revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #59 - Abril 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O papel do coach e o uso do empoderamento como recurso no processo de Coaching Executivo e Empresarial

Introdução

Quando fui convidada para escrever este artigo da série que tem como tema “empoderamento do coachee”, surgiu, de imediato, uma reflexão sobre o termo empoderamento.

Empoderamento tem sido usado de tantas maneiras, em tantas áreas, e não raras vezes trazendo até uma certa ideia de submetimento, no sentido de um que empodera e o outro que é empoderado, que me parecia um risco favorecer uma leitura nesta linha, principalmente, quando o que se tem como pano de fundo é o papel do coach no processo de coaching executivo e empresarial.

Fazendo uma busca, deparei com um artigo chamado: “Paulo Freire, o educador brasileiro autor do termo Empoderamento, em seu sentido transformador”([1]). Confesso minha surpresa e também a minha ignorância: não sabia que Paulo Freire havia tratado sobre este tema em algum momento de sua carreira. Fiquei entusiasmada em continuar, motivada, principalmente, pelo complemento “em seu sentido transformador”. 

No Glossário Social de autoria de SCHIAVO e MOREIRA (2005 p. 59), havia uma referência e, de acordo com eles, o termo “empoderamento”, para Freire: “Implica, essencialmente, a obtenção de informações adequadas, um processo de reflexão e tomada de consciência quanto à sua condição atual, uma clara formulação das mudanças desejadas e da condição a ser construída. A estas variáveis, deve somar-se uma mudança de atitude que impulsione a pessoa, grupo ou instituição para a ação prática, metódica e sistemática, no sentido dos objetivos e metas traçadas, abandonando-se a antiga postura meramente reativa ou receptiva”.

Esta definição não só ajudou a afastar a sensação de submetimento, conforme dito acima, como ela parecia fazer referência ao próprio processo de Coaching. Agora já estava mais fácil escrever sobre este tema.

Mas, a partir de que viés, abordar o tema empoderamento? Poderia ser usando o conceito de Permissão da Análise Transacional, poderia ser pelo instrumento feedback, enfim, havia várias possibilidades.

Ainda buscando fundamentos, o texto sobre o recurso “empoderamento” apresentado por Krausz (2007, p. 100), trouxe mais uma questão. A última frase: “Faz-se necessário ressaltar que o coach só poderá utilizar-se eficazmente desse recurso (o empoderamento) se ele próprio tiver passado por esse processo”.

O processo a que se refere a autora, é o de transformar o modo de pensar e de agir, de sair da zona de conforto, de processar novas informações e de entender que as mudanças são desafios constantes da atualidade. Quem é capaz de empreender este movimento, a partir de um processo de coaching, sente-se empoderado e apto a “desenvolver uma visão de mundo e reconhecer a condição humana da interdependência.”. Analisando ambas considerações, de Krausz e de Freire, concluí que empoderamento é efeito, ou seja, uma condição consequente a um processo bem-sucedido de mudança.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos

Falemos sobre imunidade à mudanças

Foi no dia 15 de novembro de 2014 que o professor Robert Kegan conquistou a atenção de mais de 400 coaches reunidos na conferência global da ICF, no Rio de Janeiro. Entrou com seu notebook em mãos e, com voz tranquila e segura, conduziu uma palestra intercalada com atividades em dupla. Ao final, boa parte dos participantes havia identificado crenças, até então inconscientes, que... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium