revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #99 - Agosto 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

As seis dimensões da Síndrome de Burnout: compreender e prevenir

A Síndrome de Burnout pode ser prevenida! Quantas pessoas gostariam de ter evitado chegar ao esgotamento, ao sentimento de não se reconhecer mais e perder a confiança em si mesmas, em suas capacidades de concentração, de memória e de regulação emocional... Após ter vivido a síndrome e acompanhado dezenas de pessoas no processo de recuperação, considero essa experiência como um choque, uma transição de vida que jamais será esquecida, felizmente. Sim, você leu corretamente: felizmente! Mesmo que, nos primeiros meses ou até anos, a tendência seja desejar que tudo não passe de um pesadelo do qual acordaremos aliviados. Ao sentir na pele os limites do próprio corpo e viver os lutos envolvidos no processo, as lições aprendidas se tornam grandes aliadas, com o tempo. Pois sim, o resultado dessa experiência costuma ser mais autoconhecimento e critérios mais claros sobre o que se pode aceitar no ambiente do trabalho. O contexto ocupa um papel central neste processo, que não está ligado a uma fragilidade do indivíduo, mas a um processo dinâmico e construído mutuamente entre indivíduo, sociedade e o ambiente laboral. Permita-me uma pausa neste ponto: se for levar apenas uma mensagem deste artigo, que seja esta: os sintomas do esgotamento começam por razões fisiológicas ligadas ao mecanismo do estresse crônico! Não é fraqueza, nem escolha e muito menos preguiça de trabalhar. Ajude-me a conscientizar as pessoas para que este assunto deixe de ser um tabu e informe-se sobre seu próprio corpo e sobre o mecanismo do estresse, combinado? Agora podemos continuar...

Existem muitas definições da Síndrome de Burnout, mas, em 2021, um grupo científico de 50 especialistas de 29 países chegou a um consenso que define a síndrome como um estado de esgotamento físico e emocional ligado à exposição prolongada a problemas profissionais¹. Em nossa sociedade liberal, o trabalho ocupa um lugar central na rotina e na identidade de cada um, afinal é nesse espaço que passamos a maior parte do nosso tempo. Você conhece muitas pessoas que podem afirmar não ter nenhum problema no trabalho? Eu não...

Além disso, hoje sabemos que pessoas extremamente engajadas, perfeccionistas e que se destacam no trabalho representam a população de maior risco para desenvolver a síndrome. Mas isso não quer dizer que engajamento precisa levar a exaustão! Razão pela qual as seis dimensões propostas pela psicóloga Christina Maslach, a criadora da escala mais utilizada no mundo para medir os fatores de risco para síndrome de burnout², podem ser uma bússola preciosa para cada um de nós repensarmos nossa relação com o trabalho e reagirmos a tempo. Sobre isso, vale relembrar que Christina Maslach baseou sua famosa Maslach Burnout Inventory (MBI) nestas dimensões: carga de trabalho, controle, recompensa, comunidade, justiça e valores, que detalharei adiante³. Porque sim, é possível prevenir a síndrome de burnout se houver uma colaboração saudável entre o indivíduo e seu meio de trabalho para remediar os gatilhos vindos do contexto, como explicitado nessas seis dimensões. Acredito que o primeiro passo para prevenir o esgotamento é por meio da informação. Então vamos lá:

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Receita para mudar a Cultura Organizacional

Ingredientes: Triângulo Dialognóstico Exco Própolis Modo de preparo É simples (mas não é fácil). Não é “solução de camelô” pois, na verdade, requer muita prática e habilidade. Comece com o Triângulo Dialognóstico, assim chamado porque consiste em facilitar um diálogo com os líderes da organização para construir um diagnóstico compartilhado. O... leia mais

13 minutos

Jornadas do medo através da alma

O céu parece cair, o chão some, a luz se perde, o tempo foge, memórias congelam e o ar escapa... encolhimento, retração, terror, paralisia... O que mais? Há quem diga que o pior medo é o medo de sentir medo. Temos medo ou ele nos tem? Além dos vestígios pessoais, o medo é uma herança ancestral e cultural e por isso confrontá-lo e lidar com ele parece inevitável a qualquer ser humano... leia mais

14 minutos

Aprendizagem Singular: criando valor de forma ágil e consistente

Para gerar valor na Complexidade, precisamos de uma nova forma de aprender. Para suportar as intensas mudanças nos próximos 20 anos, organizações, culturas, líderes, educadores e aprendizes compreendem que é necessário criar estratégias de capacitação que não esteja limitadas ao modo de ensinar, mas no fomento da aprendizagem singular, que modifica o desempenho, amplifica inovações... leia mais

12 minutos

Saúde na sua plenitude

O que é ter uma vida com saúde plena? Será apenas a ausência de sintomas e doenças? Talvez quando tivermos alcançado a tríade físico – mente – espírito de maneira equilibrada poderemos dizer que estamos vivendo a vida, não apenas sobrevivendo. A saúde na sua plenitude pode ser uma utopia. Essa busca é constante e não existe um fim na nossa jornada neste plano. O equilíbrio... leia mais

13 minutos

As diferenças culturais: entre belo sonho e pesadelo

França, Alemanha, Itália, Bulgária, Argentina, Holanda, Roménia, Brasil.  Foram as palavras que encerraram a reunião de criação da capa desta edição da revista. São os países de onde os autores do dossiê estavam a falar. A nossa reunião acaba e fico num estado de graça. O nosso grupo é o símbolo, a ilustração perfeita das diferenças culturais. Um exemplo de como... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium