revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #77 - Outubro 2019

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Comunicação e Marketing de negócios autorais: da era dos imperativos à era das interrogações

Percebo que o marketing hoje faz parte da vida de dois tipos de profissionais: o primeiro que decidiu estudar e trabalhar diretamente nessa área, seja como freelancer, seja como colaborador de uma empresa; e o segundo, empreendedor, que pouco conhece disso e costuma perceber o marketing como um mal necessário. Nesse segundo caso, estamos nós, coaches, e também todos os profissionais que atuam autonomamente e dirigem seus próprios negócios, que hoje são muitos: profissionais da área da saúde (como psicólogos, fisioterapeutas, dentistas, personal trainers...), da educação (como professores, facilitadores de grupo, designers de aprendizagem, mentores...), da gastronomia, do entretenimento, moda e beleza, para citar alguns exemplos. Fato é que sempre existiram profissionais autônomos, mas desde o boom do Marketing Digital, a visibilidade deles aumentou e também a proliferação de novos profissionais que viram nesse canal (a) uma alternativa ao desemprego, a um mercado de trabalho tóxico e mal remunerado ou (b) via para fazer a sonhada transição de carreira e trabalhar com algo com mais sentido do que o chamado mundo corporativo.

Há uma série de fatores econômicos, sociais, tecnológicos e emocionais que contribuíram para o “êxodo” de profissionais das empresas para o empreendedorismo. Dentre eles, incluiria a rápida difusão da ferramenta do Marketing Digital. Sem dúvida, ela acelerou a chegada do futuro do trabalho para o presente para muitos profissionais, promovendo a transição da jornada de trabalho fixa de 6-9h/dia para um trabalho contínuo sem tempo determinado; a descentralização do local de trabalho, que deixa de ser apenas um, fixo, com equipamentos da empresa e passa a ser em qualquer lugar, de qualquer dispositivo com acesso à internet; a autorresponsabilização do profissional por seu plano de carreira, já que o empreendedor deixa de esperar pela decisão do empregador e passa a criar sua própria escada; até a mudança da característica do empregador, que deixa de ser apenas um e passa a ser vários.

Mas como, mais especificamente, o Marketing Digital influenciou a migração de profissionais com carteira assinada, estabilidade e ilusão de segurança para o mundo do empreendedorismo, incerto, volátil e complexo? Primeiro, o aumento de oportunidade de testar estratégias de preço, praça, produto e promoção (os 4Ps do marketing tradicional) e a visibilidade do público (que não está mais em outro bairro, cidade ou país, e sim na mesma rede e acessível 24h/dia à distância de um toque – nas redes sociais). Se nos anos 1990, a internet tinha menos de 150 sites no ar, no final dos anos 2000 esse número já batia quase 20 milhões! As tecnologias se sofisticaram e hoje as estratégias de marketing são cada vez menos focadas em anúncios de ofertas e cada vez mais focadas em pessoas, comportamentos de consumo e causas – haja vista o surgimento do termo influenciador/a digital. Segundo, não há como negar que muitos aproveitaram a oportunidade para ativar o fator emocional das pessoas: com a (falsa) promessa de facilidade de que qualquer pessoa poderia viralizar, impactar (ou “ajudar”) milhares de pessoas, realizar o sonho de viver do que se ama, trabalhar de pijama ou da praia, ter flexibilidade de tempo e espaço (afinal, é “tudo” feito on-line, no digital). Pior, com a promessa de que há um método de Marketing Digital eficaz para que qualquer pessoa de qualquer profissão consiga alcançar resultados rápidos em pouquíssimo tempo. E, caso não alcance, é por incompetência, autossabotagem ou falta de esforço da própria pessoa.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O Trabalho do Terapeuta Organizacional com base na AIT

Você acha que é possível se permitir sentir quando está trabalhando? Esta pergunta pode parecer ter uma resposta óbvia, e esta resposta vinda de sua mente poderá ser: “sim”. O que fico aqui me perguntando é que se isso parece tão óbvio, para muitos de nós, por que majoritariamente o ambiente organizacional tem se mostrado um contexto frio, insensível, composto de pessoas usando... leia mais

12 minutos

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há... leia mais

11 minutos

O Coaching Evolutivo no momento atual da Humanidade

Vou começar esse artigo com 3 frases que me ajudaram a entender de forma mais profunda o universo das ideias sobre valores, níveis de desenvolvimento e consciência estruturados por Richard Barrett, que é na minha visão, uma das maiores autoridades sobre cultura e valores.  Nos últimos anos ele escreveu uma série de livros falando sobre o tema desse artigo e sobre novas formas de... leia mais

15 minutos

As etapas do trabalho biográfico e as artes plásticas como linguagem do processo

1-Visão panorâmica da própria biografia  Ao passar por um processo biográfico a pessoa revê passo a passo, a trajetória de sua vida, os impulsos, sentimentos e anseios que permearam as suas experiências, desde a lembrança mais remota até o momento atual. Ela tem, ao final desta retrospectiva, uma visão panorâmica de sua própria vida. Esta vivência é diferente da mera... leia mais

13 minutos

A Teoria Integral e o uso de Quadrantes em Coaching

Eu tinha uma experiência profissional mais voltada ao desenvolvimento de times e organizações, quando fui fazer uma formação com um biólogo chileno chamando Humberto Maturana. Quando concluí essa formação, tomei uma decisão de colocar o meu propósito também à serviço dos indivíduos. No entanto, sentia falta de estrutura, tanto para dar suporte a minha decisão por fazer coaching,... leia mais

8 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium