revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #92 - Janeiro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Transformação Digital, complexidade, pessoas e futuro

Falar de transformação digital é falar de gente, nunca de tecnologias, é falar sobre como as tecnologias exponenciais combinadas entre si podem mudar a feição da própria sociedade e sobre os benefícios que elas trazem às pessoas.

Tecnologias nunca foram uma finalidade em si, elas se esgotam, são meios pelos quais buscamos a melhoria da qualidade da vida humana, porém ao longo do tempo, o ser humano, pós 2ª. revolução industrial foi se transformando em máquinas insanas de alta produção, de roteirizações infindáveis, submetidos a processos monolíticos, cheios de hierarquias e de conhecimento fragmentado devido à presença de especialidades.

Na batida do capitalismo cruel, de se tirar tudo em curtíssimo espaço de tempo e suas exigências do curto prazo, pessoas foram sendo dizimadas pela pressão extrema que foi transformando pessoas em máquinas, que sistematicamente foram matando a criança interior em prol de jornadas incessantes de grande poder de produção, de pressões, muitas vezes agressões e muita exigência, mas não na Inteligência.

A felicidade, segundo o filósofo chinês Lao Tsé, poderia ser atingida tendo como modelo a natureza, do equilíbrio, da diversidade, da adversidade, da riqueza. Já Confúcio acreditava na felicidade devido à harmonia entre as pessoas.

Gradualmente no processo de transformação de pessoas em máquinas, a felicidade, um conceito tão necessário, mas tão intangível e tão buscado passou a ser algo difuso, num ambiente da felicidade idealizada que injustamente condenou os humanos a cederem aos encantos do TER em detrimento do SER.

Este processo transformou humanos em seres apáticos, tristes, sem vida, ansiosos, narcisistas, individualistas, para se dizer o mínimo. Os condenou a uma vida competitiva sem trégua, em um ambiente corrosivo, individualista, de sucessos repetidos obrigatórios e de remuneração pela competição. Algo completamente desprovido de sentido.

Muitas pessoas foram treinadas em suas educações de base a “serem alguém na vida”, conceito complicado quando se deve perguntar, afinal, o que é ser alguém na vida a não ser o fato de se ser somente e tão somente o que se é, de forma pura e inexorável. Utopia talvez, para muitos.

Amarras deveriam ser rompidas para que um respiro de sobrevivência pudesse aparecer. Não é tarefa fácil e invariavelmente, quando a crise bate à porta, aquele filme “B” passa na cabeça de muitos. O filme “B” sempre foi o pl ano “A” mesmo assim, pessoas não ouvem o chamado para a aventura, única propriedade dos heróis de fato, que colocam suas vidas acima de si próprios.

Pior. Muita gente ainda acredita que ser feliz é poder pagar boletos, em vida dedicada ao acumular bens, de ter mais que todos os outros, de construir raízes do ter, de impérios do acúmulo, gerado pelas pragas da vida moderna, como o capitalismo do excesso, da estetização do mundo, da sociedade individualista, da nova era dos extremos, de grande decepção, do efêmero, do cansaço e do burnout, da depressão.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Mindfulness & Inteligência Emocional

“O termo Saúde Mental está relacionado à forma como uma pessoa reage às exigências, desafios e mudanças da vida e ao modo como harmoniza suas ideias e emoções” (www.einstein.br/saudemental). Mindfulness & Saúde Mental Após duas décadas de trabalho com a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) junto a pessoas que sofriam de ansiedade, depressão, comportamentos compulsivos dentre... leia mais

14 minutos

Liderar líderes voluntários: um aprendizado para a vida

“Admiro as pessoas que brilham como as estrelas, mas aprendi a admirar, o brilho maior, muitas vezes invisível, dos produtores de estrelas”. Luiz Carlos Campos Com muito prazer aceitei o convite de escrever este artigo sobre as minhas práticas e vivências na liderança voluntária. Não poderia começar sem mencionar o quanto aprendi com duas pessoas que marcaram a... leia mais

13 minutos

De “Fazedora” a Líder – Uma Jornada Generativa

Esta jornada que convido vocês a navegarem comigo começa no seminário “Foundations of Generative Leadership” (Fundamentos da Liderança Generativa), que assisti com Bob Dunham. Neste seminário, ele fez uma pergunta tão simples e poderosa como essa: “What do you care about?” (Com o que você se importa? O que lhe importa cuidar?). Abro aqui espaço para um contexto. Eu sempre fui... leia mais

13 minutos

Visão a partir de um exemplo no Design

Talvez a tarefa mais complexa de um designer seja deixar clara a visão de um projeto de design. Este desafio compreende saber aonde se quer chegar com o projeto. Por exemplo, em um projeto de identidade visual se concentra toda a essência de um produto, empresa ou instituição, e é de se esperar que a visão desses segmentos esteja clara, cabendo ao designer a missão de desenvolvê-la por... leia mais

12 minutos

Visão Organizacional –  Algo compartilhado?

E, em um dia solene, a ser celebrado por muitos e muitos anos, o fundador, de caneta em punho, assina a documentação de estabelecimento de seu negócio. Com a voz embargada, ergue a caneta e diz: “Seremos a maior empresa de “X” do Brasil!”. “Opsss... Para o filme! É isso mesmo, produção?” Brincadeiras à parte, como garantir que, o que foi profetizado naquele momento em... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium