revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #43 - Dezembro 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A Resiliência de quem cuida de pessoas – uma nova lógica para uma prática sustentada no equilíbrio

Falar em saúde na saúde parece, à primeira vista, um contrassenso. Teoricamente, o profissional de saúde sabe de tudo sobre a saúde daqueles que ele cuida, mas muito pouco sobre a sua própria saúde. Em geral, não cuida da própria saúde, nem nos aspectos mais básicos como alimentação e repouso. Na formação destes profissionais costuma-se atribuir a responsabilidade integral pelo sucesso e recuperação das pessoas, imprimindo às mesmas um desfecho sempre positivo. O profissional, em geral, não recebe o cuidado para cuidar. Como cuidar de quem cuida?

O cuidado a pessoas implica uma corresponsabilização, um compromisso ético, estético, social e de vínculo que requer dos profissionais que se dedicam a essa atividade, uma carga emocional e física que, muitas vezes, transcende à atividade em si1. Seguem trechos de narrativas extraídas da prática profissional, que evidenciam as adversidades nesse cotidiano.

Narrativas de quem cuida

(...) Aí eu chamei a mãe e disse – mãezinha, você pode chamar o pai para dormir aqui hoje também (...) já está chegando ao fim” (enfermeira pediátrica)
“Eu tenho uma notícia para você (...) você vai precisar começar uma nova etapa de tratamento, os resultados dos exames não estão favoráveis, infelizmente” (médico)

As situações de crise e adoecimento resultam na ruptura de um bem-estar. A pessoa passa então a viver uma liminaridade2, isto é, um entre-lugar indefinido no qual não é possível categorizá-lo plenamente.

No trecho a seguir, um exemplo dessa condição:

“(...) e naquela manhã todo o meu pior pesadelo se tornou realidade (...) eu queria sumir dali com meu filho, voltar para casa e que alguém dissesse, foi engano (...) eu queria voltar para minha vida (...) aquele lugar (hospital) não era para mim e muito menos para o meu filho (...) até que as portas se trancaram atrás de nós e entendi que começava um mundo totalmente ameaçador e desconhecido

Neste sentido, pacientes, usuários e familiares quando se veem diante das adversidades, marcadas por uma ruptura que pode ser a doença ou o estado de adoecimento, se encontram nesse estado de liminaridade. Não pertencem àquele “lugar” e os profissionais precisam lidar com todas as emoções e reações que essa condição produz. E para isso precisam estar preparados para além do conhecimento técnico e científico: precisam cuidar da sua resiliência.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos

Falemos sobre imunidade à mudanças

Foi no dia 15 de novembro de 2014 que o professor Robert Kegan conquistou a atenção de mais de 400 coaches reunidos na conferência global da ICF, no Rio de Janeiro. Entrou com seu notebook em mãos e, com voz tranquila e segura, conduziu uma palestra intercalada com atividades em dupla. Ao final, boa parte dos participantes havia identificado crenças, até então inconscientes, que... leia mais

14 minutos

A história do CliftonStrengths se originou com uma pergunta e pode continuar com outra

Os melhores coaches inspiram as pessoas com suas perguntas. E assim fez Dr. Donald O. Clifton que com um questionamento simples - mas poderoso - deu início ao movimento global de Pontos Fortes que hoje impacta tantas vidas. "O que poderia acontecer se estudássemos o que está certo com as pessoas?" Ele a formulou depois que percebeu que toda a literatura de psicologia disponível na... leia mais

12 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium