revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #86 - Julho 2020

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Editorial - Ed. 86

Caros leitores,

que tema mais pertinente para o momento que vivemos. Vulnerável!!! O que significa isto? Segundo a etimologia, vulnerável vem do Latim VULNERABILIS, “o que pode ser ferido ou atacado”, de VULNERARE, “ferir”, de VULNUS, “ferida, lesão”, possivelmente de VELLERE, “rasgar, romper”.

Assim, estar vulnerável é estar em uma posição desconfortável pois nos coloca, de certa forma, em uma situação de impotência frente ao outro ou a uma situação. Sabemos que pouco controlamos do que acontece em nossas vidas, desta forma, aprendemos a conviver com a possibilidade de que algo inesperado possa acontecer a qualquer momento. Ao mesmo tempo em que isto é absolutamente natural na vida, pode nos levar a uma região de grande insegurança, chegando ao pânico.

Como lidar com a vulnerabilidade? Elaine Patterson e Karyn Prentice, colocam em seu primeiro texto, que “A vulnerabilidade não é uma fraqueza inconveniente, é nosso estado natural e nossa faculdade inata para entendermos a nós mesmos e enterdermos o nosso mundo.” Mais adiante completam “Ser vulnerável é frequentemente visto como contracultura, mas, em nosso trabalho, descobrimos que abraçar a vulnerabilidade com doses generosas de compaixão por si mesmo e pelos outros é “o prelúdio de uma prática corajosa, criativa e compassiva”. A vulnerabilidade é a porta de entrada para o aprendizado.

É com este espírito que te convido a mergulhar neste dossiê, e que ele seja um importante ponto de acesso à sua própria vulnerabilidade, propiciando mais autoconhecimento, autocompaixão e mais leveza frente a vida.

Nesta edição inauguramos uma nova coluna, “Empreenda&Venda”. Nela Demítrius de Souza irá nos presentear com reflexões sobre como o Coaching também como um negócio, para que possa tirar dele, sua sustentabilidade. Muitos modelos mentais precisam ser revisitados.

Bom ânimo e excelente leitura,

Luciano Lannes Editor

Artigo publicado em 06/07/2020
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Editorial - Ed. 100

Caros leitores, tenho tanto a compartilhar, falar, comentar, e ao mesmo tempo, um cansaço me invade a alma. Vivemos em uma sociedade que cultua a felicidade fácil, eterna, incondicional, que até originou o termo felicidade tóxica. Vivemos os tempos do empreendedorismo rumo ao sucesso, onde em vídeos e textos, experiências fantásticas são compartilhadas, do zero aos múltiplos... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 99

Caros leitores, falar sobre Burnout é muito importante, ainda mais em tempos de confinamento, isolamento social e uma sobrecarga de trabalho cada vez mais relatada e comentada. Quando defino um tema para o dossiê, o primeiro passo é eleger quem fará a coordenação, função mais que fundamental, pois esta figura, além de notório saber sobre o assunto, necessariamente precisa possuir... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 98

Caros leitores, foi no dia 26 de fevereiro de 2021 que Christine Bona De Napoli, em uma conversa que tivemos no WhatsApp, me propõe um dossiê sobre Codesenvolvimento. Começamos a papear,  e ela, apaixonadamente, começa a falar sobre a metodologia, origem, fundadores e as possibilidades que esta abordagem pode trazer para o mundo do Coaching e de quem trabalha com Desenvolvimento Humano... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 97

Caros leitores, esta é uma edição especial e comemorativa. Ela marca os oito anos desta caminhada, iniciada em uma viagem que fiz a Canela, no Rio Grande do Sul, para participar de uma formação em Storytelling, que também já foi tema de um dossiê. Naquela ocasião, já com minha consultoria há 5 anos, pensava em minha vida e carreira, e sentia que havia um espaço a ser... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 96

Caros leitores, em seu artigo, Carolina Messias e Michelle Prazeres citam o sociólogo francês Philippe Zarifian, que conceitua o termo “comunicação autêntica” como: “um processo pelo qual se instaura uma compreensão recíproca e se forma um sentido compartilhado, resultando em um entendimento sobre as ações que os sujeitos envolvidos são levados a assumir juntos ou de maneira... leia mais

3 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium