revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #99 - Agosto 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

É possível mudar o ritmo do estresse?

Temos uma tendência (nada saudável) de normalizar as situações que ocorrem com frequência.

Há algum tempo o “será que vai chover?” foi substituído pelo “estou na correria”. A pressa foi normalizada e passou a ser assunto de elevador, daqueles que não surpreendem mais ninguém. Hoje em dia, a correria já é comumente substituída pelo “estou exausta(o)”. O cansaço também está sendo normalizado.

É compreensível, porque estamos realmente nos sentindo assim, correndo e esgotadas(os).

O estresse é, sim, normal. Nunca vai deixar de existir. A resposta do organismo ao estresse é necessária para a nossa sobrevivência. Mas os níveis de estresse, ansiedade e burnout aumentam a cada dia, como se isso fizesse parte daquele ‘novo normal’ que vamos viver após o fim da pandemia. O estresse crônico é cada vez mais comum.

Só que não é normal.

Eu também já normalizei o meu cansaço.

Há quase 15 anos, eu acreditava que a exaustão que eu sentia era normal. Afinal de contas, além de trabalhar o dia todo, eu fazia plantões noturnos e ainda era responsável por atender aos chamados do bip (direto do túnel do tempo...) e tentava cumprir os créditos do mestrado. Sentir cansaço era o mínimo esperado.

Eu também normalizei a falta de paciência, a dificuldade de me concentrar, a insônia, as dores de estômago, a enxaqueca e todos os outros sintomas que apareceram. Fingi acreditar que era tudo normal, fazia parte da carreira de médica que trabalhava com transplantes.

Até o dia em que deixou de ser normal. No dia em que eu não consegui levantar da cama para trabalhar. O dia do burnout.

Onde foi que eu errei?

Depois de passar pelo episódio agudo do burnout, durante o tratamento e ainda por muitos anos, a pergunta que eu não conseguia expulsar da cabeça era “o que eu fiz de errado pra isso acontecer?”.

Tá aí a armadilha da normalização. Afinal de contas, correria, cansaço, estresse, tudo isso é normal, faz parte da vida. Por que é que eu não consegui ser forte o suficiente para suportar?

Eu fazia tudo que acreditava que era certo: buscava sempre dar o meu melhor, levava o perfeccionismo à risca para manter a excelência e entregar aqueles 110% que garantem o sucesso. Ah, e o principal: eu fazia o que eu amava, e isso me motivava a me esforçar ainda mais.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Autocuidado: a peça que faltava na sua saúde

Quero começar nossa conversa te fazendo 5 perguntas: 1 - Você consome menos de 5 porções de frutas ou vegetais por dia? 2 - Você pratica menos de 150 minutos de exercício físico por semana? 3 - Você consome mais de 3 drinks de bebida alcóolica em um único dia ou mais de 7 drinks por semana? 4 - Você fuma? 5 - Você dorme menos de 7 horas por noite? Se você... leia mais

9 minutos

O Grupo: Poder ou Fraqueza?

2021. Verão. Jogos Olímpicos de Tóquio, um espetáculo do nosso mundo, com histórias de trabalho e de talento, de alegria e de desapontamento, com histórias sobre as ultrapassagens dos limites do ser humano. Na manhã do dia 25 de julho, na prova feminina olímpica do ciclismo de estrada, não se anunciavam surpresas. As favoritas faziam planos e sonhavam com a medalha olímpica de ouro,... leia mais

13 minutos

O Codesenvolvimento no contexto pandêmico e virtual

A pandemia, que está afetando todos os continentes ao mesmo tempo, nos obrigou a desenvolver capacidades notáveis de adaptação. Isto é verdade tanto para as empresas, que foram capazes de implementar rapidamente ferramentas de trabalho a distância, quanto para os funcionários envolvidos, que aprenderam a utilizá-las e as integraram em seu trabalho diário. Como coach, antes desta crise,... leia mais

9 minutos

O coaching uma oitava acima

“Quando uma ou mais pessoas estiverem presentes, em meu nome, EU estarei presente”. Esta frase é Crística e, portanto, arquetípica podendo resumir o poder e a magia que surgem nas sessões de coaching, nos momentos em que a conexão acontece e passamos a caminhar junto com o cliente, envoltos por uma clarividência trabalhada em conjunto, numa oitava acima. Esse nível de aprofundamento,... leia mais

13 minutos

Autenticidade não é Sincericídio

Em uma das maiores pesquisas feitas sobre satisfação e engajamento no ambiente de trabalho, o Instituto Gallup entrevistou, entre 2014 e 2016, 2,7 milhões de profissionais de 276 organizações em 155 países. Eles descobriram que somente 15% dos entrevistados se sentiam altamente engajados com o trabalho que faziam, ou seja, psicologicamente envolvidos em suas atividades e motivados a serem... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium