revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #60 - Maio 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Um outro olhar

Nossa coach Maria traz o seguinte caso: 
Tenho um cliente de coaching executivo que remarca ou falta com frequência, sempre alegando compromissos profissionais urgentes. Chegamos à metade do processo e vejo resultados muito tímidos em relação aos objetivos contratados, embora ele diga que está muito satisfeito. Fico preocupada com essa falta de compromisso dele, e acho um desrespeito comigo e com a organização que está bancando esse contrato. Essa empresa é minha cliente há dois anos, e nunca tive problemas com os outros coachees que atendi. Como devo me posicionar?

Obrigada, Maria, por trazer um caso clássico de coaching dentro das organizações. Gostaria de convidá-la a refletir sob diferentes ângulos da questão. 

Vamos partir da premissa apreciativa de que cada ser humano está sendo o melhor que pode ser naquele exato momento. Com essa suposição em mente, podemos perguntar: quais poderiam ser as razões que o fazem colocar um pé no acelerador e outro no freio?  Essa poderosa metáfora de Robert Kegan ajuda a compreender os processos humanos instalados de Imunidade à Mudança. Queremos mudar, mas há ganhos secundários em manter o status quo. Isso faz parte de qualquer processo de mudança e cabe ao coach investigar com o Cliente quais são as premissas que mantêm seu pé no freio. 

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Um outro olhar - Ed. 111

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: estou facilitando 4 grupos de coaching de grupos em uma empresa e tomei bastante cuidado para que líderes e liderados não estejam no mesmo grupo. Todos os participantes concordaram que tudo o que é compartilhado no grupo é tratado como informação privilegiada e as pessoas se comprometeram em manter o sigilo do conteúdo das sessões de coaching de... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 110

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: estou conduzindo processos de coaching de grupo em uma empresa e fiquei muito indignado! Recebi uma mensagem da coordenadora de RH dizendo que queria ter uma conversa comigo para saber qual o andamento dos grupos. É inacreditável que a própria pessoa de RH, que inclusive participa de um dos grupos e sabe que o conteúdo das sessões é confidencial,... leia mais

5 minutos

Um outro olhar - Ed. 109

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: estou incomodada com o término de processos de coaching executivo. Em geral contrato com a organização que patrocina o processo um número de sessões de coaching específico e esse conjunto é adequado para trabalhar junto ao cliente os temas pertinentes. Porém, algumas vezes sinto que o cliente poderia se beneficiar de mais algumas sessões.... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 108

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: estou me sentindo frustrado quanto a minha atividade como coach. Levo minha atuação muito a sério: sempre tenho em mente que a agenda é do cliente, me seguro para não dar qualquer conselho e fico concentrado em fazer perguntas poderosas. Mantenho uma lista de perguntas à mão para sempre estar preparado. Entretanto, algumas vezes me sinto mal,... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 107

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: uma cliente me procurou para um processo de coaching de carreira. Ela havia sido demitida e queria investir tempo e energia para repensar sua carreira. Na reunião de empatia acordamos 7 encontros, com ferramentas definidas, periodicidade das sessões, e expectativa de resultados frente ao processo. Depois de 4 sessões de coaching ela decidiu aceitar... leia mais

5 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium