revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #88 - Setembro 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Editorial - Ed. 88

Caros leitores,

Quando analisamos a base de conhecimento que desenvolvemos sobre o nosso funcionamento, é muito interessante notar que estamos apenas beliscando a casca do ovo desta sabedoria.

Teóricos e pesquisadores estão produzindo novos modelos que nos auxiliam a compreender melhor como funcionamos e de que forma podemos diminuir nossas limitações para realçar os potenciais.

No fundo queremos melhores resultados, e na prática, isto se traduz em uma vida mais equilibrada, mais tranquila, mais focada, com consciência de propósito e realização.

Conhecer nossos pontos fortes e fracos faz parte de inúmeras metodologias há décadas. Fato é, que por um bom tempo, a crença de que precisávamos concentrar esforços nos pontos fracos para praticamente eliminá-los criou no mundo organizacional, muitas pessoas, especialmente nos níveis de liderança, que acabaram ficando fracas ou medianas em tudo. É como se quisessem ensinar macacos a se tornar exímios nadadores ou peixes a subir em árvores.

Os modelos foram mudando e chegamos a um novo modelo: levar nossos pontos fortes à excelência e remediar alguns dos pontos fracos e delegar completamente outros, aqueles onde somos realmente ruins.

Parece que o ser humano tem uma predileção pelo ruim, pelo negativo, pelo que dá errado. Assim foi também nos estudos sobre o ser humano. As pesquisas se concentravam no que estava errado com as pessoas.

Neste momento, entra em cena o Dr. Donald O. Clifton, um psicólogo estadunidense, que verificou que toda a literatura de psicologia disponível na biblioteca da UNL - Universidade de Nebraska em Lincoln- versava sobre o que estava errado com as pessoas. Não conseguiu encontrar um livro ou estudo sequer sobre o que existia de positivo nas pessoas. “Percebi então que, com muita frequência, as pessoas estavam sendo caracterizadas por seus problemas e fraquezas, e não por seus talentos”.

Estava nascendo a Psicologia dos Pontos Fortes, da qual o Dr. Clifton é considerado o pai, e avô da Psicologia Positiva.

Sua pergunta básica foi:

"O que poderia acontecer se estudássemos o que está certo com as pessoas?"

Este dossiê trará muita luz para esta abordagem, muito em linha com o que acreditamos e já temos publicado ao longo dos últimos anos, como Psicologia Positiva, Investigação Apreciativa e Organizações Positivas.

Espero que você aproveite muito esta edição.

Tenha uma excelente leitura.

Luciano Lannes Editor

Artigo publicado em 01/09/2020
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Editorial - Ed. 89

Que satisfação ver esta edição pronta, com um tema que me é tão caro, fruto de muita investigação e entrega pessoal. Gustavo Boog coordenou o dossiê e assina um dos artigos. A discussão sobre a relação entre espiritualidade e religião foi marcante nos artigos, inclusive mostrando como que, com o surgimento da ciência, descolada da religião, evoluímos muito na construção do... leia mais

3 minutos

Editorial - Ed. 86

Caros leitores, que tema mais pertinente para o momento que vivemos. Vulnerável!!! O que significa isto? Segundo a etimologia, vulnerável vem do Latim VULNERABILIS, “o que pode ser ferido ou atacado”, de VULNERARE, “ferir”, de VULNUS, “ferida, lesão”, possivelmente de VELLERE, “rasgar, romper”. Assim, estar vulnerável é estar em uma posição desconfortável pois nos... leia mais

3 minutos

Editorial - Ed. 85

Caros leitores, este ano de 2020, não começou de forma tranquila como todos os outros. Entenda aqui este “tranquila” como aquela “normalidade” que nos permite fazer planos “normais”, como emagrecer, fazer exercícios, aprender inglês, etc. Agitações intensas na política, mudanças de rumo na economia, a escalada de uma intolerância e agressividade sem precedentes na sociedade,... leia mais

3 minutos

Editorial - Ed. 84

Caros leitores, ahhhhh, a tal Felicidade. Tão cantada em versos e prosas e que cada vez mais ouvimos falar dela. Talvez as pessoas estejam buscando uma felicidade mais autêntica, legítima, e não apenas compensações momentâneas obtida em prazeres fugazes. Sim, muitos dos prazeres que temos na vida são reais e legítimos e precisamos atentar para não os transformar em elementos... leia mais

3 minutos

Editorial - Ed. 83

Caros leitores, este tema chega em um momento muito especial, não somente para nós, coaches, mas para a própria humanidade que vive um divisor de águas em sua história. Há muitos anos que pesquiso a questão dos “valores” como um ponto fundamental da estruturação de uma cultura. Com o aprofundamento da pesquisa sobre o autodesenvolvimento, os valores se mostraram ainda mais... leia mais

3 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium