revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #77 - Outubro 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Marketing é um superpoder.

Foi essa conclusão que cheguei quando entendi que fazer marketing era a principal forma de fazer um negócio deslanchar.

Inegavelmente todo mundo precisa de marketing.

Estamos vivendo a revolução digital ao mesmo tempo que estamos despertando para a expansão da consciência e vejo o quanto esses dois universos precisam viver em equilíbrio.

Hoje, esse equilíbrio não existe. Ainda.

Marketing Digital pode ser chato e difícil demais para quem quer fazer sozinho. E pode ser manipulador e repetitivo demais para quem consome.

Depois de estudar inúmeras táticas de marketing digital ensinadas por gurus no mundo inteiro, percebi que elas foram pensadas para funcionar em grandes empresas, com orçamento para investir em agências e campanhas. Utilizando ferramentas de última geração e contratando pessoas que respiram marketing 24 horas por dia, essas empresas obtêm resultados do tamanho de seus altos investimentos - o que é sua prerrogativa. 

Em contrapartida, quando o pequeno empreendedor ou autônomo decide entrar no jogo e divulgar seu trabalho usando o marketing digital, o que acontece na maioria das vezes é um massacre: de vidas, de valores, de orçamentos e de autoestima.

É impressionante o que os profissionais e agências de marketing digital esperam do pequeno empreendedor, aquele que trabalha sozinho e que só quer um fluxo de clientes sustentável para conseguir pagar suas contas. 

O que se vê de solução para eles é uma adaptação grosseira do marketing para grandes empresas, pouco ou nada pensadas para um negócio de uma pessoa só, prometendo resultados rápidos e com pouco esforço, criando uma expectativa ilusória daquilo que realmente acontece.

Só para ilustrar, estou me referindo às fórmulas de lançamento, investimentos em anúncios, em SEO, em email marketing, copywriting e outros. Táticas que são efetivas quando aplicadas em determinados tipos de negócio e que são vendidas para o público como uma solução rápida, milagrosa e universal. 

Por mais que tentemos seguir esses passos “rápidos e milagrosos”, os resultados dificilmente são os prometidos e ficamos com um sentimento negativo em relação ao marketing. 

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Empatia Eficaz: a chave para o coaching transformacional

(Practice – Accurate Empathy: the key to masterful coaching) A palestra aconteceu em um tom de conversa informal, com muita maestria pessoal e toques de emoção genuína por parte do Dr. D Ivan Young. Algumas ideias centrais merecem estar neste texto, não por serem novas, mas por trazerem profundidade no tema e desafios gigantes para os coaches que desejam fazer a diferença na... leia mais

14 minutos

O que significa ser “alfabetizado em futuros”?

Ser alfabetizado no futuro significa compreender que existem diferentes sistemas de antecipação. São diferentes maneiras de imaginarmos o futuro e diferentes razões para imaginar o futuro. A proposição básica é que o futuro só́ pode ser imaginário. Precisamos entender por que e como nossa imaginação criou imagens do futuro, baseando-se em suposições ou molduras. Portanto, para... leia mais

8 minutos

Pais imperfeitos, filhos resilientes: o poder da autocompaixão

Apesar de conhecido como fundador da psicologia positiva, meu professor de mestrado, Martin Seligman, construiu a carreira estudando depressão. E como um bom pesquisador, nos incentivava a refletir sobre perguntas para as quais ele ainda não havia encontrado respostas. Uma das mais recorrentes era: por que estamos deprimindo cada vez mais? Por mais que o mundo tenha muito espaço para mudanças... leia mais

15 minutos

Há (muita) vida após a Burnout

Eu vi o chão sumir debaixo dos meus pés. Perdi a direção. Perdi o ânimo. Perdi a confiança em mim mesma e nas pessoas. Foram cinco anos de dor, de exaustão, de promessas mágicas de cura, de destruição da minha autoestima, de traumas e de lutos. Luto por quem eu achava que era, luto pelo ambiente que me adoeceu, luto pela cultura que glorifica o excesso de trabalho e... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium