revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #86 - Julho 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Vulnerabilidade como o Prelúdio de Prática Corajosa, Criativa e Compassiva

“Não há acesso imediato à bondade sem consciência”

Sharon Salzburg (1)

A palavra "vulnerabilidade" vem da palavra latina "ferir". Qualquer vida humana contém tanto suas alegrias quanto suas tristezas, porque somos humanos. Abraçar nossas próprias vulnerabilidades - e trabalhar com as de nossos clientes - é um convite para, gentilmente, criarmos laços e trabalharmos com pontos muitas vezes desconfortáveis, sensíveis e delicados de nós mesmos, que estão aqui porque fazem parte da nossa condição humana. Estas questões costumam ser íntimas e raramente vistas por trás de nossas máscaras e das armaduras que escondemos atrás de quem pensamos ser. Nossa maior contribuição enquanto coaches é como podemos trazer consciência e bondade no trabalho com nossas vulnerabilidades e com as de nossos clientes.

A vulnerabilidade não é uma fraqueza inconveniente, é nosso estado natural e nossa faculdade inata para entendermos a nós mesmos e enterdermos o nosso mundo. Se optarmos por nos fechar e nos afastar de nossas próprias vulnerabilidades, também nos impediremos de ter conversas essenciais, tanto com nós mesmos, tanto com nossos clientes. Nós – enquanto coaches em nosso trabalho - podemos tentar conter o desconforto, mas, ao fazê-lo, também corremos o risco de nos afastar da compaixão, conexão e sabedoria - o berço de nossa criatividade, resiliência e desenvoltura para com nossos clientes.

Ser vulnerável é frequentemente visto como contracultura, mas, em nosso trabalho, descobrimos que abraçar a vulnerabilidade com doses generosas de compaixão por si mesmo e pelos outros é “o prelúdio de uma prática corajosa, criativa e compassiva”. A vulnerabilidade é a porta de entrada para o aprendizado. A vulnerabilidade sem auto-compaixão nos deixa despreparados, expostos, assustados e presos. A autocompaixão sem vulnerabilidade nos deixa complacentes e cegos.

A intuição da vulnerabilidade sinaliza que algo necessita atenção, e está à margem do aprendizado e desenvolvimento do aqui e agora. Mas a vulnerabilidade exige deixar de lado o que pensávamos saber e adentrar o não saber. Isso requer uma mudança de paradigma consciente. Enquanto profissionais, entendemos que não precisamos nos apressar para estar 'certos', 'salvar' ou 'consertar as coisas', mas focar nossa atenção e intenção em estarmos corajosamente presentes, gentis e humanos quando nos deparamos com as vulnerabilidades de nossos clientes. Isso está lindamente ilustrado neste trecho do Karyn's Journal:

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium