revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #88 - Setembro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Editorial - Ed. 88

Caros leitores,

Quando analisamos a base de conhecimento que desenvolvemos sobre o nosso funcionamento, é muito interessante notar que estamos apenas beliscando a casca do ovo desta sabedoria.

Teóricos e pesquisadores estão produzindo novos modelos que nos auxiliam a compreender melhor como funcionamos e de que forma podemos diminuir nossas limitações para realçar os potenciais.

No fundo queremos melhores resultados, e na prática, isto se traduz em uma vida mais equilibrada, mais tranquila, mais focada, com consciência de propósito e realização.

Conhecer nossos pontos fortes e fracos faz parte de inúmeras metodologias há décadas. Fato é, que por um bom tempo, a crença de que precisávamos concentrar esforços nos pontos fracos para praticamente eliminá-los criou no mundo organizacional, muitas pessoas, especialmente nos níveis de liderança, que acabaram ficando fracas ou medianas em tudo. É como se quisessem ensinar macacos a se tornar exímios nadadores ou peixes a subir em árvores.

Os modelos foram mudando e chegamos a um novo modelo: levar nossos pontos fortes à excelência e remediar alguns dos pontos fracos e delegar completamente outros, aqueles onde somos realmente ruins.

Parece que o ser humano tem uma predileção pelo ruim, pelo negativo, pelo que dá errado. Assim foi também nos estudos sobre o ser humano. As pesquisas se concentravam no que estava errado com as pessoas.

Neste momento, entra em cena o Dr. Donald O. Clifton, um psicólogo estadunidense, que verificou que toda a literatura de psicologia disponível na biblioteca da UNL - Universidade de Nebraska em Lincoln- versava sobre o que estava errado com as pessoas. Não conseguiu encontrar um livro ou estudo sequer sobre o que existia de positivo nas pessoas. “Percebi então que, com muita frequência, as pessoas estavam sendo caracterizadas por seus problemas e fraquezas, e não por seus talentos”.

Estava nascendo a Psicologia dos Pontos Fortes, da qual o Dr. Clifton é considerado o pai, e avô da Psicologia Positiva.

Sua pergunta básica foi:

"O que poderia acontecer se estudássemos o que está certo com as pessoas?"

Este dossiê trará muita luz para esta abordagem, muito em linha com o que acreditamos e já temos publicado ao longo dos últimos anos, como Psicologia Positiva, Investigação Apreciativa e Organizações Positivas.

Espero que você aproveite muito esta edição.

Tenha uma excelente leitura.

Luciano Lannes Editor

Artigo publicado em 01/09/2020
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Editorial - Ed. 100

Caros leitores, tenho tanto a compartilhar, falar, comentar, e ao mesmo tempo, um cansaço me invade a alma. Vivemos em uma sociedade que cultua a felicidade fácil, eterna, incondicional, que até originou o termo felicidade tóxica. Vivemos os tempos do empreendedorismo rumo ao sucesso, onde em vídeos e textos, experiências fantásticas são compartilhadas, do zero aos múltiplos... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 99

Caros leitores, falar sobre Burnout é muito importante, ainda mais em tempos de confinamento, isolamento social e uma sobrecarga de trabalho cada vez mais relatada e comentada. Quando defino um tema para o dossiê, o primeiro passo é eleger quem fará a coordenação, função mais que fundamental, pois esta figura, além de notório saber sobre o assunto, necessariamente precisa possuir... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 98

Caros leitores, foi no dia 26 de fevereiro de 2021 que Christine Bona De Napoli, em uma conversa que tivemos no WhatsApp, me propõe um dossiê sobre Codesenvolvimento. Começamos a papear,  e ela, apaixonadamente, começa a falar sobre a metodologia, origem, fundadores e as possibilidades que esta abordagem pode trazer para o mundo do Coaching e de quem trabalha com Desenvolvimento Humano... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 97

Caros leitores, esta é uma edição especial e comemorativa. Ela marca os oito anos desta caminhada, iniciada em uma viagem que fiz a Canela, no Rio Grande do Sul, para participar de uma formação em Storytelling, que também já foi tema de um dossiê. Naquela ocasião, já com minha consultoria há 5 anos, pensava em minha vida e carreira, e sentia que havia um espaço a ser... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 96

Caros leitores, em seu artigo, Carolina Messias e Michelle Prazeres citam o sociólogo francês Philippe Zarifian, que conceitua o termo “comunicação autêntica” como: “um processo pelo qual se instaura uma compreensão recíproca e se forma um sentido compartilhado, resultando em um entendimento sobre as ações que os sujeitos envolvidos são levados a assumir juntos ou de maneira... leia mais

3 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium