revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #79 - Dezembro 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A jornada sistêmica do coaching: constelações familiares, organizacionais e estruturais.

O mundo do coaching experimentou uma expansão notável com a incorporação da perspectiva sistêmica nele. As constelações, que tem interesse nos nós e emaranhados sistêmicos, abriram as portas a dinâmicas diferentes no trabalho do coach. Da mesma maneira que no coaching distingue-se Life Coaching e Coaching Executivo, o mundo das constelações estabeleceu diferenças entre as familiares e as organizacionais. Vale a pena conhecer a história e o desenvolvimento destas modalidades.

As constelações familiares se tornaram conhecidas pelas mãos de Bert Hellinger. Ele se apoiou no trabalho de Thea Schönfelder com bonecos, e Ruth McClendon e Les Kadis, que a partir dos conceitos de terapia familiar de Virginia Satir (reconstrução familiar, esculturas familiares, “parts parties”) constelaram famílias com a ajuda de pessoas. Mas, ainda mais fundamental, foi para Hellinger o contato com a terapia contextual de Ivan Boszormmenyi- Nagy, refletida na sua obra Invisible Loyalties (lealdades invisíveis) (1974). Com estas e algumas outras tradições fundantes (Gestalt, terapia primal, psicanálise, tradição judaico cristã), Hellinger constrói seu marco teórico para as constelações. Algumas dessas linhas gerais são:

a) o conceito de solidariedade transgeracional de Boszormmenyi-Nagy: há uma lealdade em todo sistema que é transmitida de geração em geração e que preza para que todos os elementos importantes do sistema sejam reconhecidos e tenham seu lugar.

b) O conceito de implicação sistêmica: ele explica os distintos transtornos ou patologias que podem aparecer em uma família ou sistema.

c) Princípios sistêmicos: transtornos, patologias ou dificuldades podem ocorrer quando um destes três princípios sistêmicos não é respeitado: (i)o princípio de ordem, (ii)o de direito ao pertencimento, ou (iii)o equilíbrio entre dar e tomar.

As constelações organizacionais.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Saúde na sua plenitude

O que é ter uma vida com saúde plena? Será apenas a ausência de sintomas e doenças? Talvez quando tivermos alcançado a tríade físico – mente – espírito de maneira equilibrada poderemos dizer que estamos vivendo a vida, não apenas sobrevivendo. A saúde na sua plenitude pode ser uma utopia. Essa busca é constante e não existe um fim na nossa jornada neste plano. O equilíbrio... leia mais

13 minutos

As diferenças culturais: entre belo sonho e pesadelo

França, Alemanha, Itália, Bulgária, Argentina, Holanda, Roménia, Brasil.  Foram as palavras que encerraram a reunião de criação da capa desta edição da revista. São os países de onde os autores do dossiê estavam a falar. A nossa reunião acaba e fico num estado de graça. O nosso grupo é o símbolo, a ilustração perfeita das diferenças culturais. Um exemplo de como... leia mais

13 minutos

Vamos falar em Segurança Psicológica nas Organizações?

Você já deve ter ouvido por aí sobre o conceito de segurança psicológica. Se ainda não ouviu, está na hora! A não ser que a sua organização não esteja precisando inovar, crescer em um contexto de incertezas constantes ou engajar colaboradores, então esse artigo não é pra você. Mas, se você quer saber como conectar as pessoas com o futuro, tomar decisões mais inteligentes... leia mais

10 minutos

Nossos traumas podem nos levar de volta a quem realmente somos

Trauma Talvez não soe como um assunto para a edição de feliz ano novo, por carregar um estigma de algo ruim, pesado, doloroso. Mas foi tão impactante aprender sobre esse assunto nos últimos tempos, que quero compartilhar o que venho descobrindo sobre trauma coletivo, individual e como isso pode impactar nossos processos de coaching e interação com todos os seres humanos, principalmente no... leia mais

13 minutos

Feliz Ano Novo? Não tenha esperanças

Como alguém que aprecia uma boa aventura, sempre que penso em Ano Novo, imagino uma viagem para um lugar inédito. Ao mesmo tempo em que meu íntimo é inundado pelo entusiasmo e excitação de logo colocar o pé na estrada, meu senso de responsabilidade me deixa alerta em relação a preparação, procedimentos de segurança e o planejamento. Em toda viagem, seja ela curta ou longa, precisamos... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium