo tempo em que meu íntimo é inundado pelo entusiasmo e excitação de logo colocar o pé na estrada, meu senso de responsabilidade me deixa alerta em relação a preparação, procedimentos de segurança e o planejamento. Em toda viagem, seja ela curta ou longa, precisamos... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium