revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #59 - Abril 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A arte da fala com propósito para Coaches

“...você pode levar um cavalo à beira do rio.
mas você é incapaz de fazê-lo beber água.“
(ditado caipira)

Falamos para influenciar alguém. E é tão simples formar frases que nem percebemos direito o que estamos fazendo. Entretanto, há uma coordenação sofisticada e mais ou menos consciente de músculos, regras gramaticais, vocabulário, ansiedade, respiração, ambiente e tradições culturais envolvidos. Essas coisas são tão unidas entre si que mal dá para separar quando queremos pensar em um aspecto isolado desse processo. Essa complexidade é uma riqueza infinita que nos permite expor, negociar e orientar necessidades e desejos, através da fala. É nesse contexto externo do processo de Coaching que o Coach deve sempre se esmerar para fazer da sua atuação pessoal e profissional uma arte afinada com aquilo que mais revela o seu interior, a sua fala.

Mas isso não é suficiente se o Coach quiser, de fato, fazer diferença na vida pessoal e profissional dos seus clientes, pois é nos aspectos internos, mais sutis, que se revela e amplia a complexidade que envolve a fala humana, e não no simples ato externo de falar. Rudolf Steiner[1] afirma que em toda conversa sempre existirá a atuação das forças anímicas do Pensar, Sentir e Querer, atuando de forma simultânea e recíproca entre quem fala e quem ouve. Ele também alerta que nos tempos atuais, aquilo que pensamos não interessa a ninguém e o que queremos irrita o outro, a não ser que o outro tenha ou seja despertado para um interesse interior genuíno para o que o outro quer conversar. É claro que aqui não se trata de uma conversa corriqueira entre as pessoas no dia-a-dia. É essa essência envolvida na relação coach-cliente que queremos explorar neste artigo feito especialmente para o programa de formação de Coaches com base antropósofica da ADIGO Desenvolvimento.

O falar, o ouvir e outros diálogos presentes no processo de coaching

Além dessa complexidade ampliada por Steiner, sabemos também que quando o Coach e o Cliente estão frente a frente, temos entre eles não só dois, mas quatro diálogos! Temos o diálogo 1 (entre o coach e o cliente), o diálogo 2 (entre o cliente e o coach), o diálogo 3 (o diálogo interno que o cliente tem consigo mesmo) e o diálogo 4 (o diálogo interno do próprio coach).

Podemos ver também que no diálogo entre o coach e o cliente está envolvido um outro processo sutil que abrange o ato da fala e a atitude interna da escuta entre coach e cliente. Por exemplo, quando o coach faz uma pergunta ao cliente, simultaneamente o cliente já elabora no seu interior uma possível resposta ao que foi perguntado. Como essa atitude é inconsciente, constata-se que o cliente pode não ter ouvido a pergunta do coach em todos os seus significados. A resposta à pergunta, que é a expressão do diálogo interno do cliente, pode ser superficial ou no mínimo inconsciente. Na mesma medida, podemos dizer que ocorre o mesmo com o Coach imaturo ou não preparado para essas sutilezas que envolvem a comunicação humana.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Luzes, câmera, ação! – parte 6

1971=>2021 – O que mudou? Parte 4 - Perspectiva dos consumidores/da sociedade Nos dois primeiros artigos, nós saímos do “De manhã ela faz tudo sempre igual” do Chico Buarque para o “Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu há um segundo, tudo muda o tempo todo no mundo” do Lulu Santos. No terceiro, quarto e quinto artigos analisamos o que mudou nestes 50 anos na... leia mais

16 minutos

Luzes, câmera, ação! – parte 5

1971=>2021 – O que mudou? Parte 3 - Perspectiva dos liderados. Nos dois primeiros artigos, nós saímos do “De manhã ela faz tudo sempre igual” do Chico Buarque para o “Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu há um segundo, tudo muda o tempo todo no mundo” do Lulu Santos. No terceiro e quarto artigos analisamos o que mudou nestes 50 anos na perspectiva das empresas... leia mais

16 minutos

Luzes, câmera, ação! – parte 4

1971=>2021 – O que mudou? Parte 2- Perspectiva das lideranças. Nos dois primeiros artigos, nós saímos do “De manhã ela faz tudo sempre igual” do Chico Buarque para o “Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu há um segundo, tudo muda o tempo todo no mundo” do Lulu Santos. No terceiro artigo começamos analisando o que mudou nestes 50 anos na perspectiva das... leia mais

16 minutos

Luzes, câmera, ação! – parte 3

1971=>2021 – O que mudou? Parte 1- Perspectiva das empresas. Nos dois primeiros artigos, nós saímos do “De manhã ela faz tudo sempre igual” do Chico Buarque para o “Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu há um segundo, tudo muda o tempo todo no mundo” do Lulu Santos. E como dissemos ao final do segundo capítulo, vamos agora analisar o que mudou nestes 50 anos. ... leia mais

14 minutos

Luzes, câmera, ação! – parte 2

Gravando em 2021 - De volta para o futuro. Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia (Lulu Santos). Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (Raul Seixas). Com o indispensável auxílio do Guia 4 Rodas, o DeLorean imaginário, nave fantástica que só a ficção literária pode oferecer, deixa o ano de 1971 e, em uma... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium