revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #86 - Julho 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Vulnerabilidade como o Prelúdio de Prática Corajosa, Criativa e Compassiva

“Não há acesso imediato à bondade sem consciência”

Sharon Salzburg (1)

A palavra "vulnerabilidade" vem da palavra latina "ferir". Qualquer vida humana contém tanto suas alegrias quanto suas tristezas, porque somos humanos. Abraçar nossas próprias vulnerabilidades - e trabalhar com as de nossos clientes - é um convite para, gentilmente, criarmos laços e trabalharmos com pontos muitas vezes desconfortáveis, sensíveis e delicados de nós mesmos, que estão aqui porque fazem parte da nossa condição humana. Estas questões costumam ser íntimas e raramente vistas por trás de nossas máscaras e das armaduras que escondemos atrás de quem pensamos ser. Nossa maior contribuição enquanto coaches é como podemos trazer consciência e bondade no trabalho com nossas vulnerabilidades e com as de nossos clientes.

A vulnerabilidade não é uma fraqueza inconveniente, é nosso estado natural e nossa faculdade inata para entendermos a nós mesmos e enterdermos o nosso mundo. Se optarmos por nos fechar e nos afastar de nossas próprias vulnerabilidades, também nos impediremos de ter conversas essenciais, tanto com nós mesmos, tanto com nossos clientes. Nós – enquanto coaches em nosso trabalho - podemos tentar conter o desconforto, mas, ao fazê-lo, também corremos o risco de nos afastar da compaixão, conexão e sabedoria - o berço de nossa criatividade, resiliência e desenvoltura para com nossos clientes.

Ser vulnerável é frequentemente visto como contracultura, mas, em nosso trabalho, descobrimos que abraçar a vulnerabilidade com doses generosas de compaixão por si mesmo e pelos outros é “o prelúdio de uma prática corajosa, criativa e compassiva”. A vulnerabilidade é a porta de entrada para o aprendizado. A vulnerabilidade sem auto-compaixão nos deixa despreparados, expostos, assustados e presos. A autocompaixão sem vulnerabilidade nos deixa complacentes e cegos.

A intuição da vulnerabilidade sinaliza que algo necessita atenção, e está à margem do aprendizado e desenvolvimento do aqui e agora. Mas a vulnerabilidade exige deixar de lado o que pensávamos saber e adentrar o não saber. Isso requer uma mudança de paradigma consciente. Enquanto profissionais, entendemos que não precisamos nos apressar para estar 'certos', 'salvar' ou 'consertar as coisas', mas focar nossa atenção e intenção em estarmos corajosamente presentes, gentis e humanos quando nos deparamos com as vulnerabilidades de nossos clientes. Isso está lindamente ilustrado neste trecho do Karyn's Journal:

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Falemos sobre imunidade à mudanças

Foi no dia 15 de novembro de 2014 que o professor Robert Kegan conquistou a atenção de mais de 400 coaches reunidos na conferência global da ICF, no Rio de Janeiro. Entrou com seu notebook em mãos e, com voz tranquila e segura, conduziu uma palestra intercalada com atividades em dupla. Ao final, boa parte dos participantes havia identificado crenças, até então inconscientes, que... leia mais

14 minutos

A história do CliftonStrengths se originou com uma pergunta e pode continuar com outra

Os melhores coaches inspiram as pessoas com suas perguntas. E assim fez Dr. Donald O. Clifton que com um questionamento simples - mas poderoso - deu início ao movimento global de Pontos Fortes que hoje impacta tantas vidas. "O que poderia acontecer se estudássemos o que está certo com as pessoas?" Ele a formulou depois que percebeu que toda a literatura de psicologia disponível na... leia mais

12 minutos

ICF Portugal: um Caso de Boas Práticas

Escrevemos este artigo com o objetivo que partilharmos a nossa experiência de criar um modelo de gestão e comunicação de uma associação de coaching, a ICF Portugal, criado para concretizar uma visão estratégica clara, baseada em princípios da inteligência coletiva e da nossa convicção de que era possível inspirar e envolver a comunidade de membros, convidando-os a ter uma... leia mais

10 minutos

Psicologia, Espiritualidade e Coaching

Na década de 50 Abraham Harold Maslow, psicólogo norte americano afirmou: “Precisamos de uma psicologia positiva, que estude a dimensão saudável do indivíduo”. Acrescentava que era inerente ao ser humano vivenciar experiências culminantes e que essas eram positivas, transformadoras; traziam à tona estados de êxtase, alegria, cura, promoviam valores construtivos, contribuindo para... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium