revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #91 - Dezembro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O xadrez e a vida: uma visão além do jogo

“O xadrez é a vida em miniatura”

Garry Kasparov.


Qual o grau de relevância das visões estratégica e sistêmica para o desenvolvimento de pessoas e organizações? E como um jogo milenar pode se relacionar com elas?

O xadrez, reconhecido como um dos principais jogos de estratégia, é uma batalha mental na qual dois jogadores se enfrentam visando um objetivo: o xeque-mate. O fim da partida ocorre quando um dos reis é atacado de modo que ele não tenha nenhuma forma de se defender. A quantidade de possibilidades para se alcançar o xeque-mate não pode ser calculada nem mesmo pelos melhores computadores da atualidade. No entanto, aprender as regras para jogar as primeiras partidas é algo relativamente fácil.

A partir desse aprendizado básico, o jogador, chamado de enxadrista, pode optar por um processo de melhoria contínua em relação à assimilação das estratégias e táticas mais promissoras. Assim como ocorre em outras áreas, a dedicação é o principal fio condutor em direção à maestria.

Ao contrário do que muitos imaginam, não há uma estratégia vencedora e absolutamente eficaz para se chegar ao xeque-mate. Para que esse objetivo seja alcançado, é fundamental se avaliar os planos do adversário e estipular metas intermediárias em busca de melhorar o posicionamento das próprias peças, controlar certas áreas do campo de batalha, neutralizar forças do oponente ou proteger o próprio rei.

A sinergia entre as peças é um dos elementos a serem avaliados pelo jogador, para que elas somem forças para atacar um mesmo ponto ou defendam-se umas às outras. Em equipes, é a harmonia entre as pessoas para agirem em consonância para o alcance de um objetivo. Assim, os elementos estratégicos do xadrez se refletem em diversas situações da vida e podem ser aplicados no campo pessoal ou até mesmo empresarial (SHITSUKA et al., 2004; NASCIMENTO, MENEZES, 2011).

Essa amplitude de similaridades inspirou inúmeros estudos sobre o tema. Um dos maiores expoentes a escreverem sobre o jogo de xadrez de maneira mais ampla foi Benjamin Franklin. Visionário, ele foi um diplomata, cientista e filósofo norte-americano. Foi ele quem soltou pipa sob a tempestade, a fim de fazer pesquisas sobre a eletricidade, o que deu origem ao para-raios. Franklin aprendeu xadrez já adulto, se encantou com o jogo e escreveu o ensaio “A moral do xadrez” no século XVIII. No estudo, ele abordou que por meio deste jogo era possível desenvolver principalmente quatro competências: previsão, circunspecção, precaução e perseverança.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Cultivando o Equilíbrio Emocional nas Organizações

“A realidade está onde você coloca sua atenção” William James Neste momento da humanidade, começamos a entender que é necessário ir para além das preocupações com a saúde mental, entendo que há um processo que pode nos ajudar a prevenir o desenvolvimento dos transtornos mentais: aprender a cuidar das nossas emoções. Mas qual é o momento para aprendermos a cuidar de nossas... leia mais

13 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder Betinho, plantando sonhos colheu sonhadores

O voluntariado surgiu no Brasil no século XVI, através de organizações religiosas.  Na sua maioria católicas e ligadas à saúde – as chamadas Santas Casas – influência da Coroa. Temos notícia que a primeira Santa Casa de Misericórdia foi implantada em 1543. Era um trabalho essencialmente das mulheres. As primeiras políticas públicas datam da década de 30, que passou a regular... leia mais

16 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder autêntico

Após os 35 anos de idade, já tendo tido anos de experiência em sua vida profissional com grande sucesso em diversos cargos gerenciais e diretivos, seguindo os padrões e modelos de liderança e a visão que aprendeu de outros, você começa a perceber que as regras que você tem seguido até hoje são formatos que não preenchem 100% da voz que você quer representar. Você reconhece em você... leia mais

14 minutos

O Futuro é (des)ordem

Uma porta como esta se abriu apenas cinco ou seis vezes desde que nos tornamos “homo erectus”. É o melhor tempo possível para estar vivo, quando quase tudo o que você pensou que sabia está errado.” Tom Stoppard – na peça Arcadia, 1993. O dicionário Houaiss define Futuro como “tempo que se segue ao presente” ou o “conjunto de fatos, acontecimentos... leia mais

14 minutos

Imunidade à Mudança e Carreira

A imunidade à mudança e a velocidade na carreira.  Velocidade! É a palavra que eu mais ouço dos coachees quando uso a ferramenta ITC – Immunity to Change, elaborada por Robert Kegan e Lisa Lahey. Velocidade para chegar ao lugar que realmente trava o movimento necessário para que a mudança desejada aconteça. Tive meu primeiro contato com a ferramenta em 2014 num evento organizado... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium