revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #105 - Fevereiro 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Escrevo para acariciar as memórias e para desenhar sonhos!

Num dia 31 de Dezembro, vivia o entusiasmo de estar com os meus pais, a minha irmã e os outros militares e famílias. Era uma menina doce. Tinha cinco anos, tranças louras e vestia um vestido de princesa. Os adultos tinham feito uma fogueira que, aos meus olhos, era gigante e, enquanto os músicos tocavam uma melodia que convidava a dançar e dançar, os meus amiguinhos saltavam a fogueira e ganhavam rebuçados. De repente, o caos! O céu começou a chorar lágrimas com cores. Eram explosões! Todos batiam palmas, riam alto, mas eu escondi a cara no colo do meu pai, como quem esconde o medo. Diziam “Bom Ano Novo ... e eu chorava!

À noite, na cama, dizia à minha irmã “eles estavam todos a rir, mas o céu estava zangado e não consigo dormir”. A minha irmã, com três anos, e com voz serena, respondeu “o pai e a mãe não deixaram o céu fazer dói-dói”. E com a sabedoria dos inocentes, adormeci.

Escrevo para nutrir as memórias! Continuo a construir-me como Pessoa!

Num dia 31 de Dezembro, no início da adolescência, eu e a minha irmã decidimos surpreender os militares e famílias com a nossa arte de fazer fantoches. A minha mãe ajudou-nos a costurar as saias e calças. Fizemos convites com lápis de cor e distribuímos por todas as casas. O preço era baixo, mas a adesão foi plena e muito entusiástica. Estávamos atrás de uma manta a manipular os personagens e riamos à gargalhada. No final desejámos um Feliz Ano Novo ao nosso público.


(...)O trapezista se encantou com uma menina

O bastante pra esquecer até da vida

Suas atenções ele voltara só pra ela

Um dia desses se esqueceu até do circo (...)

Francisco Buarque de Holanda


Escrevo para acalentar as memórias! Continuo a construir-me como Pessoa!

Num dia 31 de Dezembro, em plena adolescência, depois de muita insistência junto da minha mãe, tive autorização para passar a passagem de ano com os meus amiguinhos. Só nós, numa clareira na mata militar! Levei um livro porque os livros me protegiam a timidez. Éramos “os Cinco” da Enid Blyton, tínhamos limonadas, suspiros, chocolates e bolachas para fazer uma festa. Um dos rapazes tocava viola e cantou o “Imagine”. Foi muito intenso! As minhas emoções eram vibrantes.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coach Digital: preparando-se para o futuro

Se você pudesse olhar por janela mental e projetar um futuro próximo, algo como entre 5 e 10 anos, o que você veria? Para auxiliar neste exercício de futurologia, procure projetar os campos da medicina, dos serviços públicos, do trabalho, educação e lazer. Anote suas respostas, guarde-as em uma capsula do tempo e defina um lembrete para abri-la no futuro. Provavelmente você acertaria... leia mais

7 minutos

Dança: uma conexão com o sentir da vida

"Coloquem suas mãos no coração como eu faço e escutem sua alma, e todos saberão como dançar tão bem como eu ou minhas alunas. Lá está a verdadeira revolução. Deixem as pessoas colocarem as mãos assim nos corações e, escutando suas almas, saberão como se portar". Isadora Duncan (1877-1927), bailarina norte-americana e pioneira da dança moderna. Os primeiros segundos de uma... leia mais

12 minutos

As diferenças culturais como instrumento para o nosso futuro em comum, começando pelo dia de hoje

A minha melhor amiga é romena. A conheci em Portugal em 2017, no Porto, onde estava por seis meses a fazer a minha mobilidade de Erasmus+. Na altura, ela era estudante na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, enquanto eu estudava na Faculdade das Letras. Obviamente, a economia não tem nada a ver comigo, mas os diferentes interesses que nós tínhamos e continuamos a ter não são um... leia mais

10 minutos

Diferenças Culturais a partir da perspectiva do Coaching Sistêmico

O dicionário define “Diferenças” como a qualidade, característica ou circunstância que torna uma pessoa ou coisa diferente de outra. Desde a perspectiva do coaching sistêmico entendemos que nós, seres humanos, estamos relacionados e não separados ou diferenciados. Pertencemos a sistemas e somos atravessados por padrões que regem nossas decisões e comportamentos criando nossa... leia mais

14 minutos

Engajamento não é onde você trabalha e sim com quem você trabalha!

Socorro! Minha equipe remota está desalinhada e a cultura da minha empresa à deriva. Não entre em pânico. Até o início da pandemia era impensável que gatos e bebês fizessem parte do ambiente de trabalho. Mas eis que de repente, estamos nas salas e cozinhas da casa dos nossos colegas. Ficou impossível separar mentalmente estes dois universos - pessoal e profissional. Um cenário... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium