revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #2 - Julho 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Quem contratar como Coach?

Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de cará­ter pessoal, profissional ou, mais frequentemente ambos, que você julga importante para seu desenvolvimento, qualquer que seja seu objetivo.

Tomada a decisão, inicia-se uma etapa de enorme importância para o su­cesso da sua empreitada: - quem contratar como Coach?


Sabemos que o mercado de Co­aching vem crescendo de forma exponencial e, ao mesmo tempo, com muita fragmentação, fruto de uma enorme variedade de ofertas de serviços de Coaching, com abordagens e metodologias das mais diversas. O que fazer num cenário como esse?

Lembre-se que um programa de Coaching envolverá um investi­mento relevante tanto em ter­mos de tempo como de dinheiro. Dessa forma, investir o tempo necessário para que sua escolha seja a melhor possível é algo ab­solutamente crítico e fundamen­tal. Afinal, você quer selecionar um Coach que possa oferecer a assistência e o suporte que você precisa para seu desenvolvimen­to e o alcance dos seus objetivos de uma forma eficaz.

Creio que o primeiro passo, se necessário, é educar-se ade­quadamente a respeito de Co­aching. Do que se trata afinal? Como essa prática se difere de outras de alguma forma corre­latas como Terapia, Consultoria e Mentoria?

A terapia lida com a busca de cura para uma dor, disfunção e/ou conflito dentro de um indiví­duo ou nos seus relacionamen­tos. O foco é frequentemente voltado para a resolução de dificuldades decorrentes do passado que prejudicam o fun­cionamento emocional de um indivíduo no presente e, com isso, alcançar melhorias no fun­cionamento psicológico em ge­ral para poder lidar com o pre­sente de maneira mais saudável emocionalmente. Coaching, por outro lado, apoia o crescimento pessoal e profissional com base na mudança desejada pelo Co­achee em busca de resultados específicos, relacionados ao su­cesso pessoal ou profissional. Coaching é focado no futuro. Enquanto sentimentos e emo­ções positivas podem ser um resultado natural do Coaching, o foco principal é a criação de estratégias viáveis para alcan­çar metas específicas, sejam elas pessoais ou profissionais. A ênfase, portanto, em um re­lacionamento de Coaching está na ação, no “accountability” e em seguir adiante.

Consultores, por sua vez, são contratados por indivíduos ou organizações visando transfe­rência de conhecimentos ou a execução de atividades para as quais não contam com recursos disponíveis. Enquanto as abor­dagens de consultoria variam amplamente, o pressuposto, em geral, é que o consultor irá diagnosticar problemas e pres­crever e, às vezes, implementar soluções. Com o Coaching, a su­posição é de que os indivíduos ou equipes são capazes de ge­rar as suas próprias soluções, com o fornecimento de apoio técnico, abordagens e estru­turas baseadas em ganho de consciência e descobertas.

Já um mentor é um especialista que fornece sabedoria e orien­tação com base em sua própria experiência. Mentoria pode in­cluir assessoria, aconselhamen­to e Coaching. O processo de Coaching não inclui assessoria ou aconselhamento; ao invés disso, concentra-se em ajudar indivíduos ou grupos a alcançar seus próprios objetivos.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium