revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #86 - Julho 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Um outro olhar - Ed. 86

Nosso coach João nos traz o seguinte caso:

Acabo de fechar um processo de coaching com um jovem executivo. Ele teve uma carreira muito bem sucedida na organização de grande porte onde trabalha. Aí entrou como estagiário e hoje é superintendente de marketing. Além de ser reconhecido por suas entregas de qualidade e rápidas, ele também é percebido como um trator que deixa “mortos e feridos” por onde passa. É relevante esclarecer que ele me contratou diretamente, sem qualquer patrocínio ou informação da empresa. Embora afirme que não quer ser trator, o cliente acredita que nasceu, cresceu e teve sucesso porque é assertivo. Também acredita que as pessoas não mudam. Confesso que estou confuso e um pouco intimidado com esse cliente. Por onde começar?

Oi João, muito interessante seu caso: de um lado o cliente quer mudar e do outro não acredita em mudança. Da mesma maneira, de um lado ele acredita que ao menos parte de seu sucesso se deve exatamente ao comportamento que quer mudar. Estou bastante inspirada com a abordagem de Marcia Raynolds1 e seu livro “Coach the person, not the problem” (Faça o coaching da pessoa, não do problema). Essa perspectiva é especialmente poderosa em seu caso porque tira você da armadilha de tentar convencer o cliente de que vale a pena mudar.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Um outro olhar - Ed. 90

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: Sempre gostei de pessoas, me interesso por elas e na minha carreira como executivo sucessivamente recebi o feedback que fiz diferença na vida de vida de liderados, pares e até mesmo líderes. Agora trabalho como coach, e ultimamente uma questão tem me intrigado: como demonstrar curiosidade durante o processo de coaching sem ser invasivo? Como saber o... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 89

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: Sou uma coach que usa ferramentas com muita cautela porque acho que a interação com o cliente é o aspecto mais importante do coaching. Porém, tenho feito entrevistas 360º em processos de coaching executivo. Com um de meus clientes atuais fiz 8 entrevistas e estou desconfortável: alguns dos comentários de um dos pares do meu cliente foram... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 88

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: Tive um grande e inesperado desgosto recentemente: um projeto no qual havia investido dedicação e horas de trabalho foi cancelado pelo suposto parceiro de maneira indelicada e abrupta. Na hora não me dei conta de quanto essa nefasta reunião havia me afetado e dez minutos depois conduzi uma sessão de coaching. A sessão de coaching não foi ruim,... leia mais

7 minutos

Um outro olhar - Ed. 87

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: Estou incomodada frente a um processo de coaching de carreira. O cliente me contratou porque se sente estagnado na empresa atual. Há seis anos não é promovido embora receba elogios quanto aos resultados que traz. Nesses anos já respondeu a 4 pessoas diferentes, mas não foi considerado para a posição de gerente quando seus chefes saíram.... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 85

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: Já conduzo processos de Coaching há 5 anos, especialmente em empresas de grande porte e sempre faço a reunião de 3 pontas (entre o coachee, seu gestor e eu) ou de 4 pontas, onde também está presente o RH. Recentemente fui procurada por uma empresa e o profissional de RH esclareceu que lá eles ainda não são maduros para realizar esses encontros... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium