revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #7 - Dezembro 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Dizendo “não” sem culpa!

"O fato de dizer sempre sim em vez de dizer não, acarreta sobrecarga e, muitas vezes, gera somatizações."
Adilsa Sakashita

Quantas vezes você foi a um lu­gar que não queria ir, assumiu um compromisso sem poder, sobrecarregou-se com inúme­ras atividades, apenas porque não soube ou não teve coragem de dizer “não”? 
Muitas vezes, tenho certeza.

É difícil dizer “não”, e por vários motivos: medo, culpa, insegu­rança, auto-estima baixa, só para citar alguns. Até por ex­cesso de confiança, quando nos julgamos muito mais podero­sos e capazes do que realmente somos, ou ainda por perfeccio­nismo, quando pensamos ser os únicos competentes para resol­ver as situações.

Seja qual for o motivo, a inca­pacidade de nos colocarmos de maneira assertiva, nos deixa sobrecarregados, estressados e ainda nos faz agir contrarian­do nossa vontade, princípios, valores. Quando isso acontece sofremos...

Aprender a dizer “não” é mui­to importante e saudável, não apenas para quem diz, mas também para quem ouve; o pri­meiro exercita a assertividade e o segundo a resiliência.

Pessoas que sempre dizem sim estão mais sujeitas ao dese­quilíbrio emocional, a tensões, além de viverem numa cons­tante luta contra o relógio, pois estão sempre assoberbadas e infelizes. Sentem-se desrespeitadas e abusadas; só que não conse­guem enxergar que a causa de tudo está nelas. Esta atitude diminui a auto-estima porque a pessoa acaba acreditando que não é levada a sério, suas ne­cessidades e prioridades não são levadas em conta, nem por ela mesma! Afinal, quando di­zemos sim sempre, não damos importância aos nossos pró­prios planos e projetos, então não podemos esperar que os outros dêem.

Uma conhecida se queixava sempre que seu marido, filhos, família, chefes e colegas viviam abusando dela, todos se apro­veitavam da sua incapacidade de dizer “não”. E ela sofria mui­to com isso. Por um lado sentia­-se desvalorizada e, por outro, incapaz de fazer valer suas prio­ridades e vontades. Porém, o que ela não conseguia perceber é que dizia sim por­que sentia culpa por não aten­der aos pedidos e tinha medo de que não gostassem mais dela, afinal ela tinha a imagem de boazinha, solícita... E o mais grave, ela assumia um papel de vítima, reclamando de sua sobrecarga, de como ela tinha que resolver tudo para todos, reforçando a imagem de boazinha, mas também de vítima, o que despertava aten­ção e cuidados, nas pessoas próximas. Essa imagem acabou se confundindo com sua iden­tidade e ela desenvolveu mais um temor: "- E agora, se começar a dizer “não”, serei o quê? As pessoas continuarão gostando de mim?" Após passar por um processo de Coaching, ela se descobriu capaz de dizer “não” de maneira justa e hoje se sente valorizada e admirada. Mas foi necessário passar por vários pontos cru­ciais: reconhecer a dificuldade, entender suas causas, decidir mudar e efetivamente empre­ender os esforços necessários para a mudança.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O caminho sem volta do autodesenvolvimento

Quase tudo que faço está voltado para desenvolvimento e autodesenvolvimento, então escrever sobre o tema “Eu cada vez melhor” parece-me absolutamente em sincronia comigo. Percebi sincronicidade também no momento em que me chamaram para escrever aqui. No mesmo dia do convite, havia trocado mensagens com uma colega querida sobre a intenção de criar um programa para promover as reflexões... leia mais

7 minutos

Seis Graus de Liberdade – 6: (Des)apegado

“Todos os modelos estão errados. Alguns são úteis.” George E. P. Box Olá, Viajante do Tempo! Está sentindo o frescor no ambiente? E o som gostoso da chuva, abafando o canto dos pássaros, que se escondem no limoeiro à nossa frente? Se você tivesse chegado aqui um pouco antes, teria visto um lindo arco-íris entre nós e a Pedra Grande de Atibaia. Ah, o bolo... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 5: (Des)atualizado

“As pessoas mais fáceis de manipular são as que acreditam no Livre-Arbítrio, porque pensam que não podem ser manipuladas.” Yuval Noah Harari Olá, Viajante do Tempo! Há quanto tempo! Estamos em 2050, muita coisa aconteceu desde nosso último encontro. A 1ª Pandemia Mundial e o Grande Reset de 2020 foram marcantes para a aceleração de mudanças... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 4: (Des)iludido

“Vida é o que lhe acontece, enquanto você está ocupado fazendo outros planos.” John Lennon Olá, Viajante do Tempo! Estamos nos anos 1980, numa noite de domingo. Amanhã tem escola, mas hoje vamos dormir só depois de assistir o novo número de ilusionismo do David Copperfield no Fantástico. A família toda está em frente à TV Mitsubishi de 20 polegadas, não... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 3: (Des)cansado

Olá, Viajante do Tempo! Nossa última conversa semana passada foi um grande susto, mas já passou. Faz uma semana desde o infarto e contínuo hospitalizado. Acabo de voltar 12 horas no tempo. Lembro-me de ter acordado às 6 da manhã, tomado um banho e ser levado deitado para o elevador... Fechei os olhos. Ao abri-los, encontrei minha querida Flávia: “Linda, quando será a... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium