revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #94 - Março 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Liderar líderes voluntários: um aprendizado para a vida

“Admiro as pessoas que brilham como as estrelas, mas aprendi a admirar, o brilho maior, muitas vezes invisível, dos produtores de estrelas”.

Luiz Carlos Campos


Com muito prazer aceitei o convite de escrever este artigo sobre as minhas práticas e vivências na liderança voluntária.

Não poderia começar sem mencionar o quanto aprendi com duas pessoas que marcaram a minha vida profissional e de voluntariado. A primeira foi o meu alicerce, minha querida mãe Maria, que o nome traz o pleno significado de duas palavras: humildade e coragem.

Minha mãe foi uma guerreira na vida e tinha uma pergunta que a impulsionava: “Por que não? “. Assim se revestia de coragem nos desafios que se apresentavam. Não foi uma nem duas vezes que ouvia esta pergunta da minha mãe, cada vez que solicitava um conselho diante de um convite que recebia na minha carreira ou nas ações de voluntariado.

Tem um fato interessante. Quando eu recebi a minha promoção para ser executiva principal de uma empresa que trabalhei, sendo a primeira líder mulher em âmbito nacional, recorri a minha mãe, para ouvir o seu conselho e ela prontamente me disse: “Por que não? Segue em frente.” Com o decorrer das minhas atividades e com a responsabilidade inerente ao cargo, minha mãe com o seu cuidado materno falando mais alto (creio que ela hesitou no conselho que me deu) disse: “Minha filha, você trabalha muito, isto é trabalho para homem.”

E, por incrível que pareça, a vida me reservou vários cargos de liderança onde ocuparia pela primeira vez uma mulher. Sou de uma geração feminina que sofreu o preconceito ao assumir um cargo que há anos e décadas eram ocupados pelo sexo masculino. E minha mãe entendendo esses meus desafios, foi se tranquilizando e vibrando com cada conquista.

E agradeço a força de meu marido e filhos que me deixaram ser, sem qualquer objeção ao meu trabalho.

A segunda pessoa foi o saudoso amigo Luiz Carlos Campos, ex-Presidente da ABRH - Associação de Recursos Humanos – Seccional Rio de Janeiro e depois Presidente da ABRH Brasil. Luiz Carlos era um mestre na liderança voluntária. A primeira lição era o que ele pregava com m uita simplicidade: “Gosto de gente que gosta de gente, gosto principalmente daquela gente que gosta de gostar de gente”. E também, “Admiro as pessoas que brilham como as estrelas, mas aprendi a admirar, o brilho maior, muitas vezes invisível dos produtores de estrelas”. Para o Luiz Carlos, essas eram prerrogativas básicas para se trabalhar com recursos humanos e em qualquer atividade voluntária.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Mindfulness & Inteligência Emocional

“O termo Saúde Mental está relacionado à forma como uma pessoa reage às exigências, desafios e mudanças da vida e ao modo como harmoniza suas ideias e emoções” (www.einstein.br/saudemental). Mindfulness & Saúde Mental Após duas décadas de trabalho com a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) junto a pessoas que sofriam de ansiedade, depressão, comportamentos compulsivos dentre... leia mais

14 minutos

De “Fazedora” a Líder – Uma Jornada Generativa

Esta jornada que convido vocês a navegarem comigo começa no seminário “Foundations of Generative Leadership” (Fundamentos da Liderança Generativa), que assisti com Bob Dunham. Neste seminário, ele fez uma pergunta tão simples e poderosa como essa: “What do you care about?” (Com o que você se importa? O que lhe importa cuidar?). Abro aqui espaço para um contexto. Eu sempre fui... leia mais

13 minutos

Transformação Digital, complexidade, pessoas e futuro

Falar de transformação digital é falar de gente, nunca de tecnologias, é falar sobre como as tecnologias exponenciais combinadas entre si podem mudar a feição da própria sociedade e sobre os benefícios que elas trazem às pessoas. Tecnologias nunca foram uma finalidade em si, elas se esgotam, são meios pelos quais buscamos a melhoria da qualidade da vida humana, porém ao longo do... leia mais

18 minutos

Visão a partir de um exemplo no Design

Talvez a tarefa mais complexa de um designer seja deixar clara a visão de um projeto de design. Este desafio compreende saber aonde se quer chegar com o projeto. Por exemplo, em um projeto de identidade visual se concentra toda a essência de um produto, empresa ou instituição, e é de se esperar que a visão desses segmentos esteja clara, cabendo ao designer a missão de desenvolvê-la por... leia mais

12 minutos

Visão Organizacional –  Algo compartilhado?

E, em um dia solene, a ser celebrado por muitos e muitos anos, o fundador, de caneta em punho, assina a documentação de estabelecimento de seu negócio. Com a voz embargada, ergue a caneta e diz: “Seremos a maior empresa de “X” do Brasil!”. “Opsss... Para o filme! É isso mesmo, produção?” Brincadeiras à parte, como garantir que, o que foi profetizado naquele momento em... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium