revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #77 - Outubro 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Comunicação e Marketing de negócios autorais: da era dos imperativos à era das interrogações

Percebo que o marketing hoje faz parte da vida de dois tipos de profissionais: o primeiro que decidiu estudar e trabalhar diretamente nessa área, seja como freelancer, seja como colaborador de uma empresa; e o segundo, empreendedor, que pouco conhece disso e costuma perceber o marketing como um mal necessário. Nesse segundo caso, estamos nós, coaches, e também todos os profissionais que atuam autonomamente e dirigem seus próprios negócios, que hoje são muitos: profissionais da área da saúde (como psicólogos, fisioterapeutas, dentistas, personal trainers...), da educação (como professores, facilitadores de grupo, designers de aprendizagem, mentores...), da gastronomia, do entretenimento, moda e beleza, para citar alguns exemplos. Fato é que sempre existiram profissionais autônomos, mas desde o boom do Marketing Digital, a visibilidade deles aumentou e também a proliferação de novos profissionais que viram nesse canal (a) uma alternativa ao desemprego, a um mercado de trabalho tóxico e mal remunerado ou (b) via para fazer a sonhada transição de carreira e trabalhar com algo com mais sentido do que o chamado mundo corporativo.

Há uma série de fatores econômicos, sociais, tecnológicos e emocionais que contribuíram para o “êxodo” de profissionais das empresas para o empreendedorismo. Dentre eles, incluiria a rápida difusão da ferramenta do Marketing Digital. Sem dúvida, ela acelerou a chegada do futuro do trabalho para o presente para muitos profissionais, promovendo a transição da jornada de trabalho fixa de 6-9h/dia para um trabalho contínuo sem tempo determinado; a descentralização do local de trabalho, que deixa de ser apenas um, fixo, com equipamentos da empresa e passa a ser em qualquer lugar, de qualquer dispositivo com acesso à internet; a autorresponsabilização do profissional por seu plano de carreira, já que o empreendedor deixa de esperar pela decisão do empregador e passa a criar sua própria escada; até a mudança da característica do empregador, que deixa de ser apenas um e passa a ser vários.

Mas como, mais especificamente, o Marketing Digital influenciou a migração de profissionais com carteira assinada, estabilidade e ilusão de segurança para o mundo do empreendedorismo, incerto, volátil e complexo? Primeiro, o aumento de oportunidade de testar estratégias de preço, praça, produto e promoção (os 4Ps do marketing tradicional) e a visibilidade do público (que não está mais em outro bairro, cidade ou país, e sim na mesma rede e acessível 24h/dia à distância de um toque – nas redes sociais). Se nos anos 1990, a internet tinha menos de 150 sites no ar, no final dos anos 2000 esse número já batia quase 20 milhões! As tecnologias se sofisticaram e hoje as estratégias de marketing são cada vez menos focadas em anúncios de ofertas e cada vez mais focadas em pessoas, comportamentos de consumo e causas – haja vista o surgimento do termo influenciador/a digital. Segundo, não há como negar que muitos aproveitaram a oportunidade para ativar o fator emocional das pessoas: com a (falsa) promessa de facilidade de que qualquer pessoa poderia viralizar, impactar (ou “ajudar”) milhares de pessoas, realizar o sonho de viver do que se ama, trabalhar de pijama ou da praia, ter flexibilidade de tempo e espaço (afinal, é “tudo” feito on-line, no digital). Pior, com a promessa de que há um método de Marketing Digital eficaz para que qualquer pessoa de qualquer profissão consiga alcançar resultados rápidos em pouquíssimo tempo. E, caso não alcance, é por incompetência, autossabotagem ou falta de esforço da própria pessoa.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Constelações Familiares e Sistêmicas: O Método, o Facilitador, o Cliente e os Participantes

Uma abordagem que tem sido a cada dia mais notória na área terapêutica das famílias ou nas organizações. Esse artigo tem como referencial teórico, fontes bibliográficas de Bert Hellinger, autor que fundamentou as constelações familiares e sistêmicas. A Constelação Familiar e Sistêmica, é uma abordagem que pode ser aplicada de forma individual ou em grupo; refere-se ao... leia mais

13 minutos

Custo dos conflitos no ambiente organizacional e o “Conflict Coaching” como abordagem de resolução!

“AS EMPRESAS QUEREM SOMAR...E NÃO PERCEBEM A SOMA DA DISCÓRDIA...” As pressões no ambiente de trabalho aumentam cada vez mais apesar de todas as inovações. Fato identificado em conversas com alunos em escolas de negócios e clientes em desenvolvimento pessoal. O discurso comum revela um desejo de paz e alívio, e na prática, o que se vê é sofrimento, falta de confiança, medo e... leia mais

14 minutos

Points of You®: Inesperado, mas Preciso

Era outubro de 2014. De repente, um post no Facebook me despertou a atenção: “Points of You® – Venha conhecer a magia das nossas ferramentas!”. Mensagem intrigante, assim logo quis saber um pouco mais sobre do que se tratava. Numa primeira leitura senti que era algo muito especial e que talvez tivesse conexão com alguns dos projetos que estava desenvolvendo naquele momento. Na... leia mais

9 minutos

Desenvolvimento e Mudança de Comportamento

Nosso trabalho como profissionais de Coaching e Aprendizagem Organizacional nos últimos 20 anos nos levou a observar como as pessoas efetivamente se transformam e alcançam novos resultados nos relacionamentos (pessoais e organizacionais). Ao longo desta jornada encontramos um foco comum para estas transformações - a compreensão de que o Ser Humano se desenvolve através de uma sequência... leia mais

12 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium