revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #56 - Janeiro 2018

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O corpo da crença: reflexões sobre o tema em processos de coaching

Tenho visto que diversas formações e certificações de coaching têm trabalhado como foco central as crenças dos coachees. A grande questão é o que fazer e como abordar as crenças dos clientes de uma forma mais consistente além de algumas maneiras mais “comuns”?

Gregory Bateson foi um biólogo e antropólogo que estudou a fundo a teoria dos sistemas e os impactos desta abordagem na psicologia, na psiquiatria e na linguística (Tosey, 2006). Com base nos trabalhos de Bateson, e um em específico, Robert Dilts adaptou e “apresentou” um dos frameworks mais conhecidos da PNL (e também no Coaching): a pirâmide dos níveis neurológicos. Nela, Dilts apresenta cinco níveis sobre como podemos trabalhar processos de mudança. O primeiro nível é o ambiente, o segundo são os comportamentos, o próximo são as capacidades, seguido dos valores e crenças e culminado na missão/visão de uma pessoa. Olhar para estas cinco dimensões pode ajudar o coach a definir um foco no trabalho com o cliente. Ressalta importante que, na maioria das vezes, as sessões centram-se no quarto nível (crenças e valores). Isto porque o trabalho nos níveis anteriores tem pouco ou nenhum efeito se a crença da pessoa não for “explorada” e expandida.

Uma outra abordagem de como se pode entender e abordar as crenças é entendendo o(s) modelo(s) mental(is) dos clientes. A grande contribuição neste sentido é de Peter Senge no seu livro “A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende”. Apesar de muitos coaches já terem ouvido falar de modelos mentais, ainda percebo que vale a pena aprofundar muito no trabalho de Senge para se apropriar do que são realmente os modelos mentais, como eles funcionam e como podem ser trabalhados no processo de coaching. Para Senge (2013), “modelos mentais são pressupostos profundamente arraigados, generalizações, ilustrações, imagens ou histórias que influem na nossa maneira de compreender o mundo e nele agir.”

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O Cultivo da confiança como força pessoal e social

Por mais de duas décadas me dedico a apoiar o desenvolvimento de pessoas e sempre percebi a necessidade de potencializar confiança mútua nos times e organizações. Mas de alguns anos pra cá, o que tem verdadeiramente me intrigado é um fenômeno que observo nos processos de coaching e que vem aflorando intensamente: a crise na autoconfiança de executivos. No passado, era comum vermos altos... leia mais

15 minutos

Linguajeando Autenticamente

A biologia-cultural é uma das disciplinas fundadas por Humberto Maturana, biólogo chileno indicado ao prêmio Nobel de fisiologia a partir de seus estudos sobre a vida e o ser humano. Maturana considera o observador um ser não-estático. O observador é o ato de observar - assim como a onda não é a água e sim sua relação cinética – só podemos falar deste ao observar as dimensões de... leia mais

12 minutos

Responsabilidade Social: Projeto Fortalecer

As tempestades chegam apenas para testar nossas forças Coaching é uma prática que envolve desenvolver e cuidar de pessoas e, a partir desta perpectiva, início este artigo. Participar deste dossiê sobre Responsabilidade Social nesta conceituada revista é uma honra para mim. Fez emergir valores profundos e genuínos, conectados com a minha jornada recente de Liderança... leia mais

12 minutos

Responsabilidade Social: Todos Somos os Outros de Alguém

“Um dia ele chega tão diferente  do seu jeito sempre de chegar olhou-a de um jeito mais quente do que sempre costumava olhar (...)” Valsinha de Chico Buarque Se todos somos os Outros de alguém, vale repensar a máxima do livro: O Menino Maluquinho de Ziraldo que descobriu aos 10 anos que para o Outro você também é o Outro, então quem será o Eu? Para a... leia mais

11 minutos

Liderança Generativa e Propósito de Vida

Após mais de trinta anos de prática como advogado e líder de projetos e equipes em grandes escritórios, resolvi agregar novos desafios à minha vida – sair da famosa “zona de conforto”. Decidi construir uma nova trajetória profissional como mediador (“peace maker”), o que, com o passar dos anos, se tornou para mim uma nova paixão. A mediação, contudo, ainda é uma atividade em... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium