revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #96 - Maio 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Bem-dizer a autenticidade

Ninguém duvida que o mundo seria um lugar melhor se as pessoas se comunicassem com respeito, empatia e cuidado consigo mesmas e com os outros. A Comunicação Autêntica surge como uma prática recente, que procura dar conta desse ideal, ou propósito. Suas práticas são tão diversas quanto seu corpo conceitual, que tem inspirações desde a Psicologia Humanista, de Carl Rogers, até a Comunicação Não Violenta (CNV) de Marshall Rosenberg - apenas para citar as principais.

Sendo assim, a intenção aqui é expandir as conversas sobre a Comunicação Autêntica, trazendo algumas perguntas e provocações, que permitam uma apreciação crítica do que fazemos sob este nome. Diante da impossibilidade de falar em nome de uma prática unificada, nos limitamos a recolher alguns efeitos e consequências, deduzindo premissas que emergem de sua práxis.

Eu, tu, eles.

Parece que a primeira suposição, que a Comunicação Autêntica coloca em cena, é que as relações melhoram a partir do momento em que reconheço a necessidade do outro, ao mesmo tempo em que procuro exprimir minhas próprias de forma cuidadosa e verdadeira. Algumas questões podem ser levantadas, como: De que modo isso acontece? Em que situações é possível e desejável ser autêntico? Em que circunstâncias os possíveis danos serão maiores que os benefícios?

Outro fio condutor é o papel regenerativo do intercâmbio e reconhecimento das necessidades, supostas às falas dos interlocutores. Tal intercâmbio seria mediado pela reprodução de um processo, mais ou menos estruturado, e a aplicação de ferramentas. É como se fosse um livre mercado, regulado pela mão invisível da técnica, que garantiria condições seguras e justas de troca.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O Codesenvolvimento – uma ferramenta de transformação cultural

A experiência nos mostra que o maior desafio de um projeto de transformação cultural está na capacidade dos responsáveis pelo programa em proporcionar condições para que a transformação seja profunda e perene. Watzlawick, em sua obra «Changements, Paradoxes et Psychothérapie, Watzlawick, et al., 1975» nos ensina que existem dois tipos de transformação nos sistemas humanos : a... leia mais

13 minutos

Fazendo arte!?

“A noite parece adentrar-se profundamente, Somente no interior resplandece clara luz.” J. W. Goethe A leitura deste artigo já pode ser uma jornada sobre o tema, uma experiência, uma vivência de experimentação e exploração do mundo das forças da vida, da criação. Assim, para iniciar, convido para uma experiência de centramento. Sente-se de forma... leia mais

14 minutos

Mindfulness & Inteligência Emocional

“O termo Saúde Mental está relacionado à forma como uma pessoa reage às exigências, desafios e mudanças da vida e ao modo como harmoniza suas ideias e emoções” (www.einstein.br/saudemental). Mindfulness & Saúde Mental Após duas décadas de trabalho com a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) junto a pessoas que sofriam de ansiedade, depressão, comportamentos compulsivos dentre... leia mais

14 minutos

Liderar líderes voluntários: um aprendizado para a vida

“Admiro as pessoas que brilham como as estrelas, mas aprendi a admirar, o brilho maior, muitas vezes invisível, dos produtores de estrelas”. Luiz Carlos Campos Com muito prazer aceitei o convite de escrever este artigo sobre as minhas práticas e vivências na liderança voluntária. Não poderia começar sem mencionar o quanto aprendi com duas pessoas que marcaram a... leia mais

13 minutos

De “Fazedora” a Líder – Uma Jornada Generativa

Esta jornada que convido vocês a navegarem comigo começa no seminário “Foundations of Generative Leadership” (Fundamentos da Liderança Generativa), que assisti com Bob Dunham. Neste seminário, ele fez uma pergunta tão simples e poderosa como essa: “What do you care about?” (Com o que você se importa? O que lhe importa cuidar?). Abro aqui espaço para um contexto. Eu sempre fui... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium