revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #93 - Fevereiro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos

Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de forma diferente de como eu vejo. Eu não tenho consciência do que eu ainda não sei sobre o que os médicos veem - eu sou cego para o que eles veem. O mesmo acontece com qualquer outro conjunto de distinções e habilidades - ou estamos conscientes e participamos delas, ou as ignoramos (o que significa que sabemos que não sabemos sobre elas) ou somos cegos a elas – elas não existem para nós.

Estamos em uma era histórica onde nosso senso cultural vigente (“mainstream”) é cego para as dimensões generativas que nos cercam. Algumas poucas pessoas que são naturalmente talentosas e afinadas, têm alguma facilidade com a generatividade, já que estas são “regularidades” da nossa realidade, no entanto não tivemos o discurso para revelar essas regularidades ao nosso senso comum cultural (“mainstream”). Precisamos de novas distinções para nos dar novos olhos para ver. Precisamos de novas práticas que possam abrir novas capacidades de ação através do aprendizado incorporado.

Os atos da fala e da escuta estão sempre acontecendo, desencadeando interpretações e reações, moldando a coordenação e os resultados que as pessoas produzem ou não. Só temos que desenvolver as habilidades para observá-los e aprimorá-los. Há um custo em não ser capaz de observar regularidades-chave em nossa realidade, e quando distinguimos um novo domínio de regularidades, também abrimos um novo domínio de design (*).

Nosso senso cultural vigente (“mainstream”) é cego para regularidades fundamentais de como a ação é gerada na linguagem e na escuta. Como resultado disso, temos líderes, gestores e profissionais que se importam, se comprometem, fazem o seu melhor, trabalham duro e, ainda assim, acabam produzindo resultados negativos, porque não sabem como observar os atos da fala e da escuta, que geram as ações e resultados em que estão engajados. Temos alguns líderes e gestores talentosos, com um senso natural do que funciona, mas há uma imensa oportunidade de melhorar o desempenho geral das organizações, o valor do trabalho profissional e reduzir o desperdício e o atrito da vida organizacional, que é tão comum no mundo atual. A melhoria seria alcançada por meio de uma nova consciência, padrões (standards) e práticas baseadas nos aspectos generativos da fala e da escuta. Por meio da fala e da escuta generativas, temos a oportunidade de fornecer uma base mais rigorosa para a gestão, liderança, profissionalismo e ação nas organizações.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos

Falemos sobre imunidade à mudanças

Foi no dia 15 de novembro de 2014 que o professor Robert Kegan conquistou a atenção de mais de 400 coaches reunidos na conferência global da ICF, no Rio de Janeiro. Entrou com seu notebook em mãos e, com voz tranquila e segura, conduziu uma palestra intercalada com atividades em dupla. Ao final, boa parte dos participantes havia identificado crenças, até então inconscientes, que... leia mais

14 minutos

A história do CliftonStrengths se originou com uma pergunta e pode continuar com outra

Os melhores coaches inspiram as pessoas com suas perguntas. E assim fez Dr. Donald O. Clifton que com um questionamento simples - mas poderoso - deu início ao movimento global de Pontos Fortes que hoje impacta tantas vidas. "O que poderia acontecer se estudássemos o que está certo com as pessoas?" Ele a formulou depois que percebeu que toda a literatura de psicologia disponível na... leia mais

12 minutos

ICF Portugal: um Caso de Boas Práticas

Escrevemos este artigo com o objetivo que partilharmos a nossa experiência de criar um modelo de gestão e comunicação de uma associação de coaching, a ICF Portugal, criado para concretizar uma visão estratégica clara, baseada em princípios da inteligência coletiva e da nossa convicção de que era possível inspirar e envolver a comunidade de membros, convidando-os a ter uma... leia mais

10 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium