revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #58 - Março 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A serviço de que?

O coaching pode, sim, atender muitos interesses.

Era comum, quando criança, que a minha mãe me levasse ao cinema. Ela gostava muito da sétima arte, especialmente dos filmes policiais. Lia livros da Agatha Christie, não perdia um capítulo das aventuras do Ellery Queen na televisão, e foi com ela que aprendi a também gostar de tudo isso. Mas naquele dia aconteceu algo diferente: meu pai quis me levar ao cinema. Isso não era comum. Fiquei, claro, alegre. Estava em cartaz “Isto É Pelé” um documentário dirigido por Luiz Carlos Barreto e Eduardo Escorel. Era a década de 70, e meu pai se esforçava para estreitar nosso vínculo.

– Como queria ser filho do Pelé – eu disse para ele ao voltar para casa.
Tinha ficado impressionado com a habilidade do rei. Como eu queria poder driblar dessa maneira, deixar os outros jogadores para trás, brilhar nos gramados, viajar o mundo e ter meu nome gritado por milhares de pessoas nas arquibancadas. Sendo filho do rei, pensei, seria bem mais fácil atingir esses objetivos.  
– Mas Pelé não era filho de Pelé – disse meu pai sabiamente.
Cada vez que lembro disso, posso sentir que também houve uma certa decepção nele. Era a primeira vez que me levava ao cinema. Queria estabelecer uma conexão diferente comigo. Mas eu quis ser filho do Pelé. Quis pegar um atalho.

Atalho é algo que um processo de coaching não ensina. Segundo o dicionário, um atalho é um caminho secundário que evita rodear pelo caminho principal e permite encurtar caminho ou chegar mais rapidamente a um lugar. Em qualquer processo decente de coaching esse não é o objetivo principal.

No decorrer da vida, é claro que encontramos e pegamos atalhos. Vários deles podem ser muito adequados para nossas necessidades. Mas não é a serviço de acharmos atalhos para atingir nossos objetivos que um processo de coaching está.

Aprendizado. Expansão da consciência. Auto responsabilização. São esses os resultados que um bom processo de coaching deve entregar para o coachee. E, não raro, o coach acaba também adicionando mais desses ganhos para si a cada processo.

Nestes tempos, é muito relevante fazermos a pergunta: a serviço de que está um processo de coaching então?

Para que? Para quem? Quem se beneficia? O que cabe dentro? São perguntas sobre as quais vale refletirmos, e para as quais pensamos que poderiam existir várias respostas, dependendo do ponto de vista. Mas existe algo primordial que não podemos negar. Antes, porém, de responder, gostaria que refletíssemos sobre algumas coisas que são, e outras que não são, bases de um bom processo.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Fazendo arte!?

“A noite parece adentrar-se profundamente, Somente no interior resplandece clara luz.” J. W. Goethe A leitura deste artigo já pode ser uma jornada sobre o tema, uma experiência, uma vivência de experimentação e exploração do mundo das forças da vida, da criação. Assim, para iniciar, convido para uma experiência de centramento. Sente-se de forma... leia mais

14 minutos

Bem-dizer a autenticidade

Ninguém duvida que o mundo seria um lugar melhor se as pessoas se comunicassem com respeito, empatia e cuidado consigo mesmas e com os outros. A Comunicação Autêntica surge como uma prática recente, que procura dar conta desse ideal, ou propósito. Suas práticas são tão diversas quanto seu corpo conceitual, que tem inspirações desde a Psicologia Humanista, de Carl Rogers, até a... leia mais

11 minutos

Mindfulness & Inteligência Emocional

“O termo Saúde Mental está relacionado à forma como uma pessoa reage às exigências, desafios e mudanças da vida e ao modo como harmoniza suas ideias e emoções” (www.einstein.br/saudemental). Mindfulness & Saúde Mental Após duas décadas de trabalho com a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) junto a pessoas que sofriam de ansiedade, depressão, comportamentos compulsivos dentre... leia mais

14 minutos

Liderar líderes voluntários: um aprendizado para a vida

“Admiro as pessoas que brilham como as estrelas, mas aprendi a admirar, o brilho maior, muitas vezes invisível, dos produtores de estrelas”. Luiz Carlos Campos Com muito prazer aceitei o convite de escrever este artigo sobre as minhas práticas e vivências na liderança voluntária. Não poderia começar sem mencionar o quanto aprendi com duas pessoas que marcaram a... leia mais

13 minutos

De “Fazedora” a Líder – Uma Jornada Generativa

Esta jornada que convido vocês a navegarem comigo começa no seminário “Foundations of Generative Leadership” (Fundamentos da Liderança Generativa), que assisti com Bob Dunham. Neste seminário, ele fez uma pergunta tão simples e poderosa como essa: “What do you care about?” (Com o que você se importa? O que lhe importa cuidar?). Abro aqui espaço para um contexto. Eu sempre fui... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium