revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #99 - Agosto 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

É possível mudar o ritmo do estresse?

Temos uma tendência (nada saudável) de normalizar as situações que ocorrem com frequência.

Há algum tempo o “será que vai chover?” foi substituído pelo “estou na correria”. A pressa foi normalizada e passou a ser assunto de elevador, daqueles que não surpreendem mais ninguém. Hoje em dia, a correria já é comumente substituída pelo “estou exausta(o)”. O cansaço também está sendo normalizado.

É compreensível, porque estamos realmente nos sentindo assim, correndo e esgotadas(os).

O estresse é, sim, normal. Nunca vai deixar de existir. A resposta do organismo ao estresse é necessária para a nossa sobrevivência. Mas os níveis de estresse, ansiedade e burnout aumentam a cada dia, como se isso fizesse parte daquele ‘novo normal’ que vamos viver após o fim da pandemia. O estresse crônico é cada vez mais comum.

Só que não é normal.

Eu também já normalizei o meu cansaço.

Há quase 15 anos, eu acreditava que a exaustão que eu sentia era normal. Afinal de contas, além de trabalhar o dia todo, eu fazia plantões noturnos e ainda era responsável por atender aos chamados do bip (direto do túnel do tempo...) e tentava cumprir os créditos do mestrado. Sentir cansaço era o mínimo esperado.

Eu também normalizei a falta de paciência, a dificuldade de me concentrar, a insônia, as dores de estômago, a enxaqueca e todos os outros sintomas que apareceram. Fingi acreditar que era tudo normal, fazia parte da carreira de médica que trabalhava com transplantes.

Até o dia em que deixou de ser normal. No dia em que eu não consegui levantar da cama para trabalhar. O dia do burnout.

Onde foi que eu errei?

Depois de passar pelo episódio agudo do burnout, durante o tratamento e ainda por muitos anos, a pergunta que eu não conseguia expulsar da cabeça era “o que eu fiz de errado pra isso acontecer?”.

Tá aí a armadilha da normalização. Afinal de contas, correria, cansaço, estresse, tudo isso é normal, faz parte da vida. Por que é que eu não consegui ser forte o suficiente para suportar?

Eu fazia tudo que acreditava que era certo: buscava sempre dar o meu melhor, levava o perfeccionismo à risca para manter a excelência e entregar aqueles 110% que garantem o sucesso. Ah, e o principal: eu fazia o que eu amava, e isso me motivava a me esforçar ainda mais.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Uma equação como ponte sobre os abismos

Existe uma melhor maneira de viver, de liderar e de criar uma cultura organizacional que verdadeiramente cria valor? Sim, existe. Este artigo vai mostrar o caminho e é um convite para você refletir. Hoje, vivemos num caos constante – externo e interno. Na realidade, caímos num abismo sem ver uma saída. Especialmente, as novas gerações não estão vendo como conseguir construir... leia mais

12 minutos

O Medo na Vida Humana

O maior medo que a maioria das pessoas sofre é o da morte. O medo de perder a existência, de desaparecer da face da terra. Logo, a nossa maior busca inconsciente, é a busca de viver para sempre.  Procuramos uma forma de prolongar a nossa existência. Inclusive nosso corpo tem mecanismos embutidos de autopreservação cada vez que algo não está funcionando de forma normal e equilibrada.... leia mais

16 minutos

Team Coaching: as oportunidades de ampliação do papel do Coach

O mercado de coaching individual está maduro e exigente. Não foi a tecnologia que mudou as empresas – trouxe necessidades de transformações, com certeza; mas foram as pessoas que mudaram as empresas – um processo crescente, contínuo e infinito... Se olharmos para a metáfora da física que nos trouxe o conceito de Homeostase (capacidade de autossustentação do sistema) veremos que com... leia mais

10 minutos

Jogo da Vida

O alarme do celular é o primeiro som que escuto, bem cedo. Algumas “sonecas”, e logo estou curioso para descobrir todas as incríveis novidades que podem ter acontecido enquanto o mundo todo dormia: passo o olho no Face, no Whats e no email. Eventualmente me deparo com um email do chefe, com a mais recente crise no trabalho, e a primeira pontada de dor de cabeça, ainda tímida, se anuncia.... leia mais

13 minutos

Sobre culturas, idealizações e expectativas

Este artigo foi escrito a quatro mãos, por duas pessoas com um sonho em comum: viver e trabalhar na Alemanha. Claro que a palavra sonho já implica em um bocado de fantasia, e a realidade adora puxar seu tapete, de formas variadas. Somos amigos desde 2004 e sempre trocamos nossas impressões sobre as diferenças culturais sentidas entre Brasil e Alemanha, como lidamos com elas, o que achamos... leia mais

16 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium