revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #97 - Junho 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A liberdade genuína em nossa atuação prática

“Nossa vida é composta a partir de atos da liberdade e da falta de liberdade. No entanto, não podemos pensar sobre o conceito completo do ser humano, sem chegar ao espírito livre como a mais pura manifestação da natureza humana. Somente somos verdadeiros seres humanos na medida em que somos livres.”

Rudolf Steiner


Em nossa jornada na vida, frente aos diversos caminhos que a existência nos apresenta, estamos sempre às voltas com a necessidade de fazermos escolhas diante de várias situações. Mas será que somos os senhores absolutos e temos as rédeas de nossas vidas em nossas mãos? Será que agimos sempre em liberdade enquanto tomamos nossas decisões?

Essa é uma das grandes questões da humanidade. Arrisco dizer que esta questão anda junto com “quem sou eu?”, “de onde eu vim?” e “para onde vou?”.

Ao longo da história da humanidade, o conceito de liberdade foi discutido sob diferentes perspectivas por filósofos e pensadores, faz parte dos diálogos entre terapeutas e pacientes, entre as famílias, ocupa espaço em jornais e revistas, e justamente por sua relevância me parece importante trazer para o contexto do coaching.

Na Grécia Antiga, a liberdade era associada ao ato de pensar. Havia um consenso entre os filósofos de que o ser humano só é livre quando domina suas ações a partir da reflexão sobre seus desejos.

Já na Idade Média, em uma sociedade teocêntrica extremamente influenciada pela Igreja Católica, afirmavam que uma natureza superior era determinante na vontade humana. Para Santo Agostinho, por exemplo, o livre-arbítrio seria uma dádiva de Deus e a liberdade seria encontrada somente nas ações guiadas pela fé e pelas leis divinas.

A compreensão de liberdade evolui com o iluminismo para uma visão racional do indivíduo em sociedade em substituição à visão teológica. A liberdade passa a ser entendida como um direito do indivíduo e que ele deve ser capaz de ser dono de seu próprio destino.

René Descartes, diferentemente de Santo Agostinho, entende o livre-arbítrio como o exercício de um pensamento independente que busca compreender e descobrir o mundo. O método cartesiano dá lugar a uma nova compreensão da realidade, abre-se um imenso espaço de liberdade ao pensamento humano dentro de uma época marcada pelo dogmatismo religioso. Com sua frase “penso, logo sou.” (traduzida como “penso, logo existo.”) Descartes propõe a dúvida que aponta como incerta qualquer existência exterior ao indivíduo e suspende qualquer entendimento prévio do mundo.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O poder da autocompaixão: conceitos e ideias errôneas

“Um momento de autocompaixão pode mudar todo o seu dia. Uma série de momentos como esse pode mudar o curso de sua vida.” Christopher Germer Há 5 anos, ouvi pela primeira vez a palavra autocompaixão e pensei: “Eu não sei exatamente o que é isso, mas sinto que preciso de compaixão”. Nesse momento, associei autocompaixão a ser mais bondosa comigo de alguma maneira. Ao longo dos... leia mais

16 minutos

Coaching de Grupos e Equipes

“(...) Olhe, pro futuro confiante, pois a distância posso ver que no século XXI, surge um novo amanhecer (...) “ Viva a Gente - 1969 Segundo o Paradigma Luz, de Borges (1994) – “ A Construção do Ser e do Saber” é de bom tom olhar o antigo para poder entender e lidar com o novo, com a atual necessidade do aqui e agora, mas não apenas olhar, ver, ouvir e escutar para aquilo... leia mais

17 minutos

As seis dimensões da Síndrome de Burnout: compreender e prevenir

A Síndrome de Burnout pode ser prevenida! Quantas pessoas gostariam de ter evitado chegar ao esgotamento, ao sentimento de não se reconhecer mais e perder a confiança em si mesmas, em suas capacidades de concentração, de memória e de regulação emocional... Após ter vivido a síndrome e acompanhado dezenas de pessoas no processo de recuperação, considero essa experiência como um... leia mais

15 minutos

O grupo de Codesenvolvimento: um poderoso método de inteligência coletiva

Espaço colaborativo de aprendizagem, abordagem pedagógica, comunidade para o desenvolvimento das práticas profissionais, são alguns dos qualificadores utilizados nos últimos vinte e cinco anos para classificar o grupo de codesenvolvimento profissional (GCP). Alguns marcos O grupo de codesenvolvimento profissional constitui uma proposta de abordagem e método bastante precisos definidos... leia mais

11 minutos

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium