revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #99 - Agosto 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Há (muita) vida após a Burnout

Eu vi o chão sumir debaixo dos meus pés.

Perdi a direção.

Perdi o ânimo.

Perdi a confiança em mim mesma e nas pessoas.

Foram cinco anos de dor, de exaustão, de promessas mágicas de cura, de destruição da minha autoestima, de traumas e de lutos.

Luto por quem eu achava que era, luto pelo ambiente que me adoeceu, luto pela cultura que glorifica o excesso de trabalho e nos ilude com promessas vazias.

Luto pelos dez anos de uma carreira meteórica, onde eu ascendi e me esgotei, como uma supernova que explode e morre pelo calor do próprio brilho descontrolado que emite.

Em cinco anos, eu sofri dois episódios da síndrome de burnout que me afastaram do trabalho por mais de dois anos inteiros.

Eu literalmente trabalhei até não poder mais. E quando não pude, temi que a vida nunca mais tivesse graça, que eu nunca mais fosse me sentir útil de novo.

Mas eu estava errada.

E neste artigo, eu quero te dizer que há muita vida após a burnout.

Workaholic aos 25, colapsada aos 30: minha história com a síndrome de Burnout

Eu era uma criança muito certinha.

Adorava estudar. Dava uma enorme importância para as notas da escola, e terminei os estudos orgulhosa de nunca ter pegado uma recuperação. Sempre aceitei solenemente autoridades e ordens, sempre obedecendo, sempre baixando a cabeça, sempre dizendo sim, senhor.

Aos 19 anos, entrei na empresa onde passaria quase 10 anos, iria de estagiária a sócia diretora, me tornaria responsável por uma operação inteira, e desabaria com toda a força do mundo.

Ali, aprendi que estar sempre ocupado era sinal de importância.

Aprendi a não reclamar de clientes ou colegas que me ofendessem ou me assediassem. Aprendi que quem tinha poder, tinha razão.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Empatia Eficaz: a chave para o coaching transformacional

(Practice – Accurate Empathy: the key to masterful coaching) A palestra aconteceu em um tom de conversa informal, com muita maestria pessoal e toques de emoção genuína por parte do Dr. D Ivan Young. Algumas ideias centrais merecem estar neste texto, não por serem novas, mas por trazerem profundidade no tema e desafios gigantes para os coaches que desejam fazer a diferença na... leia mais

14 minutos

O que significa ser “alfabetizado em futuros”?

Ser alfabetizado no futuro significa compreender que existem diferentes sistemas de antecipação. São diferentes maneiras de imaginarmos o futuro e diferentes razões para imaginar o futuro. A proposição básica é que o futuro só́ pode ser imaginário. Precisamos entender por que e como nossa imaginação criou imagens do futuro, baseando-se em suposições ou molduras. Portanto, para... leia mais

8 minutos

Pais imperfeitos, filhos resilientes: o poder da autocompaixão

Apesar de conhecido como fundador da psicologia positiva, meu professor de mestrado, Martin Seligman, construiu a carreira estudando depressão. E como um bom pesquisador, nos incentivava a refletir sobre perguntas para as quais ele ainda não havia encontrado respostas. Uma das mais recorrentes era: por que estamos deprimindo cada vez mais? Por mais que o mundo tenha muito espaço para mudanças... leia mais

15 minutos

Métodos de Grupos e suas diferenças para ativar a Inteligência Coletiva

‘A colaboração é o ato físico de fazer conexões novas e inéditas. Quando duas ou mais pessoas trabalham juntas por um objetivo compartilhado, o resultado do trabalho é diferente da soma das contribuições.” Benjamin Hardy Existem muitos métodos de trabalho em grupo que têm como objetivo estimular a troca de saberes, a colaboração e a inteligência coletiva a partir de... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium