revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #78 - Novembro 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Líder mediador – Um modelo precioso para resultados mais sustentáveis

Em tempos de transição, faz-se urgente rever os modelos de relação com o mundo, com as pessoas e consigo mesmo. Por isso, é preciso reconsiderar um formato linear de pensamento e privilegiar abordagens mais sistêmicas e abrangentes para lidar com situações rotineiras, o que também se aplica à gestão de conflitos nas organizações. Além de constituírem parte inerente à experiência humana, os conflitos são fator fundamental ao crescimento, sem os quais restaria, com sorte, a estagnação.

A transformação dos conflitos em oportunidades demanda uma condução positiva, com coragem, inteligência, vontade e proatividade. Por outro lado, o enfrentamento negativo, competitivo e predatório pode levar ao escalonamento dos conflitos, chegando ao extremo da violência com tendência a causar prejuízos irreversíveis às relações interpessoais e às organizações.

Os colaboradores precisam ser capacitados e orientados para não permitir também, que as desavenças nas relações atinjam um patamar de acomodação e omissão, que suprima a renovação da sua realidade. Nesse sentido, é essencial que as organizações se recusem a instalar o medo do conflito, investindo corajosamente em uma transcendência positiva que sirva de ponte para os objetivos das pessoas e da própria organização.

Este aspecto transformador é destacado por Willian Ury, cofundador do Programa de Negociação de Harvard sobre aqueles que lideram entre conflitos: a liderança requer um novo conjunto de habilidades, “conviver com as diferenças, ouvir ponto de vista opostos, promover o diálogo construtivo e buscar pacientemente o consenso entre várias partes divergentes. Estas são atribuições bastante complexas. E a liderança entre conflitos é exatamente o que o mundo precisa agora

Frequentemente, observa-se que situações de conflito são percebidas pelas empresas como um desvio ou patologia, de modo que a demanda recorrente envolve extirpá-lo. Este pedido nos é feito frequentemente. Acabar com os conflitos!

Ora, sabemos que os conflitos são parte intrínseca da vida. Que eles são, na verdade, a febre, o sintoma, que nos conta sobre algo maior que acontece nos seus subterrâneos e para o qual, talvez, devêssemos olhar com curiosidade e interesse, exatamente para compreender onde pode nos levar.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium