revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #7 - Dezembro 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Dizendo “não” sem culpa!

"O fato de dizer sempre sim em vez de dizer não, acarreta sobrecarga e, muitas vezes, gera somatizações."
Adilsa Sakashita

Quantas vezes você foi a um lu­gar que não queria ir, assumiu um compromisso sem poder, sobrecarregou-se com inúme­ras atividades, apenas porque não soube ou não teve coragem de dizer “não”? 
Muitas vezes, tenho certeza.

É difícil dizer “não”, e por vários motivos: medo, culpa, insegu­rança, auto-estima baixa, só para citar alguns. Até por ex­cesso de confiança, quando nos julgamos muito mais podero­sos e capazes do que realmente somos, ou ainda por perfeccio­nismo, quando pensamos ser os únicos competentes para resol­ver as situações.

Seja qual for o motivo, a inca­pacidade de nos colocarmos de maneira assertiva, nos deixa sobrecarregados, estressados e ainda nos faz agir contrarian­do nossa vontade, princípios, valores. Quando isso acontece sofremos...

Aprender a dizer “não” é mui­to importante e saudável, não apenas para quem diz, mas também para quem ouve; o pri­meiro exercita a assertividade e o segundo a resiliência.

Pessoas que sempre dizem sim estão mais sujeitas ao dese­quilíbrio emocional, a tensões, além de viverem numa cons­tante luta contra o relógio, pois estão sempre assoberbadas e infelizes. Sentem-se desrespeitadas e abusadas; só que não conse­guem enxergar que a causa de tudo está nelas. Esta atitude diminui a auto-estima porque a pessoa acaba acreditando que não é levada a sério, suas ne­cessidades e prioridades não são levadas em conta, nem por ela mesma! Afinal, quando di­zemos sim sempre, não damos importância aos nossos pró­prios planos e projetos, então não podemos esperar que os outros dêem.

Uma conhecida se queixava sempre que seu marido, filhos, família, chefes e colegas viviam abusando dela, todos se apro­veitavam da sua incapacidade de dizer “não”. E ela sofria mui­to com isso. Por um lado sentia­-se desvalorizada e, por outro, incapaz de fazer valer suas prio­ridades e vontades. Porém, o que ela não conseguia perceber é que dizia sim por­que sentia culpa por não aten­der aos pedidos e tinha medo de que não gostassem mais dela, afinal ela tinha a imagem de boazinha, solícita... E o mais grave, ela assumia um papel de vítima, reclamando de sua sobrecarga, de como ela tinha que resolver tudo para todos, reforçando a imagem de boazinha, mas também de vítima, o que despertava aten­ção e cuidados, nas pessoas próximas. Essa imagem acabou se confundindo com sua iden­tidade e ela desenvolveu mais um temor: "- E agora, se começar a dizer “não”, serei o quê? As pessoas continuarão gostando de mim?" Após passar por um processo de Coaching, ela se descobriu capaz de dizer “não” de maneira justa e hoje se sente valorizada e admirada. Mas foi necessário passar por vários pontos cru­ciais: reconhecer a dificuldade, entender suas causas, decidir mudar e efetivamente empre­ender os esforços necessários para a mudança.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O fantástico mundo de coisas que só acontecem na minha cabeça

Há tempos eu vinha lidando com uma questão incômoda e resolvi buscar ajuda terapêutica. Resolvi apostar na constelação familiar, por mapear sistemicamente elementos menos conscientes do problema. Para iniciar o processo, a consteladora me pediu para relatar o que eu buscava. Em tom de vítima desolada, despejei um monte de palavras: “Os clientes estão indo embora...... leia mais

6 minutos

Você também é incongruente com o que faz e fala?

Muita gente relata ter escolhido trabalhar como coach, facilitador ou consultor por poder ter a oportunidade de se autodesenvolver enquanto apoia no desenvolvimento de outras pessoas. Parece que, quanto mais conhecemos nosso universo interno, padrões e nossos lados de luz e sombra, mais conseguimos apoiar nossos clientes a fazerem o mesmo. Mas daí, um fenômeno inesperado parece acontecer... leia mais

6 minutos

O que fazer perante uma parceria que não funciona?

Observo uma tendência de coaches em início de carreira buscarem parcerias profissionais baseando-se em vários pressupostos: juntos somos mais fortes, é melhor operar em redes, colaborar etc. Ou, talvez, optam por andar em parcerias como um antídoto contra a insegurança inicial que todo profissional precisa vencer. Mas, contradizendo os pressupostos de quando embarcaram na parceria,... leia mais

6 minutos

Qual o segredo para manter a felicidade e a motivação depois dos 80?

Mêncio, mestre da antiga China, chama de "saber inato o que não é necessário aprender, porque já se sabe." Você já parou para pensar se está crescendo em sabedoria conforme avança em idade? Um encontro espontâneo de apenas 15 minutos me chamou atenção para essa pergunta. Estava de férias na Alemanha, passeando com meu esposo, cunhado e sogro. Nosso destino era um Biergarten na... leia mais

5 minutos

Experiência sem sentir, faz sentido?

“Eu tinha sonhos e objetivos, bati metas, tive ascensão de carreira. Recebi aplausos. Me realizei, mas estava sempre em débito com alguma coisa. A carreira foi sem sentir. Até que um dia, nada mais fazia sentido”. Essa frase é da Emma, uma colega coach, mas poderia ser minha. E acredito que alguns leitores coaches e profissionais de desenvolvimento se identificam com ela também. ... leia mais

5 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium