revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #58 - Março 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Ser responsável: a potência que move a vida no processo de coaching

Em um dos mais instigantes filmes da Nouvelle Vague, “Viver a Vida”, de Godard, presenciamos Sartre na voz da protagonista Nana, quando na célebre cena do café, assim replica: "Acho que sempre somos responsáveis pelas nossas ações. Somos livres. Levanto a minha mão: sou responsável. Viro minha cabeça à direita: sou responsável. Sou infeliz: sou responsável. Fumo um cigarro: sou responsável. Fecho meus olhos: sou responsável. Eu esqueço que sou responsável, mas eu sou.”

Segundo Sartre, somos responsáveis pelas nossas ações pelo fato de que “o homem é condenado a ser livre”[1]; logo, está fadado a assumir todas as consequências de suas ações. Estar ciente desta responsabilidade é um importante alicerce que move o processo de coaching em seu tripé consciência-responsabilidade-aprendizagem. Este artigo almeja elucidar certo momento em que os indivíduos, ao buscarem o coaching, deparam-se com a quebra da transparência em virtude de algum acontecimento que os faz observar a vida de modo mais atencioso, perpassando os momentos de conversa entre coach e coachee de modo a estabelecer "gatilhos" para ações que "despertem" a consciência e vontade de potência humana para um viver mais refletido, mais ético e, definitivamente, mais responsável.

Encontrar-se no meio do caos, sem saber para onde seguir, é um momento primoroso para a reflexão e chamada de responsabilidade para determinado problema que se revela impossível, escasso de possibilidades. O momento caótico torna-se extremamente fértil, uma vez que permite-se ver a quebra da transparência, ou seja, o indivíduo almeja observar sua vida não mais de maneira automática, inconsciente, mas de modo consciente, querendo então lidar com a situação proposta. Esta quebra do automatismo é denominada de “quiebre”, fenômeno existencial do ser humano que o permite visualizar algo que precisa ser transformado e assim exercer uma mudança em determinado aspecto da transparência que permeia sua vida.

Reconhecer e declarar um “quiebre” é um fator fundamental para um ganho de consciência, fazendo com que o indivíduo sinta-se responsável pelo seu processo de aprendizagem. Um meio de lidar com este “quiebre” está justamente no processo de coaching, em que através de conversas qualificadas, coach e coachee podem pensar juntos e assim encontrar estímulos que se transformem em ações.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Empatia Eficaz: a chave para o coaching transformacional

(Practice – Accurate Empathy: the key to masterful coaching) A palestra aconteceu em um tom de conversa informal, com muita maestria pessoal e toques de emoção genuína por parte do Dr. D Ivan Young. Algumas ideias centrais merecem estar neste texto, não por serem novas, mas por trazerem profundidade no tema e desafios gigantes para os coaches que desejam fazer a diferença na... leia mais

14 minutos

O que significa ser “alfabetizado em futuros”?

Ser alfabetizado no futuro significa compreender que existem diferentes sistemas de antecipação. São diferentes maneiras de imaginarmos o futuro e diferentes razões para imaginar o futuro. A proposição básica é que o futuro só́ pode ser imaginário. Precisamos entender por que e como nossa imaginação criou imagens do futuro, baseando-se em suposições ou molduras. Portanto, para... leia mais

8 minutos

Pais imperfeitos, filhos resilientes: o poder da autocompaixão

Apesar de conhecido como fundador da psicologia positiva, meu professor de mestrado, Martin Seligman, construiu a carreira estudando depressão. E como um bom pesquisador, nos incentivava a refletir sobre perguntas para as quais ele ainda não havia encontrado respostas. Uma das mais recorrentes era: por que estamos deprimindo cada vez mais? Por mais que o mundo tenha muito espaço para mudanças... leia mais

15 minutos

Há (muita) vida após a Burnout

Eu vi o chão sumir debaixo dos meus pés. Perdi a direção. Perdi o ânimo. Perdi a confiança em mim mesma e nas pessoas. Foram cinco anos de dor, de exaustão, de promessas mágicas de cura, de destruição da minha autoestima, de traumas e de lutos. Luto por quem eu achava que era, luto pelo ambiente que me adoeceu, luto pela cultura que glorifica o excesso de trabalho e... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium