revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #90 - Novembro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Imunidade ao Sucesso

Ao me sentar para escrever este artigo, quase não consegui.  Uma tensão e senso de urgência vem permeando minhas últimas semanas de maneira intensa, e mesmo me dando conta da origem racional e emocional, ainda sou pega de surpresa pela dor nas costas e cabeça no final do dia.

Adaptar-se a este “novo normal” vem sendo desafiador em muitas camadas, de formas conscientes e não conscientes.  Para algumas situações venho conseguindo me adaptar tecnicamente, desenvolvendo habilidades para usar a mecânica das plataformas para reuniões e atendimentos, apps de agendamentos online, pedir entrega dos restaurantes que antes não possuíam.  Para outras tantas, é impossível simplesmente “traduzir” a existência presencial para o virtual, e uma mudança adaptativa se faz necessária para viver esta nova realidade. 

Kegan e Lahey trazem o conceito de mudança adaptativa como sendo a transformação em um nível profundo de crenças e valores, para então criar condições de desenvolver e/ou usar as habilidades técnicas que irão gerar novos comportamentos e resultados.  E é aqui que entra a imunidade à mudança.  (A pirâmide dos níveis lógicos de Robert Dilts e Todd Epstein trazem uma boa ilustração das camadas onde cada mudança ocorre). 

Este ano em particular, apesar da pandemia, vem sendo um período de crescimento profissional intenso para mim, onde venho colhendo bons resultados, recebendo reconhecimento de clientes e colegas, e expandindo minha rede global.

Além de trabalhar com o desenvolvimento humano, sinto orgulho em estar sempre buscando também me desenvolver através de muitas formações, experimentações, e trocas com outras pessoas.   Portanto, como eu, tão “trabalhada” e com tanto a agradecer, posso estar “emburacando” desta forma, e à essa altura do campeonato (lembrando que já temos 7 meses de pandemia até aqui)?

            Com este conflito em mente e coração, questionei minha habilidade em contribuir com este grupo que tanto admiro, nesta revista conceituada e referência no nosso mercado.  Foi assim então, divagando na minha própria vulnerabilidade, que me ocorreu que talvez a melhor forma de colaborar com todos vocês neste momento, seja colocar luz na minha própria sombra, através da lente da Imunidade à Mudança, que tanto vem contribuindo com meu crescimento nestes últimos cinco anos.  O mergulho que trago a seguir vai de encontro ao eco que venho recebendo em muitos grupos de coaches, onde apesar de cada um trabalhar sua imunidade, há um fio condutor de dificuldade em lidar com o sucesso profissional.  Como diz Marianne Williamson, em “A Return to Love” (1992): “Nosso maior medo não é sermos inadequados. Nosso maior medo é não saber que nós somos poderosos, além do que podemos imaginar.  É a nossa luz, não nossa escuridão, que mais nos assusta. Nós nos perguntamos: ‘Quem sou eu para ser brilhante, lindo, talentoso, fabuloso?’.  Na verdade, quem é você para não ser?” 

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Transformação Digital, complexidade, pessoas e futuro

Falar de transformação digital é falar de gente, nunca de tecnologias, é falar sobre como as tecnologias exponenciais combinadas entre si podem mudar a feição da própria sociedade e sobre os benefícios que elas trazem às pessoas. Tecnologias nunca foram uma finalidade em si, elas se esgotam, são meios pelos quais buscamos a melhoria da qualidade da vida humana, porém ao longo do... leia mais

18 minutos

Visão a partir de um exemplo no Design

Talvez a tarefa mais complexa de um designer seja deixar clara a visão de um projeto de design. Este desafio compreende saber aonde se quer chegar com o projeto. Por exemplo, em um projeto de identidade visual se concentra toda a essência de um produto, empresa ou instituição, e é de se esperar que a visão desses segmentos esteja clara, cabendo ao designer a missão de desenvolvê-la por... leia mais

12 minutos

Visão Organizacional –  Algo compartilhado?

E, em um dia solene, a ser celebrado por muitos e muitos anos, o fundador, de caneta em punho, assina a documentação de estabelecimento de seu negócio. Com a voz embargada, ergue a caneta e diz: “Seremos a maior empresa de “X” do Brasil!”. “Opsss... Para o filme! É isso mesmo, produção?” Brincadeiras à parte, como garantir que, o que foi profetizado naquele momento em... leia mais

11 minutos

Qualidades Espirituais

Quando uma pessoa diz que é um atleta, está apenas identificando sua prática esportiva ou sua profissão, mas não necessariamente podemos concluir que se trate de um excelente atleta. Para tanto, ela deve possuir e praticar certas qualificações físicas, emocionais, culturais e, sobretudo, de performance: que resultados tem obtido como atleta? ... leia mais

14 minutos

Novos olhos, Novas paisagens: Três Casos de Coaching de Carreira Baseados em Pontos Fortes

“A verdadeira viagem de descobrimento não consiste em procurar novas paisagens, e sim em ter novos olhos.” Marcel Proust Outro dia escutei uma colega coach dizendo: “adoro trabalhar com coaching voltado ao profissional, só me recuso a fazer coaching de carreira”, justificando com o quão cansativo e pouco impactante era.  Essa percepção dela me deixou pensando... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium